Artigos

Voices on the Medieval Page, Part 1: The Reader

Voices on the Medieval Page, Part 1: The Reader


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Vozes na página medieval, parte 1: o leitor

Por Erik Kwakkel

Publicado online em fragmentos medievais (2013)

Introdução: Um livro medieval foi feito porque um indivíduo queria ler, se possuir, o texto contido em suas páginas. No entanto, possuir um livro antes da impressão era um luxo. Devido ao longo tempo de produção (facilmente meio ano para um texto longo) e aos materiais usados ​​(até c. 1300 as peles de animais), o custo de produção de um livro era elevado, mesmo que não contivesse decoração ou miniaturas. É por isso que até o final da Idade Média a propriedade de livros era geralmente confinada a ambientes prósperos, como casas religiosas, tribunais e residências de mercadores e patrícios.

Considerando o quão especial era possuir um manuscrito, pode parecer notável que os leitores medievais escreveram em seus livros. Na verdade, suas contribuições não convidadas podem ser consideráveis. Enquanto em nossos dias modernos rabiscar na página é visto por muitos como um ato quase ofensivo, tolerado talvez apenas quando feito para fins de estudo, os leitores medievais consideravam isso uma prática normal, uma parte integrante da experiência de leitura. Notas marginais, texto sublinhado, apontar dedos ajudaram a digerir o texto e abrir um diálogo com o autor. Portanto, a caneta era tão importante quanto os óculos de leitura.


Assista o vídeo: Relaxing Medieval, Middle Ages Music 10 Hours (Julho 2022).


Comentários:

  1. Andrue

    Eu gosto dessa ideia, concordo completamente com você.

  2. Stefano

    Bem, sim, não tão normal

  3. Costin

    Eu acho que já foi discutido.



Escreve uma mensagem