Artigos

Usando a ciência cognitiva para pensar sobre o século XII: revisitando o indivíduo por meio de textos latinos

Usando a ciência cognitiva para pensar sobre o século XII: revisitando o indivíduo por meio de textos latinos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Usando a ciência cognitiva para pensar sobre o século XII: revisitando o indivíduo por meio de textos latinos

Por Edward Arthur Mullins

Dissertação de Doutorado, Universidade de Exeter, 2010

Resumo: Este estudo tem vários objetivos principais. Em primeiro lugar, testa a aplicabilidade potencial dos discursos modernos da ciência neuro / e cognitiva ao estudo de textos e linguagens medievais: mais especificamente, faz isso usando duas ferramentas metodológicas centrais, ou seja, a visão corporificada da mente e uma teoria de metáfora desenvolvida colaborativamente pelo linguista George Lakoff e pelo filósofo Mark Johnson para explorar a gama de significados que podem ser extraídos das maneiras como a vida e a existência humanas são representadas em uma amostra de textos latinos do século XII. Em segundo lugar, desafia a visão, sustentada por alguns estudiosos modernos, de que no período medieval o latim era uma língua intrinsecamente inadequada para os propósitos de auto / expressão. E, finalmente, problematiza os discursos existentes nos estudos medievais sobre o indivíduo, o self e a subjetividade, primeiro, desenvolvendo um novo modo de analisar a vida mental das pessoas medievais e, segundo, desafiando a visão de que formas avançadas de autoconsciência foram “descobertos” durante o século XII.

Seguindo este curso, este estudo oferece uma série de novas percepções sobre os textos do século XII e os fenômenos do indivíduo, do eu e da subjetividade. Mais importante ainda, mostra que as maneiras pelas quais a vida e a existência humana são representadas nos textos medievais são mais bem compreendidas em termos de interações complexas entre a mente biológica e o corpo e seus efeitos no mundo (especialmente seus efeitos “socioculturais”). A partir dessa conclusão, argumenta-se que a base do indivíduo, do eu ou do sujeito deve ser encontrada, não apenas no desenvolvimento sócio / cultural, mas também nas realidades biológicas da existência humana. Além disso, este estudo contribui para a literatura existente no século XII, explorando a gama de influências, antigas e contemporâneas, que afetaram o modo como as pessoas medievais pensavam sobre si mesmas e outras pessoas, ao mesmo tempo em que afirmam suas bases na interação entre mente, corpo e cultura. .


Assista o vídeo: Entrevista al filósofo Ulrich Beck (Junho 2022).


Comentários:

  1. Zolosar

    O que você quer dizer?

  2. He Lush Ka

    Isso apenas condicionalidade, não mais



Escreve uma mensagem