Artigos

Romanos reticentes: silêncio e escrita em La Vie de Saint Alexis, Le Conte du Graal e Le Roman de Silence

Romanos reticentes: silêncio e escrita em La Vie de Saint Alexis, Le Conte du Graal e Le Roman de Silence


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Romanos Reticentes: Silêncio e Escrita em La Vie de Saint Alexis, Le Conte du Graal, e Le Roman de Silence

Por Evan J. Bibbe

Dissertação de PhD, Louisiana State University, 2003

Resumo: À parte do discurso, mas de alguma forma parte dele, o silêncio é um fenômeno linguístico fortemente ambíguo que confunde as linhas entre presença e ausência. Ultrapassando os aspectos materiais da linguagem oral e escrita, ela só é perceptível à medida que as lacunas ou espaços entre as palavras. No entanto, ele desempenha um papel em todas as produções linguísticas: embora o silêncio em si não possa ser comunicado diretamente, ele pode influenciar a comunicação. Em um texto literário, o silêncio pode assumir muitas formas diferentes, incluindo hesitações rítmicas, omissões retóricas e oposições poéticas que imitam as lacunas audíveis da linguagem falada. A interação visual, auditiva e ficcional de todos esses componentes acaba induzindo significados de outra forma não nomeados, significados que existem como parte da rede simbólica de um texto, mas além da divisão e diferença de significantes. E embora traços desse fenômeno possam ser encontrados na literatura de todos os períodos e gêneros históricos, os três romances medievais nos quais escolhi explorá-lo - La Vie de Saint Alexis, Le Conte du Graal, e Le Roman de Silence - exibem uma consciência particularmente forte dos problemas comunicativos e das possibilidades geradas pelo silêncio. Cada um demonstra - embora de uma forma ligeiramente diferente - que o silêncio é mais do que apenas omissão: dentro das suas páginas, torna-se uma força elusiva mas criadora que molda o desenvolvimento temático e estrutura a poética. Em última análise, no entanto, a força estruturante do silêncio não é apenas textual, mas também ontológica, afetando nossa existência e percepções de quem somos.


Assista o vídeo: #10. UPDATE LECTURE La vie est un roman, Lucinda Riley, classiques etc (Pode 2022).