Artigos

Khnum, Isis & Nephthys

Khnum, Isis & Nephthys


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Deuses egípcios

o Deuses egípcios são forças primitivas que já foram adoradas pelos antigos egípcios. Os deuses também são entidades criadas, como os humanos, mas são muito mais poderosos. Eles servem como uma ponte entre o mundo natural e o mundo humano. Com o tempo, os egípcios perceberam que os deuses não deveriam ser adorados e, embora ainda orassem a eles e usassem seus poderes, os mágicos começaram a treinar para lutar contra os deuses quando necessário.


Khnum, Isis & Nephthys - História

Deus Potter do Lodo de Inundação e da Criação

Ram encabeçado por Deus - Senhor da Catarata

Deus da fecundidade e da criação da área da Catarata.

Khnum (Khenmew, Khnemu, Khenmu, Chnum), do egípcio 'unir', 'juntar' ou 'construir', era uma antiga divindade da fertilidade, água e o grande oleiro que criou as crianças e seu ka em sua concepção. Ele foi mencionado nos textos da pirâmide e o nome do construtor da pirâmide Khufu era na verdade 'Khnum-Khufu', que significa 'Khnum é seu protetor'. Seu culto era popular antes que o culto de Rá o eclipsasse. Os próximos construtores de pirâmides foram seu filho e neto que adicionaram 'Ra' aos seus nomes - Khafra e Menkaura. Khnum era possivelmente até um deus pré-dinástico. Os egípcios acreditavam que ele era o guardião da nascente do Nilo, que originalmente era um deus do Nilo, mas que se tornou um ajudante de Hapi.

Seu papel mudou de deus do rio para aquele que garante que a quantidade certa de lodo seja lançada na água durante a inundação. Ao trabalhar com o lodo, o próprio solo que os antigos oleiros egípcios usavam, ele se tornou o grande oleiro que não apenas moldou homens e mulheres, mas também os próprios deuses e o mundo.

Ele foi descrito como um carneiro, homem com cabeça de carneiro ou como um macho completo com chifres de carneiro que usa uma coroa branca emplumada do Alto Egito. Nos primeiros tempos, ele foi mostrado como o primeiro carneiro domesticado, o Ovis longipes palaeoaegyptiacus, com longos chifres em saca-rolhas crescendo horizontalmente para fora de sua cabeça. Esta espécie morreu, embora mesmo assim ele ainda fosse descrito como aquela raça de ovelhas até muito mais tarde na história egípcia. Eventualmente, ele foi mostrado como o Ovis platyra (o tipo de carneiro associado a Amen) com chifres curvando-se para dentro em direção ao seu rosto. Às vezes, ele era mostrado com quatro cabeças de carneiro, alinhando-o com o deus do sol Rá, o deus do ar Shu, o deus da terra Geb e Osíris, senhor dos mortos. Em sua forma de quatro cabeças, ele era conhecido como Sheft-hat. Os egípcios acreditavam que o carneiro era um animal muito potente e, portanto, Khnum estava ligado à fertilidade.

Considerado o ba de Rá - pode ser um trocadilho egípcio sobre o fato de que o carneiro também era chamado de ba -, ele ajudava Rá a viajar pelo submundo todas as noites na Barca Solar. Nos textos da pirâmide (Enunciado 300), a barca era referida como a "Barca Ikhet que Khnum fez", portanto, ele não apenas defendeu a barca, mas pensou-se que Khnum também a criou. Nessa forma, ele era frequentemente chamado de Khnum-Ra e usa o disco solar de Ra.

Originalmente um deus da água, Khnum era frequentemente retratado pelos egípcios como a fonte do Nilo. Nas paredes do templo, às vezes era mostrado segurando uma jarra, com a preciosa água fluindo dela. Ele também era considerado um guardião das águas do submundo. Ele é mencionado como uma divindade protetora dos mortos. Muitos escaravelhos de coração têm versões semelhantes de um dos feitiços do Livro dos Mortos para proteger o falecido contra um julgamento negativo nos Salões de Ma'at.

Ó meu coração.
Não se levante contra mim como testemunha!
Não crie oposição contra mim entre os assessores!
Não incline a balança contra mim na presença do Guardião do Equilíbrio!
Você é minha alma que está em meu corpo,
O deus Khnum que faz meus membros soarem.
Quando você vai para a outra vida,
Meu nome não deve feder para os cortesãos que criam pessoas em seu nome.
Não diga mentiras sobre mim na presença do Grande Deus!

- Feitiço do escaravelho do coração, tradução de Thomas J. Logan


O deus com cabeça de carneiro era o 'Senhor da Catarata', um deus da inundação anual e do solo fértil e negro que veio com o dilúvio. Khnum também era visto como um deus da fertilidade por causa de sua associação com o lodo fértil. A cerâmica foi criada a partir do solo do Nilo, e acreditava-se que ele criou os primeiros humanos - e os deuses - em sua roda de oleiro com este lodo. Em Iunyt (Esna), acreditava-se que foi ele quem moldou o primeiro ovo do qual o sol eclodiu e, portanto, foi um deus criador que era 'Pai dos pais dos deuses e deusas, Senhor das coisas criadas por si mesmo, criador do Céu e da Terra e do Duat e da Água e das Montanhas '.

A grande maioria da cerâmica foi fabricada com lodo do Nilo ou argila marga, as duas principais matérias-primas usadas na fabricação de cerâmica egípcia. As argilas de Marl e os lodos do Nilo geralmente não eram usados ​​para os mesmos tipos de vasos. Por exemplo, panelas, xícaras, tigelas de prato, suportes de anel, jarras de porcelana Tell el-Yehudiyah, jarras pretas e vermelhas polidas, copos e certos grupos de potes foram produzidos principalmente de lodo do Nilo. as tigelas de prato formadas de argila marga geralmente eram colocadas em vermelho para fornecer a aparência externa desejada de um lodo do Nilo; uma tigela carinada fabricada com lodo pode ter o branco deslizado para se assemelhar a uma argila marga.

- Etnia, cerâmica e hicsos em Tell El-Maskhuta, no delta egípcio, Carol A. Redmount

A Estela da Fome na ilha Sehel conta a história de um sonho que Djoser supostamente teve. O Egito estava passando por uma seca de sete anos e um templo foi construído para Khnum na esperança de que a fome acabasse:

Quando eu estava dormindo, meu coração estava cheio de vida e felicidade. Encontrei o deus de pé. Eu causei prazer a ele adorando-o e adorando-o. Ele se deu a conhecer e disse: "Eu sou Khnum, seu criador, meus braços estão ao seu redor, para firmar seu corpo, para proteger seus membros. Eu concedo a vocês minérios com pedras preciosas existentes desde a antiguidade que não foram trabalhadas antes para construir templos, reconstruir ruínas, esculpir capelas para seu mestre. Eu sou o mestre da criação. Eu me criei, o grande oceano que veio a existir em tempos passados, de acordo com cujo prazer o Nilo sobe. Pois eu sou o mestre que faz, Eu sou aquele que se exalta em Nun, o que primeiro surgiu, Hapi que se apressa à vontade como formador de todos, guia de cada homem em sua hora.

Eu sou Tatenen, pai dos deuses, o grande Shu que vive na costa. As duas cavernas estão em uma trincheira abaixo de mim. Depende de mim abrir o poço. Eu conheço o Nilo, exorto-o ao campo, exorto-o, a vida aparece em cada nariz. Como se deseja para o campo. Eu farei o Nilo inchar para você, sem que haja um ano de falta e cansaço em toda a terra, para que as plantas floresçam, dobrando-se sob seus frutos. Renenutet está em todas as coisas, tudo será gerado aos milhões e a todos. em cujo celeiro havia escassez. A terra do Egito está começando a se mexer novamente, as praias estão brilhando maravilhosamente e a riqueza e o bem-estar habitam com elas, como antes.

Então acordei feliz, meu coração estava decidido e tranquilo. Eu decretei esta ordem para o templo de meu pai Khnum. Sacrifício real por Khnum-Re, senhor da catarata, primeiro de Núbia, como recompensa pelo que você me favoreceu. Dou-lhe de presente a sua costa ocidental pela montanha do crepúsculo e a sua costa oriental pela montanha do amanhecer, de Elefantina a. com doze auroras nas costas oriental e ocidental, com as plantas, com os portos com o rio e com todos os assentamentos nessas auroras.

- Estela da fome em Sehel

Como oleiro, pensava-se que ele moldava o corpo de uma criança, e isso é ka antes do nascimento. Ele era chamado de 'Pai dos Pais e Mãe das Mães'. Foi ele também quem deu saúde à criança depois que nasceu. Na história dos trigêmeos de Raddjedet, as deusas relacionadas ao nascimento, Ísis, Nephthys, Meskhenet e Heqet se disfarçaram como músicas com Khnum como seu carregador. Depois que cada criança foi "levada para frente", o cordão umbilical foi cortado e o destino foi pronunciado, Khnum foi quem "deu saúde" a cada criança. Portanto, Khnum não apenas criou a criança e seu sósia, mas pensava-se que também lhe daria saúde ao nascer.

Hatshepsut foi um faraó que encorajou a crença de que Khnum, a pedido de Amen, criou a ela e seu ka:

Amen-Ra chamou Khnum, o criador, o modelador dos corpos dos homens.

"Modele para mim o corpo de minha filha e o corpo de seu ka", disse Amen-Ra, "Uma grande rainha farei dela, e honra e poder serão dignos de sua dignidade e glória."

"Ó Amen-Ra," respondeu Khnum, "Será feito como você disse. A beleza de sua filha deve superar a dos deuses e será digna de sua dignidade e glória."

Então Khnum modelou o corpo da filha de Amen-Ra e o corpo de seu ka, as duas formas exatamente iguais e mais bonitas do que as filhas dos homens. Ele os moldou de barro com o ar de sua roda de oleiro e Heqet, deusa do nascimento, ajoelhou-se ao seu lado segurando o sinal de vida em direção ao barro para que os corpos de Hatshepsut e seu ka pudessem ser preenchidos com o sopro da vida.

- Templo mortuário de Hatshepsut

Seu culto era centrado na ilha de Abu (Elefantina) em Swentet (Aswan), onde ele era adorado desde o início do período dinástico. No Novo Reino, ele era adorado lá como o chefe de uma tríade com sua esposa Satet (uma deusa da fertilidade do Nilo e purificadora dos mortos) e sua filha Anuket (uma deusa caçadora da primeira catarata perto de Swentet, 'O Embracer').

Há um templo greco-romano para ele em Iunyt (Esna), onde ele recebeu duas consortes, Menhit (uma deusa da guerra com cabeça de leão, 'Ela que Slaughters') e Nebtu (uma deusa local do oásis, 'The Guilded One' ) - uma deusa tornou-se uma forma da outra - e um filho chamado Hike (deus da magia, 'Aquele que ativa o Ka').

Ele também estava ligado à deusa criadora guerreira Neith em Iunyt (Esna). Em Her-wer (Antinoe), ele era considerado o marido de Heqet, a deusa sapo que deu ao ser recém-criado o sopro da vida antes que a criança fosse colocada para crescer no ventre da mãe.

Khnum era um deus carneiro do Nilo, um deus do lodo, da fertilidade e um deus oleiro da criação. Ele era um deus do sol, um protetor dos mortos e protetor de Re na barca solar. Esse deus era um deus antigo, popular desde os primeiros tempos até o período greco-romano, que se pensava ter criado a forma e a alma do faraó em sua roda de oleiro. De um deus local do Nilo a uma divindade ligada ao parto, Khnum era o 'Pai dos Pais e a Mãe das Mães' do faraó.


Deuses egípcios: Néftis

Nephthys é filha de Geb (o deus da Terra) e Nut (a deusa do céu). Ela é irmã de Osíris e Ísis. Ela é irmã e esposa de Set e mãe de Anúbis. Seu seguimento é referenciado em textos que datam desde o Reino Antigo. Ela faz parte da Enead - um grupo de nove divindades ligadas aos mitos da criação em Heliópolis. Quando Ennead e Ogdoad se fundiram, ela foi uma das que ajudaram o deus do sol, Rá em seu barco enquanto ele viaja pelo céu. Seu nome em egípcio é soletrado como Nebthwt Nebhhwt ou Nebthet que significa “Senhora da Casa”. Acreditava-se que ela era a cabeça da família dos deuses e a protetora da mulher chefe de cada família. Seu nome também pode se referir à parte do céu onde Horus viveu assim, os títulos “Senhora da Mansão”, “Senhora da Mansão” e “Senhora da Casa”. Ela também era associada a Ptah e representava o Baixo Egito.

Ele aparece na arte como uma mulher com um vestido longo carregando uma cesta em cima do glifo que representa a planície de uma propriedade sobre sua cabeça com um cetro e ankh nas mãos. Como uma deusa funerária que representava a transição normal da vida e da morte, ela é relacionada como um falcão, um falcão, uma pipa ou uma mulher com as asas estendidas para proteção. Ela também pode ser vista no topo do barco funerário, acompanhando e ajudando os mortos em vários estágios da vida após a morte. Por causa disso, ela recebeu o título de “Amiga dos Mortos”.

Ela é considerada a personificação da ideia de escuridão e de tudo que ela acarreta e encobre.

Segundo o mito, ela não concebeu filhos com Set, o deus da sobremesa que representava a infertilidade. Ela acreditava ter concebido Anúbis por Osíris quando ele fingiu ser sua irmã, Ísis, e o intoxicou. Tal caso enfureceu Set, que começou sua missão de matar Osíris.

Apesar de sua alegada infidelidade e caso com Osíris, ela permaneceu muito próxima de sua irmã Ísis. Ela ajudou sua irmã a recuperar os membros espalhados de Osíris lançados em diferentes direções por Set. Ela abandonou Set e ajudou a proteger o corpo de Osiris e sua ressurreição. Ela era uma amiga leal, uma confidente e irmã zelosa de Ísis. Eles sempre apareceram juntos em ritos funerários representando noite e dia, vida e morte, e até mesmo crescimento e decadência. Isso fez com que Néftis adquirisse um de seus papéis mais importantes como a deusa do luto que confortava os parentes dos mortos. Na verdade, os pranteadores que choravam e choravam naquela época eram chamados de “falcões de Néftis”. Como a maioria das deusa funerária, ela é encontrada nas extremidades de caixões, sarcófagos e santuários para proteger o conteúdo junto com Ísis.

Ela também era considerada a protetora do faraó na vida e na morte. Ela é retratada liberando seu hálito de fogo incinerando os inimigos do faraó. Ela também concedeu ao faraó a capacidade de ver além do que está escondido pela luz da lua, tornando Néftis o patrono das bruxas e mágicos.

Ela também era adorada por mães que amamentavam, porque se acredita que ela cuidou de Hórus e até do faraó. Seu vínculo com Hórus a tornava uma das guardiãs importantes de seus potes canópicos, guardados pelos quatro filhos de Hórus. Nephthys guardava Hapi, o deus que protegia a jarra que continha os pulmões dos mortos.

Nephthys teve um centro de culto formal, pois ela é reverenciada em todo o Egito. No entanto, seus seguidores estavam concentrados nas cidades de Heliópolis e Abidos. Os principais centros de adoração dedicados a ela estavam em Iunu, no 13º Nome do Baixo Egito, Senu, Hebet, (Behbit), Per-mert, Re-nefert, Het-sekhem, Het-Khas, Ta-kehset e Diospolites.


Deuses egípcios antigos

Amun Hieróglifos de Amun

Amun era o deus do ar e sua esposa era Ament. No Reino do Meio, ele foi adotado em Tebas como o rei dos deuses com Mut como sua esposa. Amun e Mut tiveram um filho, o deus da lua, Khonsu. Amun foi associado a muitos animais, mas originalmente ele foi descrito como um ganso e recebeu o apelido de “o Grande Cachorro”, no entanto, ele é mais comumente descrito como um carneiro, um símbolo da fertilidade. Em todo o Império do Meio, a família real estabeleceu templos para Amun, principalmente o Templo de Luxor e o Grande Templo de Karnak. Ele foi adorado principalmente do Reino do Meio ao Novo Reino.

Anúbis foi o dos deuses mais icônicos do antigo Egito. Anubis é a versão grega de seu nome, seu nome egípcio é Anpu ou Inpu. Anúbis era considerado o guardião e protetor dos mortos, ele era originalmente o deus do submundo, mas mais tarde foi associado aos funerais e ao processo de embalsamamento. Ele foi considerado filho de Osíris. Anúbis está associado ao Olho de Horus, que atuou como um guia para os mortos e os guiou até Osíris. Os padres usavam máscaras de Anúbis durante o processo de mumificação. Acreditava-se que Anúbis e sua esposa Anput tinham uma filha, a deusa da purificação Kebechet. Anúbis foi pensado para ter a cabeça de um chacal e também foi descrito como um cachorro completo ou um chacal, ou um homem com a cabeça de um chacal. Também se acreditava que ele era um guardião de cemitérios, ele era adorado principalmente do Reino Antigo ao Novo.

Anuket era originalmente filha de Ra, mas foi associada a Satet nos tempos antigos. Durante o Novo Império, ela foi considerada uma divindade da água e foi colocada na tríade de Abu com Khnum e Satet para proteger o Nilo. Anuket às vezes era associada à gazela, e seu nome significa abraço. Durante o festival de Anuket, as pessoas jogavam moedas, joias, ouro e presentes preciosos no Nilo para agradá-la.

Apep era o antigo espírito egípcio do mal, escuridão e destruição que ameaçava destruir o deus Sol Rá enquanto ele viajava pelo mundo subterrâneo todas as noites. Ele era chamado de “aquele que foi cuspido” e acreditava-se que ele nasceu da saliva da deusa Neith. Apep tinha muitos apelidos como “o lagarto do mal”, “o cerco do mundo”, “o inimigo” e “a serpente do renascimento”. Ele não era adorado, mas temido e não podia ser completamente destruído. O “livro de Apófis” é uma coleção de feitiços mágicos do Novo Reino que deveriam repelir ou conter o mal da serpente. Ele foi principalmente “adorado” (temido) no Novo Reino.

Atum é o pai de Shu e Tefnut, dos quais todos os deuses descendem. Atum às vezes é representado com a cabeça de um carneiro. Seu símbolo é o escaravelho. Ele é o criador de todos os deuses e era adorado principalmente do Reino Antigo ao Novo.

Bastet era a deusa dos gatos na 22ª dinastia, mas antes disso ela era considerada uma guerreira leoa ou a deusa da guerra no baixo Egito. Ela era filha de Rá e freqüentemente era retratada como uma mulher com cabeça de leoa. Com o passar do tempo, ela também foi mostrada como um gato ou uma mulher com cabeça de gato. Ela era adorada principalmente no Novo Reino.

O morcego era uma antiga deusa vaca egípcia no alto Egito, ela é conhecida como "morcego de duas faces". Suas faces duplas representam sua capacidade de ver o passado e o futuro, mas também podem representar as duas margens do Nilo ou o alto e o baixo Egito.

Faraó, ele se tornou muito popular entre o povo egípcio comum porque protegia mulheres e crianças acima de todos os outros, ele era um dos deuses mais populares do antigo Egito. Ele foi descrito como um demônio, mas não considerado mau. Ele era geralmente descrito como um anão barbudo esticando a língua e sacudindo um chocalho e está sempre voltado para a frente, o que é muito raro na arte egípcia. Diz-se que quando um bebê sorri ou ri sem motivo, é porque Bes está fazendo caretas engraçadas para ele. Ele foi adorado principalmente no período ptolomaico.

Geb Hieróglifos de Geb Geb deitado sob Shu e Nut

Geb era o deus da terra e filho de Shu e Tefnut. Sua esposa era Nut e eles tiveram 5 filhos Osiris, Isis, Set, Nephthys e Horus (Horus o mais velho). Ele era frequentemente adorado como um ganso no período pré-dinástico, mas era adorado principalmente do Império Antigo ao Império do Meio.

Hapi era o deus da água e da fertilidade. Ele era um patrono tanto do alto quanto do baixo Egito e era descrito como divindades gêmeas chamadas Hap-reset (alto Egito) e Hap-meht (baixo Egito). Durante as enchentes, os egípcios costumavam colocar estátuas dele em sua cidade para pedir sua ajuda neste momento. Eles também jogavam oferendas no rio em locais sagrados para garantir que a inundação não fosse baixa. Ele era o marido de Nekhebet no alto Egito e Wadjet no baixo Egito.

Hathor era uma das deusas mais famosas do antigo Egito, mais crianças foram nomeadas em sua homenagem e festivais feitos em sua homenagem do que qualquer outro deus ou deusa no antigo Egito. Ela era uma deusa do céu conhecida como “Senhora das Estrelas” e “Soberana das Estrelas”. Ela era considerada “a mãe das mães”, o que significava que era a deusa das mulheres, das crianças, da fertilidade e do parto. Ela era frequentemente retratada como uma vaca e trazida da Núbia para o Egito por Ísis para cuidar de Hórus. Antes de vir para o Egito, ela era uma deusa da guerra, mas depois de olhar para Hórus, ela se tornou uma pessoa muito gentil. Ela era adorada principalmente desde o Reino Antigo até o período ptolomaico.

Heka era o patrono da magia, o que significava que ele também era o patrono da medicina. Ele era considerado filho de Menhet e Khnum, e não era formalmente adorado, mas muitos médicos e curandeiros pediam sua ajuda.

Heqet era a deusa do parto e da fertilidade no antigo Egito. Ela era freqüentemente retratada como uma mulher com cabeça de sapo ou sapo. Ela era a esposa de Khnum, o criador do deus Abu em uma tradição.

Hórus, o nome grego usado pelo deus conhecido como Heru no Egito e era considerado um falcão celestial. Acreditava-se que o Faraó era a personificação de Hórus enquanto vivia e de Osíris depois de sua morte. Hórus era a personificação da ordem e era filho de Ísis e Osíris. Ele era o marido de Hathor e eles tiveram um filho chamado Harsomtus. Hórus foi adorado principalmente do período pré-dinástico ao final do período ptolomaico.

Ísis era um dos deuses ou deusas mais antigos do antigo Egito, Ísis era seu nome grego, no Egito ela era conhecida como Aset (Ast, Iset ou Uset). Ela era irmã de Set, Nephthys e Horus, e irmã e esposa de Osiris, e filha de Nut e Geb. Ela tinha poderes de cura e a habilidade de proteger os jovens. O mito diz que ela curou Ra de uma picada de cobra em troca do conhecimento de seu nome secreto. Seu culto mais famoso estava na ilha de Philae, perto de Aswan, onde construíram um magnífico templo em sua homenagem. Ela era adorada principalmente desde o Reino Antigo até o período tardio.

Khepri era associado ao escaravelho e ao besouro de esterco e costumava ser visto empurrando o sol. Ele era adorado principalmente no Novo Reino.

Khnum

Khnum era um dos deuses mais antigos do antigo Egito. Originalmente um deus da água que governava todas as águas. Ele também era uma divindade protetora dos mortos. A esposa de Khnum era Satet e sua filha era Anuket. Ele era freqüentemente descrito como um carneiro. Khnum também era um deus oleiro e seu papel era fazer um feto de barro e colocá-lo no corpo da mãe como uma semente masculina.

Khonsu na forma de falcão

Khonsu, também conhecido como Khensu, era o deus da lua e do tempo, ele também era reverenciado como um deus da cura. Ele era filho de Amun e Mut. Quando havia lua nova, ele era conhecido como “o touro poderoso” e durante a lua cheia era associado ao touro castrado. Ele não apenas governou o mês, mas também foi dito que ele possuía poder absoluto sobre os espíritos malignos que infectaram a terra, homens e mulheres. Ele também era considerado um deus de amor. O povo do Egito dedicou três santuários a ele, “o Templo de Khensu,“ o Templo de Khensu em Tebes, Nefer-hetep ”e“ o Templo de Khensu, que realiza seus planos em Tebes ”. Ele era frequentemente retratado com uma cabeça de falcão.

Kuk era frequentemente descrito como um sapo ou um homem com cabeça de sapo. Ele era o deus das trevas, mas também foi associado ao amanhecer e recebeu o apelido de “portador da luz”.

Maahes é o deus da guerra solar que assume a forma de um leão. Ele raramente era referido pelo nome, mas mais comumente conhecido como “o Senhor do Massacre”. Embora não fosse considerado mau, ele puniu as pessoas que violaram as regras de Ma'at e, assim, promoveu a ordem e a justiça. Os leões estavam intimamente ligados à realeza na mitologia egípcia e Maahes era considerado um patrono do faraó. Ele foi considerado filho de Bast e Sekhmet. Ele era frequentemente descrito como um homem com cabeça de leão carregando uma faca e usando a coroa dupla do alto e baixo Egito, a coroa de Atef ou um disco solar e Ureas (serpente real), às vezes ele era descrito como um leão devorando uma vítima.

Ma & # 8217at é uma deusa egípcia antiga. O faraó era considerado o guardião de Ma'at porque sem Ma'at, Nun reivindicaria o universo e o caos reinaria supremo. Quando uma pessoa morresse, seu coração seria pesado contra a pena de Ma'at e se seu coração estivesse mais pesado, seu coração seria jogado no lago de fogo ou devorado pela temível divindade conhecida como Ammit, mas se seu coração estivesse mais leve, passando a prova eles ganhariam a vida eterna. Ma & # 8217at costumava ser retratada como uma mulher usando uma coroa com uma única pena de avestruz saindo dela, mas às vezes era retratada como uma deusa alada. Ela era adorada principalmente desde o Reino Antigo até o período ptolomaico.

Hieróglifos Meretseger

Meretseger era a deusa da necrópole (cemitério) de Tebas. Seu nome significa “aquela que ama o silêncio”. Muitas vezes ela era chamada de “aquela que está na montanha” e, às vezes, considerada uma montanha. Ela era uma divindade protetora, mas também muito temida, porque se acreditava que ela machucaria qualquer um que destruísse uma tumba, cometesse um crime ou quebrasse uma promessa. Ela foi muito misericordiosa e curou qualquer um que expiasse o que eles fizeram. Ela geralmente era mostrada como uma cobra ou uma cobra com cabeça de mulher, às vezes uma cobra de três cabeças ou uma mulher com cabeça de cobra.

Monthu era o deus do falcão solar e o deus da guerra, mas com o passar do tempo ele se tornou mais conhecido como um deus da guerra do que como um deus do sol. Ele era freqüentemente desenhado como um homem com cabeça de falcão ou como um homem com cabeça de touro. Pensava-se que Monthu era o marido de Tjenenet e quando Amun se tornou um deus nacional às vezes pensava que Amun e Mut eram os pais adotivos de Monthu.

A constelação de Orion

Min era um deus adorado desde os tempos pré-dinásticos. Suas primeiras imagens são os exemplos mais antigos de estátuas em grande escala encontradas no Egito até agora. Ele inicialmente representou a constelação de Orion e acreditava-se que controlava trovões e chuva. Ele foi considerado filho de Reshep e Qadesh. Ele era o deus da fertilidade, sexualidade e às vezes da lua. Ele foi o patrono do quinto mês do calendário egípcio.

Mut frequentemente era mostrado com a cabeça de uma leoa, vaca ou cobra. Seu marido era Amun, então ela foi considerada a rainha dos deuses. Ela foi adorada até o período romano, quando seu templo caiu em ruínas.

Neith era a deusa da guerra e da tecelagem, e a deusa padroeira do baixo Egito. Durante o Império Antigo, ela era considerada a esposa de Set, mas quando ele foi reinterpretado como uma força do mal, todas as associações com ele foram destruídas. Muitas vezes ela foi considerada a mãe de Sobek e recebeu o apelido de "enfermeira de crocodilos", mas em tempos posteriores ela foi considerada a esposa de Sobek. Neith era uma das quatro deusas que protegiam os mortos e os potes canópicos, ela guardava o lado leste do sarcófago e protegia Duamutef (o deus com cabeça de chacal) enquanto ele cuidava do estômago. Ela geralmente era retratada como uma mulher usando a coroa do baixo Egito, mas às vezes era retratada como uma vaca.

hieróglifos nekhbet

Nekhbet era o patrono do alto Egito e o protetor dos filhos reais. Em períodos posteriores, ela foi a protetora de todos os jovens e mães grávidas. Ela era freqüentemente retratada como um abutre, uma mulher com cabeça de abutre, uma cobra, uma mulher usando a coroa do alto Egito ou uma mulher usando uma touca de abutre. Ela era a esposa de Hapi.

Nephthys era filha de Geb e Nut, irmã de Osiris, Isis, Horus, e irmã e esposa de Set. Nephthys é seu nome grego no Egito, ela era conhecida como Nebbhuit ou Nebthet. Como a deusa do ar, ela poderia assumir a forma de um pássaro. Por ser estéril, ela era associada ao abutre, uma ave que os egípcios acreditavam não ter filhos e se alimentar de carniça (espécie de ave). Assim, os abutres associados à morte e à decadência, como resultado, Néftis tornou-se a deusa da morte e do luto. Ela também foi uma das quatro deusas que protegeram os mortos e os jarros canópicos, ela protegeu o jarro canópico com os pulmões dentro. Nephthys também foi considerada a fonte das chuvas e do rio Nilo. Também se acreditava que ela protegia as mulheres durante o parto, portanto, estava intimamente associada à vida e à morte. Achava-se que ela era a mãe de Anúbis e o pai era Osíris ou Set, provavelmente sendo Osíris. Freqüentemente, ela era retratada como uma mulher com os hieróglifos em sua cabeça, uma mulher de luto e, às vezes, um falcão. Ela era adorada principalmente no Reino Antigo.

Porca em cima de Shu e Geb

Nut era filha de Shu e Tefnut e seu marido era Geb, que também era seu irmão. Eles tiveram 5 filhos, Osiris, Isis, Set, Nephthys e Horus. A lenda diz que Rá não gostou do fato de Nut e Geb estarem sempre juntos, então ele pediu a Shu para separá-los. Ele também declarou que Nut não poderia ter filhos em nenhum dia do calendário egípcio, mas Thoth ganhou o & # 8220epagomenal “ou acréscimo de cinco dias da lua, então nesses 5 dias extras Nut teve seus filhos. Osíris no 1º, Horus no 2º, Conjunto no 3º, Ísis no 4º e Nephthys no 5º. Nut era adorado principalmente do Reino Antigo ao Reino do Meio.

Osíris era o primeiro filho de Geb e Nut e irmão de Set, Hórus, Néftis e Ísis. Ísis também era sua esposa. Osíris era considerado o rei do submundo, mas também o deus da agricultura. Ele geralmente era descrito como um rei mumificado completo com contas cerimoniais (colar), coroa, mangual e báculo. Ele era o pai de Hórus e era adorado principalmente desde o Reino Antigo até o período tardio. O mito diz que antes de Osíris ser um deus, ele foi o primeiro Faraó do Egito.

Ptah era o patrono de escultores, pintores, construtores, carpinteiros, bem como de outros artesãos. Ele também era o deus do renascimento e o patrono do segundo mês do calendário egípcio. Ele foi considerado casado com Bast ou Sekhmet e era o pai de Nefertum, Maahes, e o pai adotivo de Imhotep. Ptah era frequentemente descrito como um homem mumificado com os braços soltos segurando um cajado que incorporava o Ankh para representar a vida, o cetro Was para representar o poder sobre o caos e o pilar Djed para representar a estabilidade. Ele era adorado principalmente no Reino Antigo.

Rá era o deus do sol, mas às vezes era considerado o rei de todos os deuses. Acreditava-se que Rá “morreria” todos os dias quando o sol se pusesse abaixo do horizonte e então ele viajaria pelo submundo até a manhã, onde renasceria todos os dias ao nascer do sol. Acreditava-se que ele era casado com Hesat ou Hathor, mas eles também são geralmente considerados seus "filhos", é provável que as pessoas começaram a pensar isso quando as pessoas começaram a se referir a ele como o rei dos deuses que o associavam com Atum, o criador de Deus. Rá foi adorado principalmente desde o período pré-dinástico até o Novo Reino.

Satis ou Satet era uma deusa arqueira, como uma deusa guerreira, ela protegia o faraó e as fronteiras do sul do antigo Egito. Ela também era uma deusa da inundação e seu papel mais importante era a inundação anual do Nilo. O mito diz que na “noite da lágrima” Ísis derramava uma única lágrima e Satis a pegava e a despejava no Nilo, causando o dilúvio, por isso ela estava ligada a Sothis, a personificação da estrela Sept (estrela do cão ), que subiu no céu um pouco antes da chegada da enchente a cada ano. Ela era frequentemente retratada como uma mulher usando a coroa branca do alto Egito decorada com plumas de avestruz, gazela ou chifres de antílope. Ela às vezes era retratada como uma mulher usando uma estrela na cabeça e carregando potes de água ou cuidando de um arco e flechas, mas eles geralmente são substituídos por um cetro e um Ankh simbolizando a vida.

Set is one of the most ancient gods of Egypt, and was the son of Geb and Nut and brother of Osiris, Horus, Isis, and the brother and husband of Nephthys. He was a storm god associated with eclipses, thunderstorms and earthquakes. He was considered to be strong and dangerous but was not always considered to be evil. It was by the second Intermediate period that he was starting to be seen as a force of evil. He was believed to be the black boar who swallowed the moon each month and was identified with the hippopotamus, crocodiles, scorpions, turtles, pigs, and donkeys. These animals all were considered dangerous or unclean by ancient Egyptians. Some fish were considered to be sacred to Set the most known ones were the Nile carp and the Oxyrynchus as they apparently swallowed the only missing piece of Osiris after Set had dismembered him. He was often depicted as a man with the head of a mythical creature and a long nose, square ears and sometimes as either a hippopotamus or a boar. Set was mainly worshiped from the Pre-dynastic period to the New Kingdom.

Seshat was the goddess of reading, writing, arithmetic’s, and architecture, and was the wife of Thoth. She was the scribe of the pharaohs recording all of their achievements and triumphs, including recording both the treasure and the captives taken in battle, she was also thought to record the actions of all people on the leaves of the sacred persea tree. Seshat also looked after the library of the gods and was the patron of all earthly libraries, writing, accounting, and taking census. According to a myth it was Seshat who invented writing but her husband Thoth was who taught the people how to write. She was often depicted wearing a leopard skin dress and a headdress made of a flower or a seven pointed star on top of a pair of inverted horns. She was mainly worshiped from the Pre-dynastic period forward.

Shu standing on top of Geb and holding up Nut

Shu was the god of light, air, and wind. As the god of light he represented the separation between day and night and between the world of the living and the world of the dead. As the god of air he represented the space between the earth and the heavens and gave the breath of life to all living creatures. As the god of wind, sailors would call upon him to provide good winds to power their boats. The clouds were considered to be his bones, and he supported the ladder by which the diseased souls could reach the heavens. He was the first god Atum created and the brother and husband of Tefnut and father of Geb and Nut. He was often depicted as a man wearing a headdress made of ostrich feathers holding a Was scepter to represent power and an Ankh to represent the breath of life. He sometimes wore a sun disk on his head because of his connection with Ra. Shu was often commonly shown standing on top of Geb with his arms above his head holding Nut. He was mainly worshiped from the Old Kingdom to the New Kingdom.

Thoth was the god of writing and wisdom as well as a Lunar deity, in the New Kingdom he appeared in the book of the dead recording the results of the weighing of the heart ceremony. He was often depicted as a man with either the head of a baboon or the head of an Ibis (type of bird). He was mainly worshiped in the Late period.


GodElectric

Khnum is the creation of the shield or sheath, shown by the defensive Ram horns. He is created by electric resonance, in a phenomenon described by Banebdjedet, he allows a celestial body to store surplus charge in its double layer and corresponding plasma sheath. Khnum usually sits above the positive electrode ionosphere described by Nephthys and supports the plasmasphere known as Shu.

Alternative hieroglyphs for Khnemu describing Khnum as an electric field that seeks to store surplus charge. Double layers are electric fields that store charge, once created become relatively stable providing Banebdjed is maintained (explained later).

In the legend of Ra and Isis, Khnemu made the egg of the sun, meaning the plasma sheath or shell that insulates it from external electrical influences and Ptah gave light to it with his hieroglyphs that describe the form of connected Birkeland Currents powering the Star.

Safire Project - Double Layers around Anode

At Safire Project a laboratory based experiment was envisaged in 2013 to model the electric sun, this was the same year I decoded electricity into the sacred ancient Egyptian hieroglyphs. To the left is a photograph showing these double layers which form around a spherical anode in a controlled chamber, each double layer or ring can be represented by the jug hieroglyph as a store of electric charge around the anode, as shown in the hieroglyphs surrounding Khnum below.

If you wish to read more about the very interesting work being carried out at the Safire Project please follow this link.

At the Temple of Karnak the Ram displays horns that curl inwardly with a defensive stature, representing the increased magnetic field and sheath that shields the planet from cosmic rays, solar outbursts or unknown bodies on a collision trajectory.

Earth Shield and Khnum the Ram God at Karnak Temple.

Nikola Tesla, a physicist, inventor and electrical engineer is quoted as saying, "When the great truth accidentally revealed and experimentally confirmed is fully recognized, that this planet, with all its appalling immensity, is to electric currents virtually no more than a small metal ball and that by this fact many possibilities, each baffling imagination and of incalculable consequence, are rendered absolutely sure of accomplishment."

According to theory, Earth itself behaves as a resonant LC circuit when it is electrically excited at certain frequencies. An LC circuit is a circuit that has L - an Inductor, and C - a capacitor. The magnetic field of the Earth itself resonates at around 8 Hertz. The oscillating magnetic field creates an oscillating electric current in the earth via induction.

The circuit can act as an electrical resonator, an electrical analogue of a tuning fork, storing energy oscillating at the circuit's resonant frequency. In the case of the earth that frequency is known as Schumann Resonance, and is created by lightning pulses, shown in the Geomagnetic Spectrogram displayed below.

Geomagnetic Spectrogram showing Schumann Resonance of the Earth Seshat Measuring the Frog Jump at Luxor Temple

Resonance of a circuit involving capacitors and inductors occurs because the collapsing magnetic field of the inductor generates an electric current in its windings that charges the capacitor, and then the discharging capacitor provides an electric current that builds the magnetic field in the inductor. This process is repeated continually. An analogy is a mechanical pendulum.

Khnum - Pouring Surplus Charge


Nephthys

Nephthys (left) and Isis (right) Guarding the Body of Osirus. Temple of Siti I at Abydos Egypt

Nephthys (left) Hathor (right). Edfu Temple Egypt

Nephthys or Nebthet was a goddess and a member of the Great Ennead of Heliopolis in Egyptian mythology. She was a daughter of Nut and Geb. Nephthys was typically paired with her sister Isis in funerary rites because of their role as protectors of the mummy and the god Osiris and as the sister-wife of Set. Nephthys is a protective goddess who symbolizes the death experience, just as Isis represented the (re)birth experience. Her son was Anubis, whose father was Osiris. Some myths say that Nephthys intoxicated Osiris and seduced him, thus creating Anubis. Yet others say that she disguised herself as her sister Isis, Osiris' wife, and became pregnant by him. It was Nephthys' affair with Osiris which enraged Seth and was one of his motives for murdering Osiris.


Nekhebet

Other names : Nekhbet
Titles : Vulture Goddess, Bird Goddess, Patron Goddess of Upper Egypt

Nekhebet, also known as Nekhbet, is commonly pictured as a vulture holding an ankh. She is sometimes depicted with her wings spread protectively over the pharaoh.

As one of the more ancient Egyptian goddesses, Nekhebet, or Nekhbet, was originally the local goddess of the town Nekheb. However, as her influence grew, she became the goddess of the entire Upper (Southern) Egypt. In fact, the vulture of Nekhebet was used to symbolize Upper Egypt on the pharaoh's crown, while the cobra symbolized Lower Egypt. Nekhebet was the wife of Hapi, god of the Nile.

Nekhebet had a protective nature, being the protector goddess of mothers and children. She also had a more aggressive nature, guarding and fighting alongside the pharaoh in battles.


Ancient Egyptian Gods and Goddesses

Osiris

Osiris is the ancient egyptian god of corn. His followers originated from Syria, and these followers refer to him as Adnjeti. They have established in Delta city long ago in predynastic times. The Djed column is a fetish or cult object by which the city is known.

No one can say for sure what the name stands for, but it is related to the “creation of a throne.” Some also relate it to Power or Seat of the Eye.

The Osiris fertility cult was apparently peaceful, and it later spread to virtually every part of Egypt. The burial rites associated with this deity were established at the early part of his existence.

He had already absorbed the funerary gods of Abydos by the Fifth Dynasty and also had an association with the dead pharaohs. He later became the supreme god of Egypt.

The Heliopolitan Ennead then incorporated Osiris by mythology. He is also said to be the son of the earth god, Geb.

Seth

Seth can also be called Suty, Setekh, Sutehk or Setesh. The Egyptians term him as the god of foreigners, violence, disorder, storm and desert. He is called Seth in ancient Greek mythology, and he has a decisive role in accompanying Ra to rule Apep on his solar boat.

Apep was the serpent of Chaos. One of his vital roles includes that of a reconciled combatant. He was also the lord of the desert or red land. He acts as a balance to the role of Horus, who is the lord of the soil or black land.

He is seen as a usurper in Egyptian mythology because he mutilated Osiris, his brother. However, Osiris’ wife reassembled her husband’s mutilated body and got him resurrected, after which Osiris gave birth to Horus, his son and heir. When he grew up, Horus sought to revenge his father’s murder against Set.

Isis

Isis is the goddess of medicine, magic, motherhood, fertility and marriage. Several tiles and names have been given to this god over time. She is also being worshipped in some parts of Europe and Egypt with many of her cults and temples spreading across the places.

In fact, she is termed as the deity with ten thousand names. This is just an exaggeration though she does not have up to ten thousand names. Some of the names by which she is being called are Werethekau, Aust, Aset, Urethekau, Unt, Iahu, Hesat, Esu, Eset and Eenohebis.

Isis has an association with several other Egyptian goddesses, like Hathor and Sekhmet. She is also being worshipped in Greece, where she is associated with some Greek goddesses, like Athena, Tethys and Persephone. Some of her titles include:

  • Mother of God
  • The Maker of Sunrise
  • Queen of Heaven
  • Queen of all Gods
  • The Divine One.

Nephthys

Nephthys was first mentioned as a goddess during the Old Kingdom. She was the daughter of Nut and Geb and a member of the Ennead of Heliopolis. She was also a sister to Horus, Isis and Osiris. Also, she was the wife and sister to Set.

She got a place on Ra’s boat after Ogdoad and Ennead merged so that she could accompany Ra on his journey through the underworld.

The Greek calls her Nephthys, while the Egyptians call her Nebthwt, Nebthet or Nebhhwt, with the word “hwt” standing for “house”.

“House” in this context can stand for the whole of Egypt or a royal family. She protects the oldest females in all households, and she is also seen as the head of the household of the gods.

Nephthys was associated with the Lower Egypt or Ptah-Tanen. Isis and Khnum represent upper Egypt.

Porca

The Nut is the goddess of the sky in the Ennead of ancient Egypt. She represented the stars arching over the earth and covering nude women. She was the daughter of Tefnut and Shu. She also got married to her brother named Geb.

Her five children were Horus, Nephthys, Isis, Set and Osiris. She stands out as one of the oldest among the deities recognised in Egypt. Her origin was also found in Helipolios creation story. She is also considered as the goddess of the nighttime sky.

Her name was then shortened to “sky goddess.” The Pot was her headdress, and it also represents the uterus. She is also depicted in nude human form.

At times, she is depicted in the form of a cow, and the high body of the cow was said to form the heaven and sky. Furthermore, she can be represented as a giant sow suckling many piglets or a sycamore tree.

Ra

Ra is the god of the sun in ancient Egypt. His major cult centre is located in Heliopolis, and his symbol is the sun disk. He gave birth to eight children, namely Serket, Ma’at, Satet, Bastet, Sekhmet, Hathor, Tefnut and Shu.

He has no parent since he was self-created. However, some accounts refer to Neith as his father. His siblings are Serket, Sobecik and Apep.

Thoth is among the deities of Egyptian pantheon and was depicted as a baboon or a man with the head of an ibis in art. The baboon is his sacred animal. Seshat is his female counterpart, and Ma’at is the name of his wife.

His chief temple can be found in the city of Khmum, which was later called Hermopolis Magna in the Greco-Roman era. Some also called him the same as Hermes in line with Greek interpretation. Also, he served as the mediating power between evil and good.

Geb

Geb is the Egyptian god of the Earth. He later became a member of the Ennead of Heliopolis. He was considered as the father of snakes because he had a viper around his head. Ancient Egypt mythology has it that his laughter can create an earthquake.

It is also believed that crops can only grow with his permission. The name can also be called Keb or Seb.

Aroueris

Aroueris is among the most significant of the ancient gods in Egypt. He was part of Egyptian worship from prehistoric Egypt to Roman Egypt.

Egyptologists record different forms of Aroueris in history. It has been concluded that these different forms are the various perceptions of the same god, who is considered as a multi-layered deity. The various perspectives are complementary rather than antagonistic.

It is in agreement with the way the Egyptians perceive the multiple facets of reality. Most times, Aroueris is depicted by a falcon, either a peregrine or lanner falcon. At times, it can be depicted by a man having a falcon head.

Aroueris was described as the son of Osiris and Isis. He equally played a significant role as Osiris’ hair in the Osiris myth.

He was equally known as Set’s rival it would be recalled that Set murdered Osiris. Hathor is regarded either as his mother or wife. Ancient Egyptians consider him as the god of the sky and kingship.


Seth was Osiris' evil brother and the god of chaos, confusion and darkness. He is depicted in profile as a human male with the head of an indeterminate animal. He was despised by most of the other gods and often depicted as a donkey, a hippopotamus, or a pig. Although eventually defeated by Horus, their struggle connotes the ongoing battle between good and evil.

Click here to learn more about Seth