Artigos

Pavo AK-139 - História

Pavo AK-139 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Pavo

(AK-139: dp. 14.250 (f); 1. 441'6 ", b. 56'11"; dr. 28'4 "; s. 12 k .; epl. 256; a. 15", 1 3 ", 8 20 mm; cl. Cratera, T. EC2 ~ C1)

Pavo (AK-139) foi estabelecido como James S. Hogg sob um contrato da Comissão Marítima por Todd Houston Shipbuilding Corp., Houston, Tex., 8 de março de 1943; lançado em 23 de abril de 1943; patrocinado pela Srta. Ima Hogg; adquirido pela Marinha da Comissão Marítima, sob fretamento de barco não-oficial em 29 de novembro de 1943; renomeado Pavo em 14 de dezembro de 1943; convertido para uso da Marinha nas Docas Secas Navais dos EUA, Terminal Island, Califórnia, e comissionado em San Pedro, Califórnia, em 14 de janeiro de 1944, Tenente Comdr. Roswell E. King no comando.

Após o shakedown, Pavo carregou carga em San Diego e navegou para o Havaí. Ela chegou a Pearl em 28 de fevereiro; e, após um mês de treinamento, ela partiu para o Pacífico Central em comboio em 21 de março. Ela chegou a Majuro, Marshalls, dez dias depois, e deu início a extensas operações de transporte de carga que, nos nove meses seguintes, a enviaram por todo o Pacífico Central. Depois de completar corridas para Kwajalein e Roi, ela transportou homens e suprimentos para Tarawa, Gilberts no início de maio. Ela devolveu o material danificado a Pearl Harbor no final daquele mês; daí, ela retomou as operações de abastecimento fora dos Marshalls.

Em 23 de julho, Pavo partiu de Eniwetok em comboio para as Marianas. Chegando a Saipan no dia 28, ela descarregou toneladas de carga lá e na ilha recentemente capturada de Tinian. Ela retornou a Eniwetok em meados de agosto, mas em 1º de setembro ela retomou o descarregamento de carga em Saipan. Menos de duas semanas depois, ela transportou carga para Guam antes de voltar para Eniwctok em 13 de setembro. Durante os três meses seguintes, ela continuou sua agenda lotada com uma corrida para os ônibus inter-ilhas Gilbert em Marshalls, e um deslocamento de quatro semanas para bases americanas nas Marianas.

Saindo de Saipan em 12 de dezembro, Pavo navegou via Eniwetok para Pearl Harbor, onde passou por reparos de viagem durante grande parte de janeiro de 1945. Ela voltou para a Costa Oeste em 10 de fevereiro; e, depois de carregar suprimentos em Seattle, Washington, ela partiu para o Pacífico Ocidental em 24 de fevereiro. Sua implantação a enviou via Pearl, Marshalls e Carolines para Kossol Roads, onde ela chegou em 8 de maio. Quatro dias depois, ela foi enviada para as Filipinas e chegou à baía de San Pedro, Leyte, em 15 de maio. Por mais de dois meses, ela serviu como um navio de carga de estação no Golfo de Leyte. Ela concluiu o descarregamento da carga em 23 de julho e, em 2 de agosto, partiu para os Estados Unidos.

Pavo chegou a San Pedro, Califórnia, em 31 de agosto; daí, após os reparos no Terminal Isiand, ela partiu para a costa do Atlântico em 13 de outubro. Sua viagem a enviou através do Canal do Panamá em 27 de outubro, e em 3 de novembro ela entrou em Hampton Roads, Virgínia.

A Pavo iniciou a revisão de desativação no Estaleiro Naval de Portsmouth em 21 de novembro. Ela descomissionou; i em Norfolk em 30 de novembro de 1945 e foi devolvida à WSA em Lee Hall, Va., 1 de dezembro. Seu nome foi retirado do Registro Naval em 19 de dezembro de 1945. Em 1970, ela estava na Frota da Reserva da Defesa Nacional como James S. Ho ~ og, com base em James River, Va.


Perus já foram adorados como deuses

Os perus hoje em dia são vistos principalmente como recipientes para encher na mesa do Dia de Ação de Graças. Mas em 300 a.C., os pássaros eram vistos pelos maias como vasos dos deuses e homenageados de acordo com isso.

Na verdade, os pássaros foram originalmente domesticados para desempenhar um papel nos ritos religiosos. Jogadores premiados na religião e cultura maias, eles já foram símbolos cobiçados de poder e prestígio.

Os perus estão por toda parte na arqueologia e na iconografia maias. Os antigos maias tiveram uma das civilizações mais avançadas do mundo e parte de sua cultura era o amor pelo peru. O pássaro & # x201Cfoi concebido como & # x2026as dotado de poderes excepcionais, que podem ser prejudiciais aos humanos do espaço noturno e dos sonhos, & # x201D explicam os especialistas maias Ana Luisa Izquierdo y de la Cueva e Mar & # xEDa Elena Vega Villalobos.

Os perus são retratados como figuras divinas nas imagens religiosas maias, e pelo menos um governante maia incluiu a palavra para peru em seu apelido real.

Um incensário asteca, o cabo em forma de Tezcatlipoca, a garra de peru.

Werner Forman / Universal Images Group / Getty Images

& # x201Estas primeiras aves pertenciam quase exclusivamente aos ricos e poderosos, & # x201D diz Kitty Emery, curadora associada de arqueologia ambiental do Museu de História Natural da Flórida. Em 2012, Emery fez parte de uma equipe de pesquisadores que publicou um artigo revelando evidências da domesticação mundial do peru mais antiga. Sua equipe encontrou vestígios de perus não nativos em El Mirador, um antigo assentamento maia que já foi o lar de até 200.000 pessoas.

Os residentes de El Mirador, onde hoje é a Guatemala, adoravam em enormes templos em forma de pirâmide e viviam com a ajuda de estradas e aquedutos surpreendentemente modernos. Mas eles também fizeram outra coisa: comer & # x2014e adorar & # x2014turus.

Embora os maias importassem perus do México, eles também valorizavam o peru ocelado, o peru selvagem que vagava pela área ao redor do El Mirador. Essas aves eram valorizadas por suas penas e cabeças multicoloridas, mas nunca chegaram à domesticação. Se eles tivessem se mostrado domesticáveis, a estrela de nossos jantares modernos de Ação de Graças poderia ter uma aparência muito mais ostentosa.

A aparência dos venerados perus era importante para os maias, diz Emery, uma vez que os pássaros representavam o poder da Celite, importantes conexões comerciais de longa distância e a capacidade do governante de fornecer uma importante vítima de sacrifício ou capa de penas coloridas, essencialmente sob demanda , [com] sem necessidade de caça. & # x201D

O poder do peru também foi expresso em rituais religiosos. A arte maia retrata perus com gargantas cortadas sendo usados ​​em rituais de ano novo. Os sacrifícios de pássaros, supõem os antropólogos, destinavam-se a preparar o terreno para um ano novo fértil, e os perus eram vistos como substitutos e mensageiros dos deuses.

Os maias podem não ter conseguido domesticar os perus selvagens locais, mas usavam perus ocelados do norte e locais em suas vidas sociais e religiosas. Os perus modernos de hoje são descendentes daqueles apreciados pássaros maias. E embora os americanos modernos & # x2019 a forma de adoração do peru inclua assá-los e comê-los durante os jantares de Ação de Graças, eles carregam uma história mais digna em seu DNA. & # XA0

VERIFICAÇÃO DE FATO: Buscamos precisão e justiça. Mas se você ver algo que não parece certo, clique aqui para entrar em contato conosco! A HISTÓRIA revisa e atualiza seu conteúdo regularmente para garantir que esteja completo e preciso.


Pavo AK-139 - História

Liberty Ships construídos pela Houston Shipbuilding Corporation e Todd-Houston Shipbuilding Corporation, Houston Texas, para a Comissão Marítima dos EUA 1941-1945

WSAT significa War Shipping Administration Transport, o número entre parênteses mostra o número de soldados que o navio poderia conter.
USAT significa Serviço de Transporte do Exército e indica que o navio foi fretado ou operado pela ATS.
AK, AP e designações semelhantes denotam navios comissionados da Marinha dos EUA.
A ordem abaixo se aproxima da ordem de construção dentro do estaleiro.

Houston Shipbuilding Corporation
Tipo EC2-S-C1

Casco # Nome Designações / nomes
95 Sam Houston
96 Davy Crockett
97 Matthew Maury WSAT (550) USAT
98 Winfield Scott USAT
99 Michael J. Stone
100 David S. Terry
101 Benjamin Bourn
102 Daniel Carroll USAT
103 Nicholas Gilman WSAT (550) USAT
104 Samuel Griffin WSAT (550) USAT
105 Thomas Hartley USAT
106 Daniel Hiester USAT
107 Benjamin Huntington WSAT (550) USAT
108 John Laurance
109 Samuel Livermore WSAT (550) USAT
110 Voluntários de Houston USAT
111 A. P. Hill WSAT (550) USAT
112 James Longstreet
113 Joseph E. Johnston
114 J. E. B. Stuart USAT
115 John B. Hood WSAT (550) USAT
116 Fitzhugh Lee (I) Concluído como Big Foot Wallace WSAT (550)
117 Amelia Earhart USAT
118 Champ Clark USAT
119 Joseph T. Robinson WSAT (550) USAT
265 Stephen F. Austin USAT
266 William B. Travis WSAT (550) USAT
267 Mirabeau B. Lamar WSAT (550) USAT
268 Theodore Sedgwick USAT
269 Thomas T. Tucker
270 Jeremiah Wadsworth
271 James Bowie
272 Thomas J. Rusk
273 Lambert Cadwalader WSAT (550) USAT
274 James Madison
275 William L. Smith WSAT (550) USAT
276 Stephen C. Foster

Todd-Houston Shipbuilding Corporation
Tipo EC2-S-C1

WSAT significa War Shipping Administration Transport, o número entre parênteses mostra o número de soldados que o navio poderia conter.
USAT significa Serviço de Transporte do Exército e indica que o navio foi fretado ou operado pela ATS.
AK, AP e designações semelhantes denotam navios comissionados da Marinha dos EUA.
A ordem abaixo se aproxima da ordem de construção dentro do estaleiro.

Casco # Nome Designações / nomes
828 William Eustis
829 John Armstrong USAT
830 William H. Crawford
831 James Barbour WSAT (550) USAT
832 John H. Eaton
833 Joel R. Poinsett
834 John Bell
835 John C. Spencer
836 James M. Porter
837 William Wilkins
838 Fitzhugh Lee (II) USAT
839 Jubal A. Early
840 Richard S. Ewell
841 George E. Pickett
842 William N. Pendleton
843 Moses Austin WSAT (550) USAT
844 Benito Juarez
845 David G. Burnet USAT
846 James S. Hogg AK 139 Pavo
847 Jane Long USAT
848 James B. Bonham
849 James W. Fannin WSAT (550) USAT
850 Anson Jones
851 Frederick L. Dau
852 James E. Haviland USAT
853 Edward Burleson
854 Lorenzo DeZavala
855 Benjamin R. Milam WSAT (550) USAT
856 Sidney Sherman
857 John Mary Odin USAT
858 Mary Austin USAT
859 E. A. Peden
1936 Sam Houston II USAT
1937 George C. Childress
1938 J. Pinckney Henderson
1939 George P. Garrison Belgian Liberty Loan Bélgica
1940 Oran M. Roberts
1941 Robert T. Hill
1942 Frederick H. Newell
1943 John H. Reagan
1944 R. M. Williamson
1945 Jesse Billingsley
1946 Edwin W. Moore USAT
1947 George Bellows
1948 David Wilmot
1949 Samuel H. Walker USAT
1950 Erastus Smith
1951 Jose Navarro USAT
1952 Joshua A. Leach
1953 Harvey C. Miller
1954 George W. Lively USAT
1955 Thomas W. Gregory
1956 Will R. Wood
1957 William M. Rayburn
1958 L. H. McNelly
1959 Lucien B. Maxwell
1960 Albert S. Burleson
1961 Joseph H. Kibbey AK 129 Phobos
1962 Oscar Chappell
1963 J. S. Cullinan AK 116 Alderamin
1964 Hugh Young AK 117 Zaurak
1965 Matthew J. O'Brien
1966 Henry Austin
2420 Charles Morgan USAT
2421 John W. Gates
2422 Anthony F. Lucas AK 120 Zaniah AG 70
2423 William Becknell Lançado como AK 121 Sabik
2424 Harry Percy
2425 Rebecca Boone
2426 Charles boa noite
2427 Andrew Briscoe
2428 William M. Eastland
2429 Jose G. Benitez
2430 Anna H. Branch
2431 Isaac Van Zandt
2908 John G. Tod
2909 Charles J. Finger
2910 Morris Sheppard
2911 Katherine L. Bates
2912 Jacob Perkins
2913 Robert Henri
2914 Keith Palmer
2915 George Steers
2916 John gibbon
2917 Thomas Say
2918 Daniel E. Garrett Aeronaves do Exército Navio de Reparação Gen. Robert Olds
2919 Christopher S. Flanagan
2920 John Ireland
2921 Henry M. Robert
2922 Sul Ross
2923 Julius Olsen
2924 Felipi De Bastrop [Debastrop]
2925 Richard O'Brien Brigada do Navio de Reparação de Aeronaves do Exército. Gen. Asa N. Duncan
2926 O. B. Martin
2927 Henry D. Lindsley
2928 Menor C. Keith
2929 Nicholas D. Labadie USAT
2930 Arthur St. Clair USAT
2931 Rufus Choate
2932 Gus W. Darnell USAT IX 228 Justin
2933 Eleazar senhor
2934 Juan N. Seguin
2935 Betram G. Goodhue
2936 Oliver Loving
2937 Andrew W. Preston
2938 Nathaniel Scudder Navio de reparo de aeronaves do exército Brig. General Alfred J. Lyon
2939 John B. Hamilton
2940 Nathaniel Silsbee USAT
2941 Robert Watchorn
2942 Tomas Guardia
2943 Laura Drake Gill
2944 Angus McDonald
2945 Wynn Seale
2946 T. E. Mitchell
2947 Carlos J. Finlay
2948 Kyle V. Johnson
2949 Jacob A. Westervelt
2950 Robert S. Lovett
2951 Ida Strauss
2952 Thomas Bulfinch
2953 Lorado Taft
2954 Howard L. Gibson
2955 Thomas Eakins
2956 Robert E. Clarkson
2957 Irving Babbitt
2958 Michael J. Owens
2959 Edward G. Janeway USAT
2960 Herbert D. Croly
2961 Frederic E. Ives
2962 Walter Wellman
2963 Richard J. Hopkins USAT
2964 J. D. Yeager
2965 Johnny Appleseed USAT
2966 Paul Bunyan
2967 Anson Mills
2968 Robert Neighbours
2969 Francis B. Ogden
2970 Edwin S. Nettleton
2971 Pontus H. Ross
2972 Clarence Roberts
2973 Otis E. Hall
2974 Charles L. McNary
2975 Cyril G. Hopkins Concluído como Navarchos Koundouriotis
2976 I. B. Perrine Concluído como Eleftheria
2977 Paul David Jones
2978 Will B. Otwell
2979 Jacob Chandler Harper
2980 Harold D. Whitehead
2981 Clyde Austin Dunning
2982 James Kyron Walker
2983 Walter Frederick Kraft
2984 William R. Lewis
2985 William Asa Carter USAT
2986 James Roy Wells
2987 William K. Kamaka
2988 Daniel L. Johnston
2989 Lloyd S. Carlson
2990 Russell R. Jones
2991 John Martin Miller
2992 Wallace M. Tyler
2993 William W. Johnson
2994 Bernard L. Rodman
2995 Leonardo L. Romero
2996 Willard R. Johnson USAT
2997 Samuel L. Jeffery
2998 Clifford E. Ashby
2999 Alfred L. Baxley Concluído como Lektor Garbo
3000 Francis E. Siltz
3001 Charles H. Lanham
3002 Mark A. Davis Psara
3003 Edward N. Hinton

Fonte:
Os navios da liberdade A história dos navios de carga do tipo & quotemergency & quot construídos nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, por L. A. Sawyer e W. H. Mitchell. Cornell Maritime Press, Cambridge, Md., 1970
Navios da Liberdade, Os Patinhos Feios da Segunda Guerra Mundial, John G. Bunker. Annapolis, Maryland: Naval Institute Press, 1972


Pavo Constellation

A constelação de Pavo encontra-se no céu do sul. Seu nome significa & # 8220o pavão & # 8221 em latim.

A constelação foi introduzida pelo astrônomo holandês Petrus Plancius a partir das observações dos navegadores holandeses Frederick de Houtman e Pieter Dirkszoon Keyser no final do século XVI. Pavo foi retratado pela primeira vez em 1598 no globo de Plancius & # 8217 e apareceu pela primeira vez em um atlas estelar em 1603, em Johann Bayer & # 8217s Uranometria.

Na Austrália, uma parte da constelação é conhecida como & # 8220a panela & # 8221 e usada como um guia para encontrar o sul. Pavo é notável por sua estrela brilhante Peacock, o próximo analógico solar Delta Pavonis, as galáxias em interação NGC 6872 (a Galáxia Condor) e IC 4970, e vários outros objetos do céu profundo.

FATOS, LOCALIZAÇÃO e MAPA de amp

Pavo é a 44ª constelação em tamanho, ocupando uma área de 378 graus quadrados. Ele está localizado no quarto quadrante do hemisfério sul (SQ4) e pode ser visto em latitudes entre + 30 ° e -90 °. As constelações vizinhas são Apus, Ara, Indus, Octans e Telescopium.

Pavo pertence à família de constelações Johann Bayer, junto com Apus, Chamaeleon, Dorado, Grus, Hydrus, Indus, Musca, Phoenix, Tucana e Volans.

Pavo contém cinco estrelas com planetas confirmados e não tem objetos Messier. A estrela mais brilhante da constelação é Peacock, Alpha Pavonis, com uma magnitude aparente de 1,94. Existe uma chuva de meteoros associada à constelação: os Delta Pavonids.

Pavo contém uma estrela nomeada. O nome da estrela aprovado pela União Astronômica Internacional (IAU) é Peacock.

Mapa da constelação Pavo da IAU e da revista Sky & ampTelescope

Acredita-se que a constelação represente o pavão verde de Java que os navegadores holandeses de Houtman e Keyser provavelmente encontraram em sua jornada para as Índias Orientais.

Na mitologia grega, o pavão era o pássaro sagrado de Hera. A deusa dirigiu pelo ar em uma carruagem puxada por pavões. Existe um mito especificamente associado à cauda do pavão e como ele passou a ter os olhos fixos nela.

Quando Zeus se apaixonou por Io, uma ninfa e sacerdotisa de Hera em Argos, ele a transformou em uma vaca para escondê-la de Hera quando a deusa quase pegou os dois. Mesmo assim, Hera ficou desconfiada e encarregou o gigante Argus de ficar de olho na novilha. Argus tinha cem olhos, o que o tornava um excelente guarda. (Ele também é conhecido como Argus Panoptes, o epíteto Panoptes significa & # 8220tudo vendo. & # 8221)

Argus amarrou Io a uma oliveira em Nemea, e Zeus despachou Hermes para libertar a ninfa do gigante. Hermes obedeceu e veio para a Terra disfarçado de pastor. Ele passou um dia contando histórias para Argus e tocando flauta de cana até que todos os olhos de Argus e # 8217 se cansaram. Quando o gigante adormeceu, Hermes o atingiu com uma pedra e o matou. Para homenagear a memória de Argus & # 8217, Hera colocou os olhos na cauda de seu pássaro sagrado & # 8217s.

PRINCIPAIS ESTRELAS DO PAVO

Pavão - α Pavonis (Alpha Pavonis)

Alpha Pavonis é a estrela mais brilhante de Pavo. Ele está localizado perto da fronteira com a constelação de Telescópio. A estrela tem uma magnitude aparente de 1,94 e está a aproximadamente 179 anos-luz de distância da Terra.

Alpha Pavonis é uma estrela subgigante branco-azulada pertencente à classe espectral B2 IV. É um binário espectroscópico com um período orbital de 11,753 dias. Uma vez que as estrelas no sistema binário não podem ser resolvidas, a classificação estelar companheira & # 8217s é desconhecida.

O nome Peacock foi dado à estrela por Her Majesty & Nautical Almanac Office # 8217s no final dos anos 1930. HMNAO, que agora faz parte do Escritório Hidrográfico do Reino Unido, produz dados astronômicos e publica o Almanaque Náutico. Eles atribuíram o nome de pavão a Alpha Pavonis quando criaram o Almanaque Aéreo, um guia de navegação da Royal Air Force, que incluiu 57 estrelas brilhantes. Apenas dois deles não tinham nomes próprios na época: Alpha Pavonis e Epsilon Carinae na constelação de Carina. A RAF insistiu que todas as estrelas do almanaque tinham nomes, então Alpha Pavonis foi batizada de Peacock, em homenagem à constelação, e Epsilon Carinae recebeu o nome de Avior.

O pavão tem seis vezes a massa do Sol e 5 a 6 vezes o raio solar. É 2.200 vezes mais luminoso que o sol.

β Pavonis (Beta Pavonis)

Beta Pavonis é a segunda estrela mais brilhante da constelação. Ele tem uma magnitude visual de 3,42 e está a aproximadamente 137 anos-luz de distância. É uma estrela subgigante pertencente à classe espectral A5IV. É 58 vezes mais luminoso que o Sol e tem 3,8 vezes o raio solar.

δ Pavonis (Delta Pavonis)

Delta Pavonis é uma das estrelas brilhantes mais próximas do Sol. Está a apenas 19,92 anos-luz de distância e tem uma magnitude aparente de 3,56. A estrela pode ser vista sem binóculos do hemisfério sul.

Delta Pavonis é uma estrela subgigante com a classificação estelar G8 IV. É 22% mais luminoso do que o Sol, ligeiramente menos massivo com 99,1% da massa do Sol e de 12217 e 122% do raio solar. Sua idade é estimada entre 6,6 e 6,9 ​​bilhões de anos.

A estrela tem 214% de abundância de ferro em sua atmosfera em comparação com o Sol, o que às vezes indica a presença de um planeta na órbita de uma estrela. Nenhum foi descoberto ainda, no entanto.

Delta Pavonis foi identificado como o alvo & # 8220Best SETI (busca por inteligência extraterrestre) & # 8221 das 100 estrelas de classe G mais próximas por Maggie Turnbull e Jill Tarter ou o SETI Institute. É o análogo solar mais próximo que não faz parte de um sistema binário ou de estrelas múltiplas.

γ Pavonis (Gamma Pavonis)

Gamma Pavonis é uma estrela da sequência principal pertencente à classe espectral F9 V. Tem uma magnitude aparente de 4,22 e está a 30,21 anos-luz de distância.

A estrela tem um raio 15% maior e massa 21% maior que o sol. É 152% mais luminoso.

Gamma Pavonis está classificado em 14º no Terrestial Planet Finder & # 8217s 100 estrelas alvo para procurar um planeta semelhante ao nosso localizado na estrela & # 8217s Habitable Zone.

φ2 Pavonis (Phi-2 Pavonis, HD 196378)

Phi-2 Pavonis é uma estrela anã, de cor branco-amarelada e pertencente à classe espectral F8V. Tem uma magnitude aparente de 5,12 e 81,6 anos-luz de distância da Terra. A estrela está atualmente em processo de evolução para uma subgigante.

HD 181433 está em algum lugar entre ser uma gigante vermelha e uma subgigante. Possui a classificação estelar K3III-IV e está a aproximadamente 87 anos-luz de distância. Com uma magnitude aparente de 8,38, a estrela não pode ser vista sem um telescópio. Em 2008, três planetas extrasolares foram descobertos orbitando a estrela.

OBJETOS DE CÉU PROFUNDO NO PAVO

NGC 6752 é um aglomerado globular. É o terceiro aglomerado de estrelas globulares mais brilhantes no céu noturno, mais fraco apenas do que 47 Tucanae (NGC 104) na constelação de Tucana e Omega Centauri (NGC 5139) em Centaurus.

O aglomerado tem uma magnitude aparente de 5,4 e está a cerca de 13.000 anos-luz de distância do sistema solar.

Parecendo um tesouro de joias próprias para a coleção de um imperador, este objeto do céu profundo chamado NGC 6752 é na verdade muito mais digno de admiração. É um aglomerado globular e, com mais de 10 bilhões de anos, é uma das coleções de estrelas mais antigas conhecidas. NGC 6752 contém um grande número de estrelas “perdidas azuis”, algumas das quais são visíveis nesta imagem. Imagem: ESA, Hubble e NASA

NGC 6872 e IC 4970

NGC 6872 (a Galáxia Condor) e IC 4970 são um par de galáxias interagindo em Pavo. Eles têm uma magnitude aparente de 12,7 e 14,7 e estão a aproximadamente 220 milhões de anos-luz de distância do sistema solar.

NGC 6872 e IC 4970 & # 8211 A imagem mostra a espetacular galáxia espiral barrada NGC 6872 que tem a forma de um & # 8220 sinal integral & # 8221. É do tipo SBb e é acompanhado por uma galáxia menor em interação, IC 4970 do tipo S0 (logo acima do centro). O objeto brilhante no canto inferior direito das galáxias é uma estrela da Via Láctea cuja imagem foi fortemente superexposta e exibe múltiplas reflexões ópticas no telescópio e no instrumento. Imagem: ESO

IC 4970 é uma galáxia elíptica do tipo E7-S0. NGC 6872 é a maior das duas galáxias. É uma galáxia espiral barrada na forma de um signo integral. Tem um braço espiral significativamente interrompido que é o lar de muitas estrelas azuis jovens. Acredita-se que a atividade de explosão estelar na região tenha sido causada pela passagem recente do IC 4970 por ele.

NGC 6872 é uma das maiores galáxias espirais barradas conhecidas. Ele se estende por quase 380.000 anos-luz.

NGC 6744 (Caldwell 101)

NGC 6744 é uma galáxia espiral intermediária em Pavo. Tem uma magnitude aparente de 9,14 e está a aproximadamente 31 milhões de anos-luz de distância. É uma das galáxias próximas mais semelhantes à Via Láctea.

NGC 6744 tem pelo menos uma galáxia satélite, a distorcida NGC 6744A, que tem uma semelhança passageira com uma das Nuvens de Magalhães, galáxias anãs irregulares do Grupo Local.

IC 4687, IC 4689, IC 4687/6, AM 1809-574

IC 4687, IC 4689 e IC 4686 são um trio de galáxias interagindo e se fundindo na constelação de Pavo. Eles estão localizados a aproximadamente 250 milhões de anos-luz de distância do sistema solar.

IC 4687 forma um tripleto com duas outras galáxias: IC 4686 à direita e IC 4689 mais à direita. IC 4687 tem um corpo caótico de estrelas, gás e poeira e uma grande cauda encaracolada à esquerda. Os dois companheiros estão parcialmente obscurecidos por faixas escuras de poeira. O trio em interação está a cerca de 250 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação de Pavo, o Pavão. Imagem: NASA, ESA, o Hubble Heritage e A. Evans

O IC 4687 tem um disco caótico de estrelas e braços espirais deformados como resultado da colisão com seus vizinhos. IC 4686 tem um núcleo muito brilhante e IC 4689 tem um gancho distinto.

As três galáxias acabarão por se fundir em uma galáxia gigante, mas por enquanto elas são o lar de muitas regiões de explosão estelar, que aparecem como manchas azuis brilhantes e são formadas por milhões de jovens estrelas azuis quentes.

NGC 6782 é uma galáxia espiral barrada em Pavo. Tem uma magnitude visual de 11,8 e está a aproximadamente 183 milhões de anos-luz de distância.


Pavo cristatus Linnaeus, 1758

(Phasianidae Ϯ Pavão azul P. cristatus) EU. pavo, pavonis peacock & quot87. PAVO. Caput pennis rectis revolutis tectum. Penn e aelig dorsales alongat & aelig. & quot (Linnaeus 1758) & quotPavo Linn & eacute, Syst. Nat., Ed. 10, 1, p. 156. Digite, por tautonímia, Pavo cristatus Linn e eacute. (Pavo, nome específico pré-binomial em sinonímia). & Quot (Peters 1934, II, 133). Linnaeus & # 39s Pavo compreendeu duas espécies (P. cristatus, P. bicalcaratus) O Pavão Azul era bem conhecido dos antigos, aparecendo em moedas e na literatura, e como uma iguaria nas mesas dos ricos.
Synon. Pavianus, Spiciferus.

EU. pavo, pavonis pavão.
● ex & ldquoPavaneur & rdquo de Levaillant 1803, pl. 122 (sin. Acrocephalus schoenobaenus).

EU. cristatus com crista, emplumada, tufada & lt crista crista, pluma, topete.
● ex & ldquoQuauhtzonecolin & rdquo de Hernandez 1651, & ldquoCoturnix indica & rdquo de Ray 1713 e & ldquoCaille hup & eacutee du M & eacutexique & rdquo de Brisson 1760 (Colinus).
ex & ldquoFiguier hupp & eacute de Cayenne & rdquo de d & rsquoAubenton 1765-1781, pl. 391, fig. 1 e de Buffon 1770-1783 e & ldquoCrested Warbler & rdquo de Latham 1783 (syn. Colopteryx galeatus).
● ex & ldquoMoineau de Cayenne & rdquo de d & rsquoAubenton 1765-1781, pl. 224, fig. 3, & ldquoFriquet hupp & eacute & rdquo de Buffon 1770-1783 e & ldquoFriquet-cara-preta & rdquo de Latham 1783 (sin. Coryphospingus cucullatus).
● ex & ldquoDrongo & rdquo de Levaillant 1805, pl. 166 (sin. Dicrurus forficatus).
● & quot43. LANIUS. . cristatus. 1. L. cauda cuneiformi, capite cristato, corpore rufescente, subtus fulvo fuscoque undulato. Lanius fulvus cristatus. Edw. av. 54. t. 54. Habitat em Benghala. & Quot (Linnaeus 1758). Edwards & # 39 1747, & ldquoCrested Red ou Russit Butcher-Bird & rdquo é de um desenho de um pássaro morto desgrenhado mostrado com uma crista (Lanius).
● & quot100. PARUS. . cristatus. 1. P. capite cristato. Fn. svec. 239. Parus cristatus. Gesn. av. 642. f. med. Aldr. orn. eu. 17. c. 20. Vai. orn. 175. t. 43. Raj. av. 74. n. 6. Alva. av. 2. p. 53. t. 57. f. 2. Frisch. av. . . t. 14. f. 2. Habitat em Europa. & Quot (Linnaeus 1758) (Lophophanes).
● ex & quotTangara noir hup & eacute de Cayenne & quot de Brisson 1760 (Loriotus).
● ex & ldquoHoactzin & rdquo de Willughby 1676 e Ray 1713, & ldquoCrax fuscus mexicanus & rdquo de Brisson 1760, & ldquoFaisan hupp & eacute de Cayenne & rdquo de d & rsquoAubenton 1765-1781, pl. 337, & ldquoHoazin & rdquo de de Buffon 1770-1782 e & ldquoCrested Pheasant & rdquo de Latham 1783 (syn. Opisthocomus hoazin).
● & quot60. TROCHILUS. . cristatus. 17. T. rectirostris viridis, alis fuscis, abdomine cinereo, crista c & aeligrulescente. Mellivora minor cristata. Edw. av. 37. t. 37. Habitat em América. & Quot (Linnaeus 1758) (Orthorhyncus).
● ex & ldquoMerula Sinensis cristata minor & rdquo de Brisson 1760 (syn. Otocompsa jocosa).
● & quot87. PAVO. . cristatus. 1. P. capite crista erecta. Pavo cauda longa. Fn. svec. 163. Pavo. Gesn. av. 656. Aldr. orn. eu. 13. c. 1. Jonst. av. 56. t. 22. Vai. orn. 112. t. 27. Raj. av. 51. Habitat em Índia orientali, Zeylona. Mas remigibus primoribus ferrugineis, ejulanos, vindicanos, superbus, togam dorsalem gemmantibus ocellis, natur & aelig miraculo pictam erigendamque, tertio anno aquisit, qua nihil pulchrius, sub canicula déjicit. Femina curat pullos em núpcias proximas. Sambucci floribus occiditur. & quot (Linnaeus 1758) (Pavo).
● & quot68. COLYMBUS. . cristatus. 2. C. pedibus lobato-fissis, capite rufo, collari nigro, remigibus secundariis albis. Fn. svec. 122. Colymbus major cristatus s. cornutus. Gesn. av. 139. Aldr. ornith. eu. 19. c. 52. Vai. orn. 257. t. 61. Raj. av. 124. Marsil. danub. 80. t. 38. Habitat em Europa. & Quot (Linnaeus 1758) (Podiceps).
● ex & ldquoCassicus cristatus & rdquo de Brisson 1760, & ldquoCassique hupp & eacute de Cayenne & rdquo de d & rsquoAubenton 1765-1781, pl. 344 e & ldquoCrested Oriole & rdquo de Latham 1782 (syn. Psarocolius decumanus).
● ex & quotPluvier arm & eacute du S & eacuten & eacutegal & quot of d & # 39Aubenton 1765-1781, pl. 800 (sin. Vanellus senegallus).
● & quot79. CHARADRIUS. . cristatus. 1. C. gula pileo pectoreque nigris, occipite cristato, dorso testaceo, pedibus nigris. Pluvialis indicus, pectore nigro. Edw. av. 47. t. 47. Habitat em Pérsia. Simillimus est Tring e aelig Vanello. & quot (Linnaeus 1758) (syn. Vanellus spinosus).
● ex & ldquoVultur leporarius & rdquo de Gessner 1555 e Ray 1713, & ldquoVultur cristatus & rdquo de Brisson 1760, & ldquoVautour & agrave aigrettes & rdquo de de Buffon 1770-1783 e & ldquoHare Vulture & rdquo).
● ver cristata


Terceiro Setor de Apoio ao País de Gales

PAVO faz parte do Third Sector Support Wales, uma rede de organizações de apoio para todo o terceiro setor no País de Gales. É composto pelos 19 Conselhos Voluntários do Condado locais e regionais (PAVO é um Conselho Voluntário do Condado) e o órgão de apoio nacional, Conselho de Ação Voluntária do País de Gales (WCVA).

Como Terceiro Setor de Apoio no País de Gales, trabalhamos com pessoas, voluntários e grupos do terceiro setor para identificar e abordar o que é importante para eles. Para atingir nossos objetivos comuns, colaboramos com outros parceiros importantes no terceiro setor, setor público, negócios, pesquisa e financiadores.

4 áreas de atividade são:

  • voluntariado
  • bom governo
  • financiamento sustentável
  • engajamento e influência.

Nosso trabalho é amplamente focado nos temas comuns de:

  • informação e conselho
  • aprendendo e desenvolvendo
  • networking e comunicação
  • formando, influenciando e construindo o capital social (relações positivas entre as pessoas que vivem e trabalham nas comunidades) e a força do terceiro setor
  • elevando o perfil do terceiro setor.

Teatro-operacioj da Segunda Guerra Mundial

Post litpretigo, Pavo ŝarĝis kargon em San Diego, Califórnia, kaj velis al Havajo. Ŝi atingis Pearl Harbor 28 fevereiro kaj, post la trejnado de monato, ŝi velis por la Centra Pacifika en konvojo 21 marton. Ŝi alvenis Majuro, marŝaloj, dek tagojn poste kaj komencis ampleksajn kargonavedoperaciojn kiuj, dum la venontaj naŭ monatoj, sendis ŝin ĉie en la Centra Pacifika. Post kompletigado de kuroj al Kŭajalein kaj Roi, ŝi transportis virojn kaj provizojn al Tarawa, Gilbert, frue en majo. Ŝi resendis material difektitan em Pearl Harbor poste tiun monaton de tie, ŝi rekomencis liveroperaciojn el la marŝaloj.

Liveranta kargo ĉe Saipan

La 23an de Julio Pavo foriris Eniŭetok en konvojo por la Marianas. Alvenado Saipan la 28-a, ŝi malŝarĝis tunojn da kargo kaj tie kaj ĉe la ĵus kaptita insulo de Tinian. Ŝi revenis al Eniŭetok meze de aŭgusto, sed antaŭ 1 setembro ŝi rekomencis malŝarĝantan kargon ĉe Saipan. Malpli ol duonmonato poste ŝi transportis kargon al Gvamo antaŭ gvidado reen al Eniŭetok 13 setembro. Dum la venontaj tri monatoj ŝi daŭrigis ela okupatan horaron kun kuro al la Gilbert, inter-insulajn navedojn en la marŝaloj, kaj kvar-semajnan deplojon al amerikaj bazoj nas Marianas.

Subtenante soldatojn kaj ŝipon en Filipinio

Ekveturanta Saipan 12 de dezembro, Pavo vaporita per Eniŭetok al Pearl Harbor kie ŝi spertis vojaĝriparojn dum multo da januaro 1945. Ŝi revenis al la Usona Okcidenta Marbordo 10 fevereiro, Kaj, pós ŝarĝado de provizoj ĉe Seatlo, ŝi foriris por la okcidenta Pacífico 24 fevereiro. Ŝia deplojo sendis ŝin tra Pearl, la marŝalojn, kaj la Karolino'n al Kossol Roads, kie ŝi alvenis 8 majo. Kvar tagojn poste ŝi estis sendita al Filipinio kaj ŝi atingis San Pedro Bay, Leyte, 15 majo. Dum pli ol du monatoj ŝi funkciis kiel stacia kargoŝipo en Leyte Gulf. Ŝi kompletigis eligantan kargon 23 julio, kaj la 2an de aŭgusto ŝi velis por Usono.

Fin-de-milita agado

Pavo alvenis San Petro, Kalifornio, 31 aŭguston de tie, sekvante riparojn em Terminal Island, ŝi foriris por la atlantika Marbordo 13 oktobron. Ŝia vojaĝo sendis al ŝi tra la Panamakanalo 27 oktobron, kaj la 3 de novembro de ŝi eniris Hampton Roads, Virginia (Hampto-Vojoj, Virginio).


Pavo muticus Linnaeus, 1766

(Phasianidae Ϯ Pavão azul P. cristatus) EU. pavo, pavonis pavão & quot87. PAVO. Caput pennis rectis revolutis tectum. Penn e aelig dorsales alongat & aelig. & quot (Linnaeus 1758) & quotPavo Linn & eacute, Syst. Nat., Ed. 10, 1, p. 156. Digite, por tautonímia, Pavo cristatus Linn e eacute. (Pavo, nome específico pré-binomial em sinonímia). & Quot (Peters 1934, II, 133). Linnaeus & # 39s Pavo compreendeu duas espécies (P. cristatus, P. bicalcaratus) O Pavão Azul era bem conhecido dos antigos, aparecendo em moedas e na literatura, e como uma iguaria nas mesas dos ricos.
Synon. Pavianus, Spiciferus.

EU. pavo, pavonis pavão.
● ex & ldquoPavaneur & rdquo de Levaillant 1803, pl. 122 (sin. Acrocephalus schoenobaenus).

EU. muticus ancorado, reduzido & lt mutilus mutilado & lt mutilar interromper. O pavão verde era originalmente conhecido apenas na Europa por meio de uma pintura enviada pelo imperador Go-Yōzei do Japão ao papa Inocêncio IX em 1591 & ldquothe as pernas são cor de cinza e não têm esporas. possivelmente eles podem ter sido esquecidos pelo pintor & rdquo (Latham 1783) (Pavo).


Pavo AK-139 - História


Dicionário Online Webster & # 8217s

Pavo representa o homem pavão (pavo cristatus pavo com crista), um pavão macho da família dos faisões. As penas de sua espetacular cauda longa, ou cauda, ​​são marcadas com manchas iridescentes em forma de olho e que podem se espalhar em forma de leque. A cauda consiste em cerca de 250 penas longas, cerca de 150 das quais são decoradas com uma mancha ocular acobreada com centro preto arroxeado []. O pavão era dotado do poder de matar cobras e, aparentemente, eles comem pequenas cobras venenosas []. Por causa de sua capacidade de engolir cobras e assimilar seu veneno, era visto como um símbolo de transmutação, e o veneno dava a sua carne imunidade à decomposição. Também foi responsável por sua plumagem colorida: & # 8220 As cores cintilantes das penas de sua cauda foram explicadas por sua suposta capacidade de transformar o veneno de cobra em iridescência solar & # 8221 [].


IndusandPavoem Corbinianus Thomas,Firmamentum firmianum, 1730

Indus e Pavo, o índio e o pavão, geralmente são retratados juntos. o Pavão appears to be watching the figure of the Indian. Indus, might also represent Io, the heifer. No dele Metamorfoses the Roman poet Ovid tells how Io was seduced by Zeus (Jupiter), Hera’s husband. In a vain attempt to hide his crime, Zeus changed himself into a cloud (the Small Magellanic Cloud is close to Indus in the adjacent constellation Tucana) and transformed Io into a heifer to escape Hera’s detection. Hera was not fooled. She demanded the heifer as a present, and Zeus could not refuse her without arousing suspicion. Hera tethered Io to an olive-tree and appointed Argus to be the guardian of the heifer. Argus, ou Argos, surnamed Panoptes (frigideira-, ‘all’, + optes, ‘eyes’), was a giant covered in eyes, depending on the version of the myth he had a hundred, a thousand, or ten thousand eyes. Hermes was sent to distract the guardian and slay him. Hermes, disguised as a shepherd, first put all of Argus’s eyes asleep with boring stories then cut off his head. Hera (Juno) placed the eyes of Argus Panoptes ‘who sees all’, or ‘all eyes’, on the peacock’s cauda. These ‘eyes’ are said to represent the stars in the night sky, or the whole starry sky. Argus never slept, he always had half his eyes open and half closed in sleep at any one time. This might relate to the fact that the Sun is shining on half the earth at any one time while the other half is in darkness under the night stars. Mercury/Hermes, messenger of the gods, (a planet travelling close to the Sun, sometimes appearing before, and with the Sun’s rising, at other times with the Sun’s setting), cut off Argus’ head and thus quenching the lights of the eyes the lights of the stars.

The argus pheasant is a relative of the peacock, Pavo cristatus. Argus’ name is said to be cognate with the Argo of Argo Navis (Jason entrusted the building of the ship to Argus, after whom it was named), and also with Latin argentum, silver, and it was said that Indus, a neighboring constellation, king of Scythia, first discovered silver, Latin argentum, the word is cognate with the word Argus (according to Klein).

A palavra peacock is related to Pavo, pavan ou pavane (peacock dance, a processional dance common in Europe during the 16th century). Taos is the Greek name for the peacock, the French word is paonPavonated means peacock blue. Latina paupulo is ‘the natural sound of the peacock’.

Ponceau is the ‘corn papoula‘ from Old French poncel, a derivative of paon, ‘peacock‘, from Latin pavanem, accusative of pavo, ‘peacock‘. French paon was used in some North French dialects in the sense of ‘papoula‘ (Klein, p.576.) “The word papoula, is from Vulgar Latin papavum (whence also Old French pavo)” [Klein, p.577]. A palavra papoula comes from Latin papaver, ‘poppy’. Opium is the solidified juice of the opium poppy, from Greek opos (<*hopos), juice. The peacock was put in the heavens by Juno and the eyes of Argus Panoptes ‘who sees all’ was ‘all eyes’ (ocelli, eye-spots) were put on its tail. [There is a resemblance between Greek ops, genitive opos, ‘eye’, opsis, ‘sight’ (the first is omega), and Greek opos, opium (the first is omicron)?]

“The peacock é chamado pavo, therefore, from pavor, fear, since its cry produces fear in those who hear it” [Aberdeen Bestiary

Latina pavor is related to Latin pavere, to fear, and the word pavid, ‘exhibiting or experiencing fear’, from the Indo-European root *pau-² ‘To cut, strike, stamp’. Derivatives include: putamen (an outer layer), putative (supposed), account, amputate, compute, computador, count¹ (in numbers), depute, dispute, impute, repute, (these words from Latin putare, to prune, clean, settle an account, think over, reflect), computador (from Latin computare which means ‘to reckon together’, from com- ‘together’ and putare ‘to think, to reckon’), deputy, recount, reputation. b. Possibly Latin puteus, well: pit¹ (a hole or cavity in the ground.), pave ou pavé (pavement, from Latin pavire, to beat), pavid (timid, from Latin pavire, to fear < ‘to be struck’), raconteur ( – + aconter. One who tells stories and anecdotes with skill and wit). [Pokorny 3. peu– 827. Watkins

Klein sees the word paean, ‘a hymn, a song, joy and triumph’, from Greek paian, as a likely cognate, a paean is hymn of thanksgiving, often addressed to Apollo, literally ‘one who touches’, whence used in the sense ‘one who heals by a touch’, from Greek paio, paiein

Isidore gives his view on how many of these words are related to each other:

Pavements (pavimentum) that are worked out with the skill of a picture have a Greek origin mosaics (lithostratum) are made from little pieces of shell and tiles colored in various hues. They are called pavements because they are ‘rammed down’ (pavire), that is, beaten. From this also comes the word ‘dread’ (pavor), which strikes the heart” [p.312.]. “Alarmed (pavidus) is one whom agitation of mind disturbs such a one has a strong beating of the heart, a moving of the heart – for to quake (pavere) is to beat, whence also the term pavimentum (beaten floor cf. pavire, ‘ram down’)” [p.227.]. [The Etymologies of Isidore of Seville, 7th century AD]

Pavements are often made with pebbles and contando was done with pebbles. The word pave can also have the meaning ‘pave the way’, to prepare a smooth easy path. Hermes amputado the head of Argus, and his eyes were put on the tail of the Peacock by Hera. The peacock represents the starry heavens, the contando of stars is mentioned in the bible:

“Now look toward the heavens, and contar the stars, if you are able to contar them.” And He said to him, “So shall your descendants be.” (Genesis 15:5). “I will multiply your descendants as the stars of the heavens” (Exodus 32:13

“The number cinco is cognate with Old Indian panca, Tocharian A frigideira, Grego pente, etc. Plutarch says “cinco is analogous partly to the father and partly to the mother, being made up of a triad and dyad. Panta (tudo) is cognate with pente (cinco), and they [the ancient Egyptians] say ‘to reckon by fives’ for ‘to contar‘.” [Plutarch. De Iside et Osiride. Ed. with intro J. Gwyn Griffiths. Cambridge: U of Wales P, 1970]. A star has cinco pontos.

The outer dark layer of the lenticular nucleus in the brain is called the putamen. It appears to play a role in reinforcement learning. Putamen is also a botanical term for the stone in a fruit, such as a peach [ ].

One of the attributes given to the peacock is compassion [ ], from the Indian story of a peacock taking pity on Indra and to hide him from his enemies, raised its tail to form a blind or screen behind which Indra could hide himself. As a reward for this act of compassion, the bird was honored with the jewel-like blue-green plumage that it bears to this day [ ].

Paciente (patiens) is so called from ‘striking’ – for pavere (i.e. pavire) is ‘strike’ – for such a one is beaten and endures it.” [p.225.] [The Etymologies of Isidore of Seville, 7th century AD]

The words paciência e compassion come from the Indo-European root *péi Também pe-, pi-. ‘To hurt’. Derivatives: fiend (a diabolically evil or wicked person, from Old English feond, enemy, devil, hating, hostile), passible, passion, passiva, patient (Latim patiens), compassion, (these words from Latin pati, to suffer). [Pokorny pe(i)– 792. Watkins

The Medieval Bestiary said the peacock had the voice of a fiend

“… he hath the voice of a fiend, head of a serpent, pace of a thief. For he hath an horrible voice. ” Bartholomaeus Anglicus [13th century CE] (De proprietatibus rerum, book 12)

Julius Schiller united Pavo with Indus in his biblical figure ‘ . Job.’ Job is a character in the Book of Job in the Bible. The devil inflicted great suffering on him. “You have heard of the paciência of Job, and you have seen the end of the Lord, that the Lord is merciful and compassionate” [James 5:11

“Then Hermes told this story [of Frigideira and his pursuit of the Nymph Syrinx] … The tale remained untold for Cyllenius [Hermes] saw all Argus’ eyelids closed and every eye vanquished in sleep. He stopped and with his wand, his magic wand, soothed the tired resting eyes and sealed their slumber quick then with his sword he struck off the nodding head and from the rock threw it all bloody, spattering the cliff with gore. Argus lay dead so many eyes, so bright quenched, and all hundred shrouded in one night. Saturnia [Hera] retrieved those eyes to set in place among the feathers of her bird [the peacock, Pavo] and filled his tail with starry jewels.” – Ovid, Metamorphoses 1.624 [

Pavo, might relate to the god Frigideira. Charles de Kay in Bird Gods says “[the peacock’s] name is a variant on that of Pan and generally keeps the initial P, even when, as in Latin pavo, Esthonian pabu, it drops the n. Catalonian has an odd 132 form pago Burgundian French had paivo but the Berry dialect retains the n in pante, peahen. [Bird Gods1898, Charles de Kay, p.132] The French for peacock is paon, Welsh, Serbo-, and Romanian, have paun, for peacock.

According to Ovid (above) Mercury told (recounted) a story to Argus [Argos Frigideiraoptes, Argos ‘all eyes’] as he was trying to lull him to sleep (just before he cut off his head) about how the amorous god, Frigideira, chased the chaste nymph, Syrinx, and before he could catch up with her she was transformed into reeds of which Pan made his pan-pipes [ ]. This happened before Mercury cut off Argus’ head and before Argus’ eyes were scattered on the tail of the peacock by Hera/Juno suggesting that this story had something to do with what was about to happen, perhaps that Argus was about to become Pan. [Aigipan, the goat-fish of Capricorn, is distinct from Pan [10]].

“Originally an attribute of Frigideira, he yielded it [the peacock] to Hera/Juno as symbolizing the starry firmament the Argus eyes are scattered over the tail by Hera” [J.C. Cooper, p.127].

Both Pan and the peacock’s tail are representatives of the starry heavens:

“They made Pan the symbol of the universe, and gave him his horns as symbols of sun and moon, and the fawn skin as emblem of the stars in heaven, or of the variety of the universe.” [Porphyry (c. 232 AD – c. 304) Fragment 8]

Pan, Greek god of the shepherds, is also the prefix in the word pa-on, which means ‘shepherd’ and shares its prefix with the modern English word ‘pasture’ [11]. In Mesopotamia and the ancient middle-eastern regions the terms sheep or flocks was a metaphor for stars. “Tammuz, the moon god, was given the title of shepherd, the stars being his flock” (Penguin, p.874). Various groups of stars were referred to as sheepfolds. The ‘straying sheep’ was a metaphor for the ‘wandering planets’. Esse Jupiter Projectwebsite explains that the meaning of the biblical passage Luke 2:8, “shepherds watching their flock by night” says it meant star-gazing.

“The peacock, as Isidore says, gets its name from the sound of its cry. For when it starts, unexpectedly, to give its cry, it produces sudden fear in its hearers. The peacock is called pavo, therefore, from pavor, fear, since its cry produces fear in those who hear it” [from Aberdeen Bestiary webpage].

Latina pavor (which Isidore thinks is related to Pavo) is often translated into English as panic [12], although these two words are not recognized cognates. Frigideira inspired sudden fear in lonely places “For causeless terrors are said to come from the god Pan” [Pausanias], which gave us the words panic e pandemonium (the screeching of a harem of peacocks might sound like a pandemonium). Pan sometimes appeared to travellers startling them with a sudden awe or terror. Hunters owed their success to him, and if they were unsuccessful they used to scourge (pavire, to beat?) his statue [13]. A palavra frigideira means ‘all’ and some believe that the whole starry sky influences all things. He is often referred with the title ‘god’, ‘the god Pan’, more so than other Greek gods.

In Australia “the Saucefrigideira” is sometimes used as an unofficial name for part of the constellation of Pavo, when finding the south by the stars [14].

“The peacocks erect and fan out their trains, drooping their half-open wings to the sides and strut and prance from one foot to the other, shivering from time to time to produce a spectacular shimmering, psychedelic display” [Raghavendra Gadagkar].


Pavo AK-139 - History

This USS Pavo AK-139 License Plate Frame is proudly made in the USA at our facilities in Scottsboro, Alabama. Each of our MilitaryBest U.S. Navy Frames feature top and bottom Poly Coated Aluminum strips that are printed using sublimation which gives these quality automobile military frames a beautiful high gloss finish.

Please check your state and local regulations for compatibility of these Navy Frames for use on your vehicle.

A percentage of the sale of each MilitaryBest item is forwarded to the licensing departments of each respective branch of service in support of the MWR (Morale, Welfare, & Recreation) program. These payments are made by either ALL4U LLC or the wholesaler from where the item originated. Our team thanks you for your service and your support of these programs.

YOU MIGHT ALSO LIKE


Assista o vídeo: Monarchs. OCT 2021 NEW TCG FORMAT (Julho 2022).


Comentários:

  1. Struthers

    a resposta simpática

  2. Macgowan

    Eu acho que você não está certo. Estou garantido. Vamos discutir isso. Escreva para mim em PM.

  3. Akinoshicage

    Mais desses artigos

  4. Torrans

    Você está absolutamente certo. Há algo sobre isso, e é uma ótima ideia. Eu te ajudo.



Escreve uma mensagem