Artigos

Segundo cerco de Gerona, 24 de julho a 16 de agosto de 1808

Segundo cerco de Gerona, 24 de julho a 16 de agosto de 1808


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Segundo cerco de Gerona, 24 de julho a 16 de agosto de 1808

O segundo cerco de Gerona foi uma segunda tentativa fracassada da França de capturar a cidade de Gerona, o que ameaçou suas linhas de comunicação entre Barcelona e Perpignan. Os franceses tomaram Barcelona em 29 de fevereiro de 1808, mas não ocuparam Gerona. Após a eclosão da revolta espanhola, o exército francês em Barcelona ficou perigosamente isolado dos principais exércitos franceses em torno de Madrid, e assim o general Duhesme decidiu ocupar Gerona. Sua primeira tentativa, em 20-21 de junho de 1808, terminou em fracasso, e ele se retirou para Barcelona, ​​mas a situação geral não mudou.

Gerona não era protegida por fortes fortificações modernas. Situa-se em ambas as margens do rio Oña. A maior parte da cidade ficava na margem leste e era protegida por uma linha de quatro fortes que corriam ao longo de uma cordilheira logo a leste da cidade, com a cidadela principal de Monjuich na extremidade norte do. A cidade em si era defendida por uma muralha medieval de seis metros de altura, sem vala. A parte oeste da cidade, conhecida como Mercadal, estava desprotegida por quaisquer características naturais, então uma parede mais moderna no estilo Vauban foi construída, defendida por cinco bastiões.

Depois de sua repulsa precoce em Gerona, Duhesme pediu ajuda. Napoleão não estava particularmente interessado na luta na Catalunha, mas reuniu uma força de cerca de 7.000 a 8.000 homens, que se reuniu em Perpignan sob o comando do general Reille. Esta força foi tomando forma aos poucos, e em meados de julho Reille tinha cerca de 3.000 homens à sua disposição, com os quais fez uma tentativa malsucedida de capturar Rosas, na estrada costeira entre Perpignan e Barcelona. Essa tentativa foi interrompida, pois em 10 de julho Duhesme deixou Barcelona à frente de uma coluna de 7.000 homens, rumo a Gerona, e ao mesmo tempo ordenou que Reille o encontrasse lá.

Duhesme deixou Barcelona com duas brigadas de infantaria francesa, um regimento de cavalaria italiana e vinte e dois canhões (incluindo dez canhões de cerco). No caminho para Gerona, ele se juntou a outros dois batalhões de infantaria e um regimento de cavalaria sob o comando do general Chabran. Sua força combinada chegou a Gerona em 23 de julho e, em 24 de julho, o primeiro dos homens de Reille chegou, dando início ao cerco. No final, Duhesme teria cerca de 13.000 homens para conduzir o cerco.

Até ao início do cerco, os espanhóis tinham apenas 400 homens em Gerona, do mesmo regimento irlandês de Ultonia que esteve presente durante o primeiro cerco. No entanto, a situação estava prestes a ser transformada com a chegada de um grande continente de tropas das guarnições das ilhas Baleares. Entre 19-23 de julho, 5.000 soldados regulares desembarcaram na Catalunha e na noite de 22 de julho (ou possivelmente 25 de julho), 1.300 infantaria leve do 2º Voluntários de Barcelona entraram na cidade.

Os franceses tomaram posições em lados opostos do rio, com Duhesme em Santa Eugenia na margem esquerda (oeste), e Reille em Puento Mayor, ao norte da cidade, na margem leste. As duas posições estavam bem conectadas. Durante o curto primeiro cerco, Duhesme não tinha um trem de cerco e foi forçado a fazer uma série de tentativas infrutíferas de invadir a cidade. Desta vez, ele tinha um trem de artilharia mais forte e, portanto, decidiu estabelecer um cerco regular. O principal alvo do ataque francês seria a cidadela de Monjuich, que dominava a cidade. O plano de Duhesme era colocar seus canhões pesados ​​nas encostas norte da colina dominada pela cidadela, mas o trabalho nisso foi ridiculamente lento, e o bombardeio não começou até 12 de agosto, duas semanas depois que os franceses chegaram a Gerona.

Esse atraso teria um impacto desastroso na campanha francesa. Enquanto Duhesme se preparava lentamente para começar seu bombardeio, o Marquês de Del Palacio foi nomeado capitão-geral da Catalunha. Ele era considerado um líder bem-intencionado, mas não muito capaz, mas seus movimentos iniciais salvariam Gerona por enquanto. Ele começou um cerco a Barcelona, ​​na esperança de que isso forçaria Duhesme a abandonar seu próprio ataque a Gerona. Ao mesmo tempo, uma pequena coluna sob o comando do Conde de Caldegues foi enviada para Gerona, onde deveriam ajudar as tropas locais a perseguir os franceses. O atraso também permitiu que as notícias da desastrosa derrota francesa em Baylen em 19 de julho de 1808 chegassem aos campos francês e espanhol.

Caldegues deixou os arredores de Barcelona no dia 6 de agosto à frente de uma força composta por quatro companhias de soldados regulares, três canhões e 2.000 soldados irregulares. A caminho de Gerona, juntou-se a ele um grande número de recrutas locais, o que elevou sua força para um total de 7.000 homens. Fora de Gerona, ele pôde se encontrar com os comandantes seniores de Gerona e, juntos, eles decidiram lançar um ousado ataque às linhas francesas. Seu plano era atacar os homens de Reille, na margem oriental do Oña, onde eles estavam bombardeando o Monjuich. A esperança era que a metade de Duhesme do exército francês fosse incapaz de chegar ao campo de batalha a tempo de intervir de forma eficaz. Ao mesmo tempo que a força de socorro fazia seu ataque, qualquer homem da guarnição faria uma surtida, tanto quanto possível.

O ataque começou na manhã de 16 de agosto. 1.400 homens da guarnição atacaram as obras de cerco, invadiram o regimento francês que os protegia e capturaram as armas de cerco. Reille organizou um contra-ataque e estava começando a empurrar os espanhóis de volta para a cidade quando a força de alívio de Caldegues fez o seu ataque. Reille foi forçado a recuar para a margem norte do rio Ter.

Apesar desse revés, os franceses ainda superavam os espanhóis, e a metade de Duhesme do exército ainda não havia sido engajada. Caldegues decidiu não arriscar um segundo ataque e, em vez disso, posicionou-se nas colinas acima de Puento Mayor, na margem sul do Ter, onde aguardou um contra-ataque francês. Esse ataque nunca veio. Duhesme já sabia que Barcelona estava sitiada. Suas próprias armas de cerco pesadas foram perdidas, e os espanhóis expulsaram suas forças das áreas que haviam sido danificadas durante os quatro dias de bombardeio. Os espanhóis agora estavam em uma posição razoavelmente forte - os franceses teriam de atacá-los através do rio Ter, e Duhesme sabia que seu próprio exército não era da mais alta qualidade. Naquela noite, o exército francês fugiu de suas posições ao redor de Gerona. Reille voltou para sua base em Figueras, a meio caminho da fronteira francesa, enquanto Duhesme seguiu para o sul, chegando a Barcelona em 20 de agosto, após uma retirada perigosa e custosa.

Página inicial napoleônica | Livros sobre as Guerras Napoleônicas | Índice de assuntos: Guerras Napoleônicas


Conteúdo

Em 1808, Joseph Bonaparte subiu ao trono da Espanha, tornando a Espanha um estado cliente da França napoleônica. A resistência da Espanha à França precipitou a Guerra Peninsular de 1808-1814. Em 1809, o general Álvarez, comandante do Castelo de Montjuïc em Barcelona, ​​foi ordenado por seus superiores a entregar o castelo aos franceses, embora estivesse se preparando para resistir. Álvarez deixou o Barcelona e se juntou aos rebeldes espanhóis contra o domínio francês.

O governo espanhol em Cádiz nomeou-o comandante do Exército da Catalunha e governador de Girona. A cidade de Girona ficava na estrada principal entre a França e a Espanha, portanto, era estrategicamente importante. Os franceses haviam sitiado a cidade duas vezes no ano anterior, primeiro na Batalha de Girona, de 20 a 21 de junho, e depois no Segundo cerco de três semanas a Girona, de 24 de julho a 16 de agosto, ambas as vezes tendo que recuar. [3] Os franceses capturaram a cidade costeira próxima de Roses e sua cidadela no Cerco de Roses no final de 1808.

Assumindo o comando da cidade em 1º de fevereiro de 1809, Álvarez começou imediatamente a preparar sua defesa, solicitando mantimentos para 7.000 homens. A cidade de Girona naquela época tinha uma população entre 13.000 e 14.000, e era defendida por uma guarnição de cerca de 5.700. [1] [4] Os defensores de Girona incluíam mercenários irlandeses pertencentes ao Regimento Ultonia. As mulheres da cidade se organizaram em uma Companhia de Santa Bárbara para cuidar dos doentes e feridos, transportar munições e outras tarefas. [4] Em 1º de abril, Álvarez proclamou seu famoso édito, no sentido de que se a cidade fosse atacada, ele executaria imediatamente qualquer pessoa que mencionasse rendição ou capitulação. Em 3 de maio, as armas foram distribuídas a 1.717 voluntários. [5]

As fortificações de Girona eram antiquadas, uma vez que nada havia sido feito para modernizá-las desde a Guerra da Sucessão Espanhola, cem anos antes. [1] As paredes medievais eram finas, então muitas vezes não podiam suportar a artilharia. A área do Mercadal, a oeste do rio Onyar, era particularmente fracamente fortificada. Os franceses não atacaram lá, no entanto, temendo os perigos do fogo de artilharia das alturas de Girona e a dificuldade dos combates de rua após sua recente experiência no segundo cerco de Zaragoza no início do ano. [1] As fortificações de parede foram aumentadas por bastiões circundantes, como La Merced e Santa Maria, pelos Onyar ao sul e ao norte de Girona, respectivamente, e os vários fortes e redutos (Capuchinhos, Capítulo, Calvário, etc.) ao longo da crista da montanha atrás de Girona. Embora o Castelo de Montjuïc, ao norte de Girona, fosse bem fornecido com canhões, havia menos de 300 homens experientes com artilharia. [1] No entanto, Álvarez aproveitou ao máximo as defesas. [1]

No início de maio de 1809, o General Saint-Cyr começou a montar baterias e fortificações de artilharia, montando 40 baterias de armas. As forças francesas consistiam em mais de 17.000 homens liderados pelo general Honoré Charles Reille, logo substituído pelo general Jean-Antoine Verdier, engajado no cerco, e mais 15.000 homens em um exército de cobertura liderado por Saint-Cyr, usado para proteger e reforçar o cerco. [1] Em 12 de junho, Álvarez rejeitou os termos de uma trégua oferecida, e Saint-Cyr ordenou que o bombardeio começasse após a meia-noite de 13 a 14 de junho. Nos sete meses seguintes, cerca de 20.000 bombas e granadas e 80.000 balas de canhão foram disparadas contra a cidade e o Castelo de Montjuïc adjacente. [5] [1]

Após três semanas de bombardeios pesados, em 7 de julho, os franceses tentaram tomar o castelo por um ataque frontal. Verdier empregou 2.500 homens na tentativa e, embora os canhões do forte tivessem sido silenciados, ele ainda perdeu mais de mil homens para o fogo implacável de mosquete. [1] Os franceses foram forçados a recuar. Eles retomaram o bombardeio do forte, reduzindo três lados do castelo a ruínas. Com pouca água sobrando e as obras de cerco francesas chegando ao fosso do castelo, em 11 de agosto os defensores restantes do castelo pegaram todos os suprimentos que puderam, evacuaram para Girona e explodiram o castelo. [1] Pouco sobrou do castelo quando os franceses tomaram posse. Álvarez então barricou e entrincheirou a cidade, e o cerco continuou por mais quatro meses. As tentativas de socorrer a cidade pelo general Joaquín Blake foram fracas e tiveram pouco sucesso. [4] [1] Reforços de apenas 3.600 soldados conseguiram entrar em Girona durante o cerco. [1]

A estratégia francesa era tomar Montjuïc, após o que Girona deveria se render, mas em setembro outro pedido dos franceses para que os espanhóis se rendessem foi rejeitado. Os franceses começaram seu primeiro ataque direto à cidade em 19 de setembro. O bombardeio incessante, agora também da vizinha Montjuïc, havia aberto vários buracos nas muralhas defensivas do norte da cidade. Depois que o combate corpo a corpo sangrento e os repetidos ataques foram repelidos, os franceses finalmente abandonaram a tentativa e recuaram. Os franceses perderam 624 soldados no ataque, enquanto os espanhóis perderam 251. [1] O evento desmoralizou os franceses [2] e reuniu os espanhóis. [1]

No final de setembro, o general Saint-Cyr deixou seu comando, irritado com o fato de que seria substituído como chefe das forças francesas e aliadas. Ele deixou as tropas sem um comandante geral por vários dias, em clara desobediência às ordens recebidas em junho. Ele foi substituído pelo marechal Augereau, que assumiu o comando do cerco em 12 de outubro. [2] Após os combates sangrentos de agosto e setembro, os franceses adotaram uma estratégia mais paciente, tentando forçar a rendição por fome e doença. [1]

Em dezembro, Álvarez, gravemente doente e delirando, entregou o comando ao Brigadeiro Juan Bolívar. Os franceses haviam tomado várias fortificações importantes da cidade, e os espanhóis estavam recuando dentro da própria cidade. Dois dias depois, em 12 de dezembro, a cidade finalmente capitulou. [4] Do lado espanhol, estima-se que cerca de 10.000 soldados e civis morreram durante o cerco, principalmente de doença ou fome. [1] Apenas cerca de 8.000 dos 14.000 habitantes originais da cidade sobreviveram, enquanto cerca de 3.000 soldados emaciados permaneceram para se render. [1] As perdas francesas foram de aproximadamente 14.000, mais da metade delas devido a doenças. [2] [1]

Após o extenso bombardeio de artilharia e 7 meses de cerco, a cidade de Girona estava praticamente inabitável. Restava pouco valor na cidade para os franceses. Conforme descrito por Charles Oman em seu A History of the Peninsular War (1908), Girona [1]

. apresentava uma vista melancólica de casas sem telhado, ou com uma ou duas das paredes laterais derrubadas, de ruas bloqueadas pela alvenaria caída de igrejas ou torres, sob as quais cadáveres meio apodrecidos estavam parcialmente enterrados. Os espaços abertos estavam repletos de mosquetes quebrados, trapos ensanguentados, rodas de armas e carroças danificadas, fragmentos de conchas e ossos de cavalos e mulas cuja carne havia sido comida. O fedor era tão terrível que Augereau teve que manter suas tropas fora do local, para evitar que uma infecção se propagasse entre eles.

Apesar da saúde precária de Álvarez, os franceses prenderam ele e outros oficiais de Girona em Perpignan, França, em 23 de dezembro. Depois de um mês, ele foi levado a julgamento por traição no castelo de San Fernando em Figueres. Em 21 de janeiro de 1810, um dia após sua chegada ao castelo, Álvarez foi encontrado morto em sua cela. [6] [7] [1] [5]

Devido aos longos atrasos e pesadas perdas sofridas pelos franceses, a resistência da cidade serviu aos propósitos espanhóis, no entanto. O cerco prendeu o exército francês por uma temporada inteira de campanha. [1] A batalha se tornou lendária ao longo da Guerra da Independência da Espanha, reunindo a resistência nacional, e Álvarez se tornou um herói nacional. [2]

O sucesso dos espanhóis em repelir o ataque de 19 de setembro foi comemorado em 1864 por uma pintura de Ramón Martí Alsina intitulada O Grande Dia de Girona. Com aproximadamente 5 m por 11 m de tamanho, esta grande pintura é propriedade do Museu Nacional de Arte da Catalunha. Em 14 de setembro de 2010, foi exibido de forma permanente no auditório do governo da Catalunha em Girona. [8]

Em Girona hoje, o Plaça de la Independència, é uma praça da cidade que homenageia os defensores de Girona durante esta guerra. Um monumento no centro da praça é dedicado a esses defensores. Localizada no bairro do Mercadal, é um dos lugares mais conhecidos e movimentados de Girona.


EUA rendem Fort Detroit aos britânicos

Durante a Guerra de 1812, o general americano William Hull entrega o Forte Detroit e seu exército aos britânicos sem lutar. Hull, um veterano de 59 anos da Revolução Americana, havia perdido a esperança de defender o assentamento depois de ver a grande força inglesa e indiana se reunindo fora dos muros de Detroit. O general também estava preocupado com a presença de sua filha e netos dentro do forte.

Do exército de 2.000 homens de Hull & # x2019, a maioria eram milicianos, e o general britânico Isaac Brock permitiu que eles voltassem para suas casas na fronteira. As tropas regulares do Exército dos EUA foram levadas como prisioneiras para o Canadá. Com a captura do Forte Detroit, o Território de Michigan foi declarado parte da Grã-Bretanha e o chefe do Shawnee, Tecumseh, foi capaz de aumentar seus ataques contra as posições americanas na área de fronteira. A rendição do Hull & # x2019s foi um duro golpe para o moral americano. Em setembro de 1813, o general americano William Henry Harrison, o futuro presidente, recapturou Detroit.

Em 1814, William Hull foi submetido à corte marcial por covardia e negligência ao entregar o forte, e foi sentenciado à morte. Por causa de seu serviço na revolução, no entanto, o presidente James Madison perdoou a sentença.


Histórias através de imagens e palavras

O início do século 19 foi um momento decisivo para a Espanha. Napoleão conseguiu fazer com que o rei Carlos IV e seu filho, Fernando, renunciassem a qualquer reivindicação legal ao domínio espanhol e colocou seu irmão José lá em 1808. Acreditando que o povo espanhol desejaria uma mudança em seu governo, ele logo descobriu o quão errado ele era. Se a Espanha havia aprendido alguma coisa com a Revolução Francesa, eles aprenderam o nacionalismo: eles eram uma nação única com sua própria cultura e história diversa. A França, embora aliada por muitos séculos com a Espanha, não era bem-vinda nessa nova forma de pensamento.

Enquanto isso, Napoleão estava de olho em Portugal. Ele a via como a porta de entrada para o resto do mundo e seu caminho para seguir os passos de Alexandre, o Grande. Ele também não estava satisfeito com o comércio português com a Inglaterra e queria que a Inglaterra saísse do Mediterrâneo. Então, ele enviou suas tropas para a cordilheira dos Pirineus, através da Espanha e em direção a Lisboa. Ao longo do caminho, as tropas francesas tomariam as principais cidades da Espanha.

O povo espanhol se revoltou contra os franceses. Eles foram apoiados pelos militares espanhóis da Inglaterra, que se aliaram aos líderes rebeldes espanhóis e à Igreja Católica que excomungou Napoleão em junho de 1809, onde, em retaliação, Napoleão mandou prender o Papa Pio VII e mantê-lo prisioneiro em seu palácio de Fontainebleau perto de Paris até início de 1814. Com esse apoio, os rebeldes espanhóis usaram a guerra de guerrilha contra o exército francês.

Por toda a Espanha houve revoltas contra os franceses. Soldados, fazendeiros, comerciantes, mulheres e crianças vieram ao chamado para defender seu país e cidades locais. O pintor espanhol Goya, cansado de ver como Napoleão queria que seus próprios pintores criassem cenas românticas de batalhas, viajou pela Espanha e esboçou desenhos dos horrores dessa guerra.

As pequenas cidades tornaram-se necessidades estratégicas para os militares franceses. Girona, Espanha, localizada às margens do rio Onyar, era uma dessas cidades. Sua localização o tornava um ponto-chave da França a Barcelona. Em junho de 1808, quando os franceses tentaram tomar o controle de Girona pela primeira vez, os militares e os cidadãos desta cidade foram capazes de derrotá-los. Houve um segundo cerco de 24 de julho a 16 de agosto, com a vitória novamente indo para Girona. Foi o terceiro cerco que Girona perdeu. Sete meses, de 24 de maio a 11 de dezembro de 1809, os cidadãos e militares lutaram contra os franceses. Quando caiu para os franceses, houve uma convocação por toda a Espanha que ajudou a fortalecer a resistência espanhola.

Todos os anos, no final de setembro, a cidade de Girona, na Espanha, recria o cerco e a batalha entre os franceses e os cidadãos de Girona durante a Guerra Peninsular, que finalmente terminou em 1814, quando espanhóis e ingleses conseguiram empurrar o Os franceses voltaram para a cordilheira dos Pirenéus e para fora da Espanha.

Livros:
Rothenberg, Gunther. As Guerras Napoleônicas. Cassell, Londres. 1999.

Streissguth, Thomas. As Guerras Napoleônicas: Derrota do Grande Exército. Lucent Books, MI. 2003

Howard, Emma. Espanha. Publicação do Compêndio, Londres. 2007

Um caloroso agradecimento aos patrocinadores da Convenção TBEX 2012 Costa Brava, Espanha e passeios:


Batalhas no Arco do Triunfo

Existem 158 batalhas listadas no Arco do Triunfo. Essas inscrições comemoram as vitórias francesas durante as Guerras Revolucionárias Francesas e as Guerras Napoleônicas. Algumas dessas batalhas podem não ser consideradas vitórias francesas por alguns historiadores, embora a comissão francesa que selecionou as batalhas possa tê-las considerado uma vitória porque os franceses alcançaram seus objetivos estratégicos, fizeram um esforço heróico ou mesmo escaparam de uma derrota catastrófica. Apesar disso, a comissão fez sugestões de batalhas, das quais um subconjunto foi aprovado para inclusão no monumento.

Agrupei as batalhas por guerra, teatro de guerra ou ano, com o nome no Arco do Triunfo (geralmente todas as letras maiúsculas) e um nome mais comum para a batalha. A fonte que mais usei para esta pesquisa é a de Arnauld Divry Les Noms Gravés sur l'Arc de Triomphe, publicado em 2017. Possui ampla pesquisa sobre o assunto. Infelizmente, não tenho fotos de alta resolução do Arco do Triunfo para garantir que a grafia das inscrições esteja 100% correta e, em vez disso, estou citando a grafia no trabalho de Divry.

As trinta batalhas com um escudo ao lado indicam batalhas consideradas grandes. Essas trinta batalhas estão inscritas em escudos voltados para fora do Arco do Triunfo, ao contrário das outras batalhas inscritas nas paredes internas do monumento.

Batalha azul indica explicação detalhada de Nathan D. Jensen
Batalha verde indica breve descrição
indica link para artigo da Wikipedia


Guerra civil espanhola estourou

Em 18 de julho de 1936, a Guerra Civil Espanhola começa como uma revolta de oficiais militares espanhóis de direita no Marrocos Espanhol e se espalha pela Espanha continental. Das Ilhas Canárias, o general Francisco Franco transmite uma mensagem pedindo a todos os oficiais do exército que se juntem ao levante e derrubem o governo republicano de esquerda da Espanha. Em três dias, os rebeldes capturaram o Marrocos, grande parte do norte da Espanha e várias cidades importantes no sul. Os republicanos conseguiram reprimir o levante em outras áreas, incluindo Madri, Espanha e a capital dos anos 2019. Os republicanos e nacionalistas, como eram chamados os rebeldes, passaram a proteger seus respectivos territórios executando milhares de supostos oponentes políticos. Enquanto isso, Franco voou para o Marrocos e se preparou para trazer o Exército da África para o continente.

Em 1931, o rei espanhol Alfonso XIII autorizou eleições para decidir o governo da Espanha, e os eleitores optaram por abolir a monarquia em favor de uma república liberal. Alfonso foi para o exílio e a Segunda República, inicialmente dominada por liberais de classe média e socialistas moderados, foi proclamada. Durante os primeiros dois anos da República, a organização sindical e os radicais de esquerda forçaram amplas reformas liberais, e a região da Catalunha e das províncias bascas, com mentalidade independente, alcançaram autonomia virtual.

A aristocracia latifundiária, a igreja e uma grande camarilha militar se opuseram à República e, em novembro de 1933, as forças conservadoras retomaram o controle do governo nas eleições. Em resposta, os socialistas lançaram uma revolução nos distritos mineiros das Astúrias e os nacionalistas catalães rebelaram-se em Barcelona. O general Franco esmagou a chamada Revolução de Outubro em nome do governo conservador e, em 1935, foi nomeado chefe do Estado-Maior do Exército. Em fevereiro de 1936, novas eleições trouxeram a Frente Popular, uma coalizão de esquerda, ao poder, e Franco, um monarquista estrito, foi enviado para um comando obscuro nas Ilhas Canárias, perto da África.

Temendo que o governo liberal cedesse à revolução marxista, os oficiais do exército conspiraram para tomar o poder. Após um período de hesitação, Franco concordou em se juntar à conspiração militar, que estava programada para começar no Marrocos às 5 da manhã do dia 18 de julho e, em seguida, na Espanha 24 horas depois. A diferença de tempo foi permitir ao Exército da África tempo para proteger o Marrocos antes de ser transportado para a costa andaluza da Espanha e da década de 2019 pela marinha.

Na tarde de 17 de julho, o plano para a manhã seguinte foi descoberto na cidade marroquina de Melilla, e os rebeldes foram forçados a uma ação prematura. Melilla, Ceuta e Tetuan logo estavam nas mãos dos nacionalistas, que eram auxiliados por tropas conservadoras marroquinas que também se opunham ao governo de esquerda em Madri. O governo republicano soube da revolta logo depois que ela estourou, mas tomou poucas medidas para impedir sua propagação para o continente.

Em 18 de julho, guarnições espanholas se rebelaram em toda a Espanha. Trabalhadores e camponeses lutaram contra o levante, mas em muitas cidades o governo republicano negou-lhes armas e os nacionalistas logo assumiram o controle. Em regiões conservadoras, como a Velha Castela e Navarra, os nacionalistas tomaram o controle com pouco derramamento de sangue, mas em outras regiões, como a ferozmente independente cidade de Bilbao, eles não ousaram deixar suas guarnições. A revolta nacionalista na marinha espanhola fracassou em grande parte, e os navios de guerra dirigidos por comitês de marinheiros foram fundamentais para garantir várias cidades costeiras para a República. No entanto, Franco conseguiu transportar seu Exército da África do Marrocos e, durante os meses seguintes, as forças nacionalistas invadiram rapidamente grande parte das áreas controladas pelos republicanos no centro e no norte da Espanha. Madrid foi sitiada em novembro.

Durante 1937, Franco unificou as forças nacionalistas sob o comando do Falange, Espanha & # x2019s partido fascista, enquanto os republicanos caíram sob o domínio dos comunistas. A Alemanha e a Itália ajudaram Franco com uma abundância de aviões, tanques e armas, enquanto a União Soviética ajudava o lado republicano. Além disso, milhares de comunistas e outros radicais da França, URSS, América e outros lugares formaram as Brigadas Internacionais para ajudar a causa republicana. A contribuição mais significativa dessas unidades estrangeiras foi a defesa bem-sucedida de Madrid até o final da guerra.

Em junho de 1938, os nacionalistas dirigiram para o mar Mediterrâneo e dividiram o território republicano em dois. No final do ano, Franco montou uma grande ofensiva contra a Catalunha. Em janeiro de 1939, sua capital, Barcelona, ​​foi capturada e, logo depois, o restante da Catalunha caiu. Com a causa republicana praticamente perdida, seus líderes tentaram negociar a paz, mas Franco recusou. Em 28 de março de 1939, os republicanos finalmente renderam Madri, pondo fim à Guerra Civil Espanhola. Até um milhão de vidas foram perdidas no conflito, o mais devastador da história espanhola. Franco posteriormente serviu como ditador da Espanha até sua morte em 1975.


Segundo cerco de Gerona, 24 de julho a 16 de agosto de 1808 - História

Cronograma de Eventos
1941-1945

1941

7 de dezembro de 1941 - os japoneses bombardearam Pearl Harbor, no Havaí, e também atacaram as Filipinas, a Ilha Wake, Guam, Malásia, Tailândia, Xangai e Midway.
8 de dezembro de 1941 - EUA e Grã-Bretanha declaram guerra ao Japão. Os japoneses pousam perto de Cingapura e entram na Tailândia.
9 de dezembro de 1941 - a China declara guerra ao Japão.
10 de dezembro de 1941 - os japoneses invadem as Filipinas e também apreendem Guam.
11 de dezembro de 1941 - os japoneses invadem a Birmânia.
15 de dezembro de 1941 - Primeiro navio mercante japonês naufragado por um submarino dos EUA.
16 de dezembro de 1941 - os japoneses invadem o Bornéu britânico.
18 de dezembro de 1941 - os japoneses invadem Hong Kong.
22 de dezembro de 1941 - os japoneses invadem Luzon nas Filipinas.
23 de dezembro de 1941 - o general Douglas MacArthur inicia uma retirada de Manila para os japoneses de Bataan tomarem a Ilha Wake.
25 de dezembro de 1941 - rendição britânica em Hong Kong.
26 de dezembro de 1941 - Manila declarou uma cidade aberta.
27 de dezembro de 1941 - os japoneses bombardearam Manila.

1942

Mapa do Império Japonês em seu pico em 1942.

2 de janeiro de 1942 - Manila e a base naval dos EUA em Cavite são capturadas pelos japoneses.
7 de janeiro de 1942 - os japoneses atacam Bataan nas Filipinas.
11 de janeiro de 1942 - os japoneses invadem as Índias Orientais Holandesas e o Bornéu holandês.
16 de janeiro de 1942 - os japoneses iniciam um avanço na Birmânia.
18 de janeiro de 1942 - Acordo militar alemão-japonês-italiano assinado em Berlim.
19 de janeiro de 1942 - os japoneses tomam Bornéu do Norte.
23 de janeiro de 1942 - os japoneses tomam Rabaul na Nova Bretanha nas Ilhas Salomão e também invadem Bougainville, a maior ilha.
27 de janeiro de 1942 - Primeiro navio de guerra japonês afundado por um submarino dos EUA.
30/31 de janeiro - Os britânicos se retiraram para Cingapura. O cerco de Cingapura então começa.
1 de fevereiro de 1942 - Primeira ofensiva de porta-aviões dos EUA na guerra, quando YORKTOWN e ENTERPRISE conduzem ataques aéreos em bases japonesas nas Ilhas Gilbert e Marshall.
2 de fevereiro de 1942 - os japoneses invadem Java nas Índias Orientais Holandesas.
8/9 de fevereiro - os japoneses invadem Cingapura.
14 de fevereiro de 1942 - os japoneses invadem Sumatra nas Índias Orientais Holandesas.
15 de fevereiro de 1942 - rendição britânica em Cingapura.
19 de fevereiro de 1942 - O maior ataque aéreo japonês desde Pearl Harbor ocorre contra Darwin, Austrália. Os japoneses invadem Bali.
20 de fevereiro de 1942 - Primeiro lutador da guerra dos EUA, o tenente Edward O'Hare do LEXINGTON em ação ao largo de Rabaul.
22 de fevereiro de 1942 - o presidente Franklin D. Roosevelt ordena que o general MacArthur saia das Filipinas.
23 de fevereiro de 1942 - Primeiro ataque japonês ao continente dos EUA quando um submarino invade uma refinaria de petróleo perto de Santa Bárbara, Califórnia.
24 de fevereiro de 1942 - ENTERPRISE ataca japoneses na Ilha Wake.
26 de fevereiro de 1942 - O primeiro porta-aviões dos EUA, o LANGLEY, é afundado por bombardeiros japoneses.
27 de fevereiro a 1º de março - a vitória naval japonesa na Batalha do Mar de Java como o maior navio de guerra dos EUA no Extremo Oriente, o HOUSTON, é afundada.
4 de março de 1942 - Dois barcos voadores japoneses bombardeiam o Pearl Harbor ENTERPRISE e ataca a Ilha Marcus, a apenas 1.600 quilômetros do Japão.
7 de março de 1942 - os britânicos evacuam Rangoon na Birmânia. Os japoneses invadem Salamaua e Lae na Nova Guiné.
8 de março de 1942 - Os holandeses em Java se rendem aos japoneses.
11 de março de 1942 - o general MacArthur deixa o Corregidor e é levado de avião para a Austrália. O general Jonathan Wainwright se torna o novo comandante dos EUA.
18 de março de 1942 - o general MacArthur nomeado comandante do Southwest Pacific Theatre pelo presidente Roosevelt.
18 de março de 1942 - War Relocation Authority estabelecida nos EUA, que eventualmente irá arrebanhar 120.000 nipo-americanos e transportá-los para centros de realocação com arame farpado. Apesar do internamento, mais de 17.000 nipo-americanos se inscreveram e lutaram pelos EUA na Segunda Guerra Mundial na Europa, incluindo a 442ª Equipe de Combate Regimental, a unidade mais condecorada da história dos EUA.
23 de março de 1942 - os japoneses invadem as ilhas Andaman na Baía de Bengala.
24 de março de 1942 - o almirante Chester Nimitz é nomeado comandante-chefe do teatro do Pacífico dos EUA.
3 de abril de 1942 - os japoneses atacam as tropas americanas e filipinas em Bataan.
6 de abril de 1942 - As primeiras tropas dos EUA chegam à Austrália.
9 de abril de 1942 - Forças americanas em Bataan rendem-se incondicionalmente aos japoneses.
10 de abril de 1942 - A Marcha da Morte de Bataan começa quando 76.000 prisioneiros de guerra aliados, incluindo 12.000 americanos, são forçados a caminhar 60 milhas sob um sol escaldante sem comida ou água em direção a um novo campo de prisioneiros de guerra, resultando em mais de 5.000 mortes de americanos.
18 de abril de 1942 - Surpresa "Doolittle" B-25 dos Estados Unidos, um ataque aéreo do HORNET contra Tóquio aumenta o moral dos Aliados.
29 de abril de 1942 - os japoneses tomam o centro da Birmânia.
1º de maio de 1942 - os japoneses ocupam Mandalay na Birmânia.
3 de maio de 1942 - os japoneses tomam Tulagi nas Ilhas Salomão.
5 de maio de 1942 - os japoneses se preparam para invadir Midway e as ilhas Aleutas.
6 de maio de 1942 - os japoneses tomam Corregidor enquanto o general Wainwright entrega incondicionalmente todas as forças dos Estados Unidos e das Filipinas nas Filipinas.
May 7-8, 1942 - Japan suffers its first defeat of the war during the Battle of the Coral Sea off New Guinea - the first time in history that two opposing carrier forces fought only using aircraft without the opposing ships ever sighting each other.
May 12, 1942 - The last U.S. Troops holding out in the Philippines surrender on Mindanao.
May 20, 1942 - Japanese complete the capture of Burma and reach India.
June 4-5, 1942 - Turning point in the war occurs with a decisive victory for the U.S. against Japan in the Battle of Midway as squadrons of U.S. torpedo planes and dive bombers from ENTERPRISE, HORNET, and YORKTOWN attack and destroy four Japanese carriers, a cruiser, and damage another cruiser and two destroyers. U.S. loses YORKTOWN.
June 7, 1942 - Japanese invade the Aleutian Islands.
June 9, 1942 - Japanese postpone further plans to take Midway.
July 21, 1942 - Japanese land troops near Gona on New Guinea.
August 7, 1942 - The first U.S. amphibious landing of the Pacific War occurs as 1st Marine Division invades Tulagi and Guadalcanal in the Solomon Islands.
August 8, 1942 - U.S. Marines take the unfinished airfield on Guadalcanal and name it Henderson Field after Maj. Lofton Henderson, a hero of Midway.
August 8/9 - A major U.S. naval disaster off Savo Island, north of Guadalcanal, as eight Japanese warships wage a night attack and sink three U.S. heavy cruisers, an Australian cruiser, and one U.S. destroyer, all in less than an hour. Another U.S. cruiser and two destroyers are damaged. Over 1,500 Allied crewmen are lost.
August 17, 1942 - 122 U.S. Marine raiders, transported by submarine, attack Makin Atoll in the Gilbert Islands.
August 21, 1942 - U.S. Marines repulse first major Japanese ground attack on Guadalcanal.
August 24, 1942 - U.S. And Japanese carriers meet in the Battle of the Eastern Solomons resulting in a Japanese defeat.
August 29, 1942 - The Red Cross announces Japan refuses to allow safe passage of ships containing supplies for U.S. POWs.
August 30, 1942 - U.S. Troops invade Adak Island in the Aleutian Islands.
September 9/10 - A Japanese floatplane flies two missions dropping incendiary bombs on U.S. forests in the state of Oregon - the only bombing of the continental U.S. during the war. Newspapers in the U.S. voluntarily withhold this information.
September 12-14 - Battle of Bloody Ridge on Guadalcanal.
September 15, 1942 - A Japanese submarine torpedo attack near the Solomon Islands results in the sinking of the Carrier WASP, Destroyer O'BRIEN and damage to the Battleship NORTH CAROLINA.
September 27, 1942 - British offensive in Burma.
October 11/12 - U.S. cruisers and destroyers defeat a Japanese task force in the Battle of Cape Esperance off Guadalcanal.
October 13, 1942 - The first U.S. Army troops, the 164th Infantry Regiment, land on Guadalcanal.
October 14/15 - Japanese bombard Henderson Field at night from warships then send troops ashore onto Guadalcanal in the morning as U.S. planes attack.
October 15/17 - Japanese bombard Henderson Field at night again from warships.
October 18, 1942 - Vice Admiral William F. Halsey named as the new commander of the South Pacific Area, in charge of the Solomons-New Guinea campaign.
October 26, 1942 - Battle of Santa Cruz off Guadalcanal between U.S. And Japanese warships results in the loss of the Carrier HORNET.
November 14/15 - U.S. And Japanese warships clash again off Guadalcanal resulting in the sinking of the U.S. Cruiser JUNEAU and the deaths of the five Sullivan brothers.
November 23/24 - Japanese air raid on Darwin, Australia.
November 30 - Battle of Tasafaronga off Guadalcanal.
December 2, 1942 - Enrico Fermi conducts the world's first nuclear chain reaction test at the University of Chicago.
December 20-24 - Japanese air raids on Calcutta, India.
December 31, 1942 - Emperor Hirohito of Japan gives permission to his troops to withdraw from Guadalcanal after five months of bloody fighting against U.S. Forces

1943

January 2, 1943 - Allies take Buna in New Guinea.
January 22, 1943 - Allies defeat Japanese at Sanananda on New Guinea.
February 1, 1943 - Japanese begin evacuation of Guadalcanal.
February 8, 1943 - British-Indian forces begin guerrilla operations against Japanese in Burma.
February 9, 1943 - Japanese resistance on Guadalcanal ends.
March 2-4 - U.S. victory over Japanese in the Battle of Bismarck Sea.
April 18, 1943 - U.S. code breakers pinpoint the location of Japanese Admiral Yamamoto flying in a Japanese bomber near Bougainville in the Solomon Islands. Eighteen P-38 fighters then locate and shoot down Yamamoto.
April 21, 1943 - President Roosevelt announces the Japanese have executed several airmen from the Doolittle Raid.
April 22, 1943 - Japan announces captured Allied pilots will be given "one way tickets to hell."
May 10, 1943 - U.S. Troops invade Attu in the Aleutian Islands.
May 14, 1943 - A Japanese submarine sinks the Australian hospital ship CENTAUR resulting in 299 dead.
May 31, 1943 - Japanese end their occupation of the Aleutian Islands as the U.S. completes the capture of Attu.
June 1, 1943 - U.S. begins submarine warfare against Japanese shipping.
June 21, 1943 - Allies advance to New Georgia, Solomon Islands.
July 8, 1943 - B-24 Liberators flying from Midway bomb Japanese on Wake Island.
August 1/2 - A group of 15 U.S. PT-boats attempt to block Japanese convoys south of Kolombangra Island in the Solomon Islands. PT-109, commanded by Lt. John F. Kennedy, is rammed and sunk by the Japanese Cruiser AMAGIRI, killing two and badly injuring others. The crew survives as Kennedy aids one badly injured man by towing him to a nearby atoll.
August 6/7, 1943 - Battle of Vella Gulf in the Solomon Islands.
August 25, 1943 - Allies complete the occupation of New Georgia.
September 4, 1943 - Allies recapture Lae-Salamaua, New Guinea.
October 7, 1943 - Japanese execute approximately 100 American POWs on Wake Island.
October 26, 1943 - Emperor Hirohito states his country's situation is now "truly grave."
November 1, 1943 - U.S. Marines invade Bougainville in the Solomon Islands.
November 2, 1943 - Battle of Empress Augusta Bay.
November 20, 1943 - U.S. Troops invade Makin and Tarawa in the Gilbert Islands.
November 23, 1943 - Japanese end resistance on Makin and Tarawa.
December 15, 1943 - U.S. Troops land on the Arawe Peninsula of New Britain in the Solomon Islands.
December 26, 1943 - Full Allied assault on New Britain as 1st Division Marines invade Cape Gloucester.

1944

January 9, 1944 - British and Indian troops recapture Maungdaw in Burma.
January 31, 1944 - U.S. Troops invade Kwajalein in the Marshall Islands.
February 1-7, 1944 - U.S. Troops capture Kwajalein and Majura Atolls in the Marshall Islands.
February 17/18 - U.S. Carrier-based planes destroy the Japanese naval base at Truk in the Caroline Islands.
February 20, 1944 - U.S. Carrier-based and land-based planes destroy the Japanese base at Rabaul.
February 23, 1944 - U.S. Carrier-based planes attack the Mariana Islands.
February 24, 1944 - Merrill's Marauders begin a ground campaign in northern Burma.
March 5, 1944 - Gen. Wingate's groups begin operations behind Japanese lines in Burma.
March 15, 1944 - Japanese begin offensive toward Imphal and Kohima.
April 17, 1944 - Japanese begin their last offensive in China, attacking U.S. air bases in eastern China.
April 22, 1944 - Allies invade Aitape and Hollandia in New Guinea.
May 27, 1944 - Allies invade Biak Island, New Guinea.
June 5, 1944 - The first mission by B-29 Superfortress bombers occurs as 77 planes bomb Japanese railway facilities at Bangkok, Thailand.
June 15, 1944 - U.S. Marines invade Saipan in the Mariana Islands.
June 15/16 - The first bombing raid on Japan since the Doolittle raid of April 1942, as 47 B-29s based in Bengel, India, target the steel works at Yawata.
June 19, 1944 - The "Marianas Turkey Shoot" occurs as U.S. Carrier-based fighters shoot down 220 Japanese planes, while only 20 American planes are lost.
July 8, 1944 - Japanese withdraw from Imphal.
July 19, 1944 - U.S. Marines invade Guam in the Marianas.
July 24, 1944 - U.S. Marines invade Tinian.
July 27, 1944 - American troops complete the liberation of Guam.
August 3, 1944 - U.S. And Chinese troops take Myitkyina after a two month siege.
August 8, 1944 - American troops complete the capture of the Mariana Islands.
September 15, 1944 - U.S. Troops invade Morotai and the Paulaus.
October 11, 1944 - U.S. Air raids against Okinawa.
October 18, 1944 - Fourteen B-29s based on the Marianas attack the Japanese base at Truk.
October 20, 1944 - U.S. Sixth Army invades Leyte in the Philippines.
October 23-26 - Battle of Leyte Gulf results in a decisive U.S. Naval victory.
October 25, 1944 - The first suicide air (Kamikaze) attacks occur against U.S. warships in Leyte Gulf. By the end of the war, Japan will have sent an estimated 2,257 aircraft. "The only weapon I feared in the war," Adm. Halsey will say later.
November 11, 1944 - Iwo Jima bombarded by the U.S. Navy.
November 24, 1944 - Twenty four B-29s bomb the Nakajima aircraft factory near Tokyo.
December 15, 1944 - U.S. Troops invade Mindoro in the Philippines.
December 17, 1944 - The U.S. Army Air Force begins preparations for dropping the Atomic Bomb by establishing the 509th Composite Group to operate the B-29s that will deliver the bomb.

1945

January 3, 1945 - Gen. MacArthur is placed in command of all U.S. ground forces and Adm. Nimitz in command of all naval forces in preparation for planned assaults against Iwo Jima, Okinawa and Japan itself.
January 4, 1945 - British occupy Akyab in Burma.
January 9, 1945 - U.S. Sixth Army invades Lingayen Gulf on Luzon in the Philippines.
January 11, 1945 - Air raid against Japanese bases in Indochina by U.S. Carrier-based planes.
January 28, 1945 - The Burma road is reopened.
February 3, 1945 - U.S. Sixth Army attacks Japanese in Manila.
February 16, 1945 - U.S. Troops recapture Bataan in the Philippines.
February 19, 1945 - U.S. Marines invade Iwo Jima.
March 1, 1945 - A U.S. submarine sinks a Japanese merchant ship loaded with supplies for Allied POWs, resulting in a court martial for the captain of the submarine, since the ship had been granted safe passage by the U.S. Government.
March 2, 1945 - U.S. airborne troops recapture Corregidor in the Philippines.
March 3, 1945 - U.S. And Filipino troops take Manila.
March 9/10 - Fifteen square miles of Tokyo erupts in flames after it is fire bombed by 279 B-29s.
March 10, 1945 - U.S. Eighth Army invades Zamboanga Peninsula on Mindanao in the Philippines.
March 20, 1945 - British troops liberate Mandalay, Burma.
March 27, 1945 - B-29s lay mines in Japan's Shimonoseki Strait to interrupt shipping.
April 1, 1945 - The final amphibious landing of the war occurs as the U.S. Tenth Army invades Okinawa.
April 7, 1945 - B-29s fly their first fighter-escorted mission against Japan with P-51 Mustangs based on Iwo Jima U.S. Carrier-based fighters sink the super battleship YAMATO and several escort vessels which planned to attack U.S. Forces at Okinawa.
April 12, 1945 - President Roosevelt dies, succeeded by Harry S. Truman.
May 8, 1945 - Victory in Europe Day.
May 20, 1945 - Japanese begin withdrawal from China.
May 25, 1945 - U.S. Joint Chiefs of Staff approve Operation Olympic, the invasion of Japan, scheduled for November 1.
June 9, 1945 - Japanese Premier Suzuki announces Japan will fight to the very end rather than accept unconditional surrender.
June 18, 1945 - Japanese resistance ends on Mindanao in the Philippines.
June 22, 1945 - Japanese resistance ends on Okinawa as the U.S. Tenth Army completes its capture.
June 28, 1945 - MacArthur's headquarters announces the end of all Japanese resistance in the Philippines.
July 5, 1945 - Liberation of Philippines declared.
July 10, 1945 - 1,000 bomber raids against Japan begin.
July 14, 1945 - The first U.S. Naval bombardment of Japanese home islands.
July 16, 1945 - First Atomic Bomb is successfully tested in the U.S.
July 26, 1945 - Components of the Atomic Bomb "Little Boy" are unloaded at Tinian Island in the South Pacific.
July 29, 1945 - A Japanese submarine sinks the Cruiser INDIANAPOLIS resulting in the loss of 881 crewmen. The ship sinks before a radio message can be sent out leaving survivors adrift for two days.
August 6, 1945 - First Atomic Bomb dropped on Hiroshima from a B-29 flown by Col. Paul Tibbets.
August 8, 1945 - U.S.S.R. declares war on Japan then invades Manchuria.
August 9, 1945 - Second Atomic Bomb is dropped on Nagasaki from a B-29 flown by Maj. Charles Sweeney -- Emperor Hirohito and Japanese Prime Minister Suzuki then decide to seek an immediate peace with the Allies.
August 14, 1945 - Japanese accept unconditional surrender Gen. MacArthur is appointed to head the occupation forces in Japan.
August 16, 1945 - Gen. Wainwright, a POW since May 6, 1942, is released from a POW camp in Manchuria.
August 27, 1945 - B-29s drop supplies to Allied POWs in China.
August 29, 1945 - The Soviets shoot down a B-29 dropping supplies to POWs in Korea U.S. Troops land near Tokyo to begin the occupation of Japan.
August 30, 1945 - The British reoccupy Hong Kong.
September 2, 1945 - Formal Japanese surrender ceremony on board the MISSOURI in Tokyo Bay as 1,000 carrier-based planes fly overhead President Truman declares VJ Day.
September 3, 1945 - The Japanese commander in the Philippines, Gen. Yamashita, surrenders to Gen. Wainwright at Baguio.
September 4, 1945 - Japanese troops on Wake Island surrender.
September 5, 1945 - British land in Singapore.
September 8, 1945 - MacArthur enters Tokyo.
September 9, 1945 - Japanese in Korea surrender.
September 13, 1945 - Japanese in Burma surrender.
October 24, 1945 - United Nations is born.

The History Place - World War II in the Pacific - Selected Battle Photos

Copyright © 1999 The History Place™ All Rights Reserved

Termos de uso: Casa / escola particular não comercial, não reutilização da Internet é permitida apenas de qualquer texto, gráfico, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


Second siege of Gerona, 24 July-16 August 1808 - History


French Revolutionary Wars Timeline: 1799

Se esses cronogramas das Guerras Revolucionárias Francesas forem muito detalhados, verifique o Guerras Revolucionárias Francesas - Principais Eventos , que são um resumo dos anos 1792-1802.

Para eventos mais próximos da Revolução veja o Linha do tempo da Revolução Francesa 1789-1799 .

January 2, 1799
Britain and the Ottoman Empire sign a treaty of alliance at Constantinople.

January 21, 1799
The Ottoman Empire and the Two Sicilies sign a treaty of alliance at Constantinople.

January 23, 1799
The French occupy Naples.

January 24, 1799
At Naples, the French proclaim the Parthenopean Republic , which will last until June 13, 1799.

January 30, 1799
Criação do Army of Observation (Arm e d'Observation) Comandante: Bernadotte .

February 21, 1799
O novo ministro da Defesa francês é Louis-Marie-Antoine Millet de Mureau . Ele consegue Barthelemy-Louis-Joseph Scherer .

March 2, 1799
Massena é o novo comandante do Army of Helvetia .

March 3, 1799
o Siege of Jaffa (part of the Syrian Expedition ) começa. It will end on March 7, 1799.

March 7, 1799
Criação do Army of the Danube . Comandante: Jourdan . Formerly, it has been the Army of Observation .

o Siege of Jaffa (part of the Syrian Expedition ) ends. It had begun on March 3, 1799. Napoleon Bonaparte and his soldiers take the city, leave their sick soldiers (plague) at the Armenian monastery, and then continue north to Acre.

You can visit the Armenian monastery today, by the way. Just set your GPS to 32 3′ 18.92″ N 34 45′ 8.22″ E. You will find yourself in today's Tel-Aviv, Israel.

Apparently, rumors later circulated accusing Bonaparte of having poisoned those of his soldiers that had contracted the plague. To this end, Bonaparte ordered a canvas that would not only contradict the rumors, but also make him the Messiah of the story.


Napoleon Bonaparte Visiting the Plague-Stricken in Jaffa
Bonaparte, ignoring the doctor who tries to stop him,
touches a sore on one of the plague victims with his bare hands.
Not coincidentally, the viewer is reminded of Jesus Christ.

Detail from the massive painting (5.23 x 7.15 meter /17.16 x 23.46 feet)
by Antoine-Jean Gros, 1804
Louvre

March 12, 1799
France and Austria are officially at war with each other.

March 17, 1799
O francês siege of Acre (Akko, Akka, Saint-Jean d'Acre) begins (part of the Syrian Campaign ) It will end on March 20, 1799. Acre's sovereign is the Turkish Ahmed El Jazar (Ahmad al-Jazzar).

This siege is part of Bonaparte's Syrian Expedition , which, in turn, is part of his Campanha egípcia . The Syrian expedition had been launched to prevent a possible attack by the Turks.

March 20, 1799
Bonaparte ends his unsuccessful siege of Acre (part of the Syrian Campaign ) It had begun on March 17, 1799.

March 25, 1799
Austria defeats France, led by General Jean Baptiste Jourdan no Battle of Stokach , fought at Stokach / Liptingen near Lake Constance.

March 27, 1799
The French arrest Pope Pius VI .

March 31, 1799
Massena é o novo comandante do Army of the Danube .

Mesnard é o novo comandante do Army of Helvetia . Seu posto é temporário.

April 8, 1799
Ernouf é o novo comandante do Army of the Danube . On paper it is Massena. Ernouf's post is temporary for the duration of the transition until Massena gets himself set up. Jourdan is on sick leave at Paris since April 3, 1799.

April 16, 1799
Battle of Mount Tabor . Os franceses, liderados por Kleber , defeat the Arabs. This battle is part of Napoleon's Campanha egípcia .

April 23, 1799
Congress of Peace at Rastatt (Rastatter Friedenskongress) termina.

This congress had commenced with its first session on December 9, 1797.

April 27, 1799
A Russo-Austrian coalition force, led by Russia's Count Suvorov and Austria's General Michael Friedrich von Melas , defeats a French army, led by General Moreau no Battle of Cassano (Cassano d'Adda, 18 miles / 30 km east of Milan).

April 29, 1799
o Army of Helvetia is merged into the Army of the Danube . Commander since March 31, 1799: Massena .

June 1799
Great Britain introduces the income tax to pay for the war. Ver French Revolutionary Wars and Income Tax .

June 4 - 6, 1799
First Battle of Zurich . Austrian victory.

June 17, 1799
o Battle of Trebbia começa. This battle will end on June 19, 1799.

June 18, 1799
Coup d' tat of 30 Prairial, year VII . Moderates were kicked out of the Directory.

June 19, 1799
o Battle of Trebbia termina. This battle had commenced on June 17, 1799. A combined force of Russians and Austrians, led by General Suvorov , defeat the French, led by Jacques- tienne Macdonald , in northern Italy.

July 2, 1799
O novo ministro da Defesa francês é Jean Bernadotte . Ele consegue Louis-Marie-Antoine Millet de Mureau .

July 11, 1799
A Turkish fleet arrives at Aboukir Bay but they won't come ashore until July 14, 1799.

July 14, 1799
The Ottoman forces who had arrived at Aboukir on July 11, 1799, go ashore. o Battle of Aboukir (part of the Campanha egípcia ) começa. It will end on July 25.

If you referred to the Battle of the Nile (August 1, 1798) as the Battle of Aboukir (Bay), then this battle today should consequently be your Second Battle of Aboukir (Bay).

July 16, 1799
Third day of the Battle of Aboukir (part of the Campanha egípcia ) The Ottoman Turks have gained the upper hand over the French. But the battle is not quite over yet. Bonaparte is on his way.

July 18, 1799
o Army of the Danube gets split into two: The Army of the Danube and the Army of the Rhine .

July 25, 1799
Napoleon Bonaparte crushes the Turks. The Battle of Aboukir (part of the Campanha egípcia ) is over. It had begun on July 14, 1799.

August 15, 1799
Battle of Novi (Novi Ligure). An Austro-Russian army, led by Alexander V. Suvorov , defeats the French, led by Joubert e Moreau . French General Joubert is killed.

August 24, 1799
Bonaparte manages to sneak out of Egypt. He will land on the French mainland at Frejus on October 9, and arrive in Paris on October 14, 1799.

August 29, 1799
Pope Pius VI dies in French captivity at Valence. The Catholic Church will be without a pope until March 14, 1800.

September 14, 1799
O novo ministro da Defesa francês é Edmond-Louis-Alexis Dubois de Cranc . Ele consegue Jean Bernadotte .

September 19, 1799
Battle of Bergen . In Holland, the French, led by Guillaume Brune , defeat the British and the Russians.

September 25 - 26, 1799
Second Battle of Zurich . French victory, led by Andr Mass na.

September 28, 1799
Russia and Portugal sign a treaty of alliance at Saint Petersburg.

October 1, 1799
Russia and Bavaria sign a treaty of alliance.

October 6, 1799
Battle of Castricum . In Holland, the French, led by Guillaume Brune , defeat the British and the Russians.

October 9, 1799
Bonaparte back on the French mainland. He lands at Frejus and travels on to Paris.

October 14, 1799
Bonaparte back in Paris.

October 18, 1799
Convention of Alkmaar

November 9, 1799
Napoleão Bonaparte comes to power via coup d' tat ( Coup d'Etat du 18 Brumaire ) that overthrows the Directory and installs the Consulate .

This is the end of the revolução Francesa .

November 10, 1799
Installation of the three provisional consuls Emmanuel-Joseph Si y s , Pierre-Roger Ducos , e Napoleão Bonaparte .

Also on November 10, 1799
O novo ministro da Defesa francês é Louis-Alexandre Berthier . Ele consegue Edmond-Louis-Alexis Dubois de Cranc .

November 24, 1799
o Army of the Rhine e a Army of the Danube merge into the Army of the Rhine.

December 13, 1799
Constitution of year VIII (Constitution of 22 Frimaire Year VIII). This constitution had been drafted by E.J. Sieyes .

December 14, 1799
George Washington dies at Mount Vernon, Virginia.

December 25, 1799
Adoption of the Constitution of the Year VIII : Bonaparte becomes Primeiro cônsul da França. Sieyes and Ducos, who?

December 26, 1799
Last day in office for the Conseil des Cinq-Cents. On January 1st, 1800, it will be replaced by the Corps L gislatif.


Aftermath and Legacy of the New York Draft Riots

In addition to the death toll, the riots had caused millions of dollars in property damage and made some 3,000 of the city’s Black residents homeless.

The New York Draft Riots remain the deadliest riots in U.S. history, even worse than the 1992 Los Angeles Riots and the 1967 Detroit Riots.

When the Colored Orphan Asylum attempted to rebuild on the same site after the riots, neighboring property owners protested, and the orphanage would eventually be relocated to the sparsely settled area north of the city that would later become Harlem.

Stunned by the riots, the abolitionist movement in New York City revived itself slowly, and in March 1864, less than a year after the draft riots, New York City saw its first all-Black volunteer regiment in the Union Army march with pomp and circumstance through the streets before boarding their ship in the Hudson River.


Assista o vídeo: Zabierajcie swoje złote zęby i wypierdalać przez Zaleszczyki (Julho 2022).


Comentários:

  1. Tosar

    Congratulations your idea is brilliant

  2. Kirkly

    É verdade! Eu acho que isso é uma boa idéia.

  3. Goltigore

    Por favor, explique os detalhes

  4. Kalkree

    muito interessante. OBRIGADO.

  5. Conant

    Eu protesto contra isso.

  6. Negis

    Nada.



Escreve uma mensagem