Artigos

Henry T. Allen AP-30 - História

Henry T. Allen AP-30 - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Henry T. Allen AP-30

Henry T. Allen

(AP 30: dp. 21.900 limitando, 1. 535 '; b. 72'; dr. 31'3 "; s.
16 k .; uma. 1 5 ", 43")

Henry T. Allen (AP-30) foi lançado como um transporte do Exército sob o Conselho de Navegação em 1920 pela New York Shipbuilding Corporation, Camden, New Jersey. Concluída em 1921 como Wenatchee, ela foi operada pela Pacific Steamship Co. até novembro de 1922 e renomeada como Presidente Jefferson. Ela então operou e foi comprada pela Admiral Oriental Line. O navio foi estacionado em Seattle em 1938 e comprado pelo Exército em outubro de 1940. Renomeado como Henry T. Allen pelo Exército, o navio foi então adquirido pela Marinha em 6 de dezembro de 1941 e colocado em comissão parcial para conversão para uso da Marinha. em Moore Dry Dock Co., Oakland, Califórnia. Henry T. Allen, comissionado totalmente em 22 de abril de 1942, comandante do Capitão PA Stevens.

Após a conclusão do equipamento, Henry T. Allen fez uma viagem de transporte de tropa para Honolulu e retorno. Chegando a San Diego em 18 de junho de 1942, ela participou de exercícios de pouso anfíbio até agosto, ajudando a moldar as potentes forças de assalto americanas que seriam um fator decisivo na guerra do Pacífico. O navio navegou em 22 de agosto pela Zona do Canal para Norfolk, onde chegou em 11 de setembro para mais treinamento de desembarque na costa de Maryland.

Henry T. Allen participaria da Operação Tocha de invasão através do oceano. O navio partiu no dia 23 de outubro com destino ao Norte da África, integrando a Força de Ataque do Norte, servindo como capitânia dos transportes nessa fase da operação. A força chegou ao largo de Mehedia, perto do estratégico Port Lyautey, em 7 de novembro, e Henry T. Allen começou naquela manhã a descarregar suas tropas do Exército da área de transporte. Ela permaneceu fora das praias, ocasionalmente sujeita ao fogo de baterias costeiras até 16 de novembro. Ela então ajudou a consolidar o pouso bem-sucedido atracando em Casablanca para descarregar a carga. O transporte partiu em 17 de novembro e chegou a Norfolk no dia 30.

Após os importantes desembarques no Norte da África, durante os quais muito se aprendeu sobre as operações anfíbias, Henry T. Allen foi designado para o Pacífico, um teatro no qual os ataques anfíbios desempenhariam um papel central. Transportando fuzileiros navais, partiu em 17 de dezembro e chegou a Tutuila, grupo de Samoa, via Zona do Canal, em 13 de janeiro de 1943. O navio também transportou tropas para Noumea e Espiritu Santo e, enquanto neste último porto, em 1 de fevereiro de 1943 foi redesignado um transporte de ataque, APA- 1

Até março de 1944, Henry T. Allen operou entre os portos da Nova Guiné e da Austrália, transportando tropas americanas e australianas em apoio à ofensiva aliada na Nova China e nas Ilhas Salomão. Ela fez muitas passagens pelas águas perigosas do Mar de Coral e, em uma ocasião, em 13 de julho de 1943, detectou uma trilha de torpedo se aproximando de sua proa a bombordo. A ação de alerta colocou o transporte fora de perigo, o torpedo passando a escassos 50 metros à frente.

Henry T. Allen partiu de Buna em 26 de março para exercícios de treinamento na Ilha Goodenough com a 24ª Divisão dos EUA, completando 16 de abril. O navio então arrancou em 17 de abril para a importante operação Hollandia, o ataque conjunto à Nova Guiné Central. Allen juntou-se ao grupo do almirante Barbey para o desembarque na Baía de Tanahmerah em 22 de abril e, depois que seu sucesso foi garantido, foi para o Cabo Sudest, na Nova Guiné, em 24 de abril. O navio passou as semanas seguintes transportando tropas para a Holanda para consolidar os ganhos e se preparar para o próximo passo no avanço para o oeste em direção às Filipinas. Alle ,, ancorou em Aitape em 15 de maio para carregar tropas para o desembarque de Wakde Sarmi e partiu no dia seguinte para uma corrida de 120 milhas não detectada pelos japoneses. Sob um forte bombardeio naval, o transporte descarregou no dia 17 e voltou para a Holanda.

A veterana de transporte passou o resto de sua carreira como capitânia de vários comandos anfíbios. Até setembro de 1944, ela realizou exercícios de treinamento em Bougainville e Nova Guiné, e após uma viagem a Queensland, Austrália, chegou a Hollandia em 3 de outubro de 1944. Lá ela recebeu equipamento e suprimentos adicionais para permitir que desempenhasse melhor sua função de quartel-general. Allen permaneceu em Hollandia até janeiro de 1945 como a base administrativa da famosa 7ª Força Anfíbia. Ela mudou sua base para o Golfo de Leyte enquanto as forças americanas varriam o norte e o oeste, chegando em 28 de janeiro de 1945.

Após a rendição final do Japão, Henry T. Allen viajou para Manila em 3 de setembro e partiu para os Estados Unidos em 15 de novembro. Ela chegou em 10 de dezembro de 1945, foi desativada em 5 de fevereiro de 1946 e foi devolvida ao Departamento de Guerra. Após um período na reserva em Suisun Bay, ela foi vendida para a Boston Metals Co .. Baltimore, Maryland, e descartada em março de 1948.


Após o shakedown e o treinamento, ala desobstruiu a costa oeste em 2 de dezembro de 1918. Como nau capitânia da Destroyer Division (DesDiv) 18, o navio participou das manobras anuais de inverno na área da Baía de Guant e aacutenamo. Em maio de 1919, ala forneceu ajuda à navegação e serviços de estação de salva-vidas como NC-1, NC-3, e NC-4 partiram em seu vôo transatlântico. ala serviu em uma estação ao largo de Newfoundland e apoiou a primeira etapa da passagem de Newfoundland para os Açores, enquanto estacionou a 50 milhas de navios irmãos, Boggs (Destruidor No. 136) e Palmer (Destruidor No. 161).

Em julho de 1919, ala esteve entre os primeiros destróieres que passaram pelas eclusas do Canal do Panamá quando a Frota fez a passagem do Atlântico para o Pacífico. Seguindo este trânsito de canal, ala seguiu para o norte e fez escala em Acapulco, México. Durante o restante de julho e até agosto, ela visitou portos da Califórnia como San Diego, San Pedro, San Luis Obispo, Monterey, San Francisco e Eureka, antes de seguir para o norte, para Portland, Oreg. Em 13 de setembro de 1919, ala estava entre os navios da Frota revisados ​​pelo presidente Woodrow Wilson em Seattle, Wash.
O destróier então retornou ao sul para San Diego para operar ao largo da Costa Oeste pelo resto de 1919 e em 1920. Em 17 de julho de 1920, durante a extensa atribuição de números de cascos a toda a Marinha, ala recebeu a designação DD-139. Com o DesDiv 18 até o final da primavera de 1921, ala subsequentemente, juntou-se a muitas de suas irmãs na reserva quando foi desativada em 21 de julho de 1921 e colocada em & ldquoRed Lead Row & rdquo em San Diego.

Enquanto o desafio do Eixo da Alemanha, Itália e Japão ameaçava a paz e a segurança das nações democráticas na segunda metade da década de 1930, a Marinha dos Estados Unidos começou a se rearmar. Enquanto novos navios se juntaram à frota, uma série de navios mais antigos & mdashala entre eles & mdash foram recomissionados. Alguns foram para o Atlântico para participar da guerra de fato com os submarinos alemães no decorrer do ano de 1941. Outros foram para as funções de defesa do distrito local, e o último papel foi ala& rsquos nova atribuição.

ala foi recomissionado em 15 de janeiro de 1941 na Base Destroyer Naval, San Diego, Tenente Comdr. Hunter Wood Jr., no comando. Depois de abastecer e abastecer, o navio de guerra partiu para o Pacífico, com destino ao Havaí, e balançou pesadamente assim que atingiu o mar aberto em 28 de fevereiro. Ela conseguiu passar e chegou a Pearl Harbor em 9 de março e juntou-se às forças de defesa locais do 14º Distrito Naval e ao DesDiv 80. Consistindo em quatro destróieres e dois de alairmãs & rsquos e um veterano da Primeira Guerra Mundial, Allen (DD-66) O trabalho de & mdashDesDiv 80 & rsquos era patrulhar a entrada do canal de Pearl Harbor & mdasha um grande trabalho para uma força tão pequena e antiquada e importante, já que a Frota do Pacífico seria baseada em Pearl Harbor como um impedimento para as crescentes ambições imperialistas do Japão no Extremo Oriente.

Ao longo de 1941, ala conduziu patrulhas anti-submarino de rotina na área havaiana, assim como Mastigar (DD-106), Schley (DD-103), e Allen, e os três lanchas da Guarda Costeira e um punhado de minecraft costeiro que compunham o resto de Comdr. John B. Wooley & rsquos Inshore Patrol command. À medida que as tensões com o Japão aumentaram após o embargo do petróleo em julho de 1941 e novamente com a ascensão do gabinete Tojo em outubro, Washington, no final de novembro de 1941, despachou um & ldquowar advertência & rdquo aos comandantes da força nas áreas das ilhas Havaianas e Filipinas para estarem no alerta para uma possível ação hostil japonesa.

Conseqüentemente, o Comandante em Chefe da Frota do Pacífico, Almirante Husband E. Kimmel, ordenou que sua patrulha costeira carregasse em profundidade contatos suspeitos de submarinos operando nas áreas marítimas defensivas. Ordens dadas, com efeito, para & ldquoshoot to kill, & rdquo ala e seus consortes continuaram como antes, com a exceção de que agora deveriam estar em pé de guerra. Equipado com equipamento de escuta, ala patrulhas vigilantes continuadas nas zonas de operação costeiras, cortando a rotina em oito para frente e para trás em um raio de duas milhas das bóias de entrada do canal.

Um dos velhos flautistas estava de serviço todos os fins de semana. Logo veio a ser ala& rsquos turn & mdashbut ela foi para o mar neste fim de semana específico com um novo oficial comandante. O tenente William W. Outerbridge assumiu o comando do tenente Comdr. Madeira em B de dezembro e, às 06h28 do dia 6, Outerbridge assumiu seu primeiro comando marítimo para uma patrulha de entrada de rotina.

Às 0408 do dia 7 de dezembro, o velho destróier foi aos quartéis gerais em busca de um suposto submarino detectado pela Condor (AMc-14), mas não deu em nada. Enquanto isso, Antares (AKS-14), nau capitânia do Esquadrão de Treinamento 8, arrastou-se de volta da Ilha de Palmyra com uma balsa a reboque. Ela ancorou na entrada do porto para aguardar uma maré favorável e a abertura das defesas da rede de expansão. Troca de chamadas com Antares como ela subsequentemente se dirigiu ao canal, em 0506, ala continuou sua vigília matinal até que os vigias da ponte destruidora e rsquos notaram um pequeno rastro de penas na popa do auxiliar, entre Antares e a jangada.

Dentro de instantes, ala era um navio vivo & mdash o alarme do quartel-general expulsou os homens de seus beliches e os mandou rapidamente para seus postos de ação. Outer-bridge, que havia se retirado para um beliche improvisado na garagem, estava na ponte em segundos, vestindo um colete salva-vidas por cima de um quimono e pijama, e um estilo da Primeira Guerra Mundial & ldquotin capacete & rdquo na cabeça.

ala atacou o submarino como um terrier e, por um momento, Outerbridge pensou que seu navio iria atropelar o pequeno intruso. A montaria número um de dez centímetros treinou ao redor, e seus artilheiros tentaram acertar uma conta no alvo indescritível. O primeiro tiro da guerra do Pacífico latiu de ala& rsquos arma em 0645 e espirrou inofensivamente além da pequena torre de comando. Como ala ultrapassou a velocidade de 25 nós, o canhão número três no topo da casa de convés da galera a meio do navio começou a disparar e a ronda de mdashits passou diretamente pela torre de comando do submersível & rsquos. Enquanto o anão japonês mergulhava mais fundo na água e começava a afundar, o contratorpedeiro lançou rapidamente quatro cargas de profundidade & mdashsignaled por quatro explosões no apito do navio & rsquos. Água negra jorrou para cima no navio e rsquos fervilhante esteira enquanto as bombas explodiam e selando a destruição do submarino e rsquos.

Outerbridge transmitiu um relatório conciso de ação ao Comandante, quartel-general do 14º Distrito Naval, e para distinguir este ataque dos inúmeros avistamentos que atormentaram as forças de patrulha locais, acrescentou que ele avistou e disparou contra um submarino não identificado na área marítima defensiva. Atrasos na busca de confirmação e uma relutância em acatar o aviso resultaram na transmissão lenta da mensagem por meio de canais de comunicação tortuosamente lentos. ala echo-ranged para mais contatos & mdashand logo se agarrou a outro, descartando cargas de profundidade, mas não apresentando resultados concretos.

Posteriormente, quando o dia amanheceu nas colinas verdes e roxas de Oahu, ala a caminho de casa e data de mdashher com destino mantido. Ela logo avistou uma sampana pesqueira japonesa e uma das muitas que eram uma visão familiar nas águas do arquipélago havaiano. Um pescador de repente começou a agitar uma bandeira branca & talvez ele tivesse visto os ataques de carga de profundidade determinados e pensado que os americanos bombardeariam qualquer coisa que se movesse. ala diminuiu a velocidade e fechou para investigar e levou a pequena embarcação para entregá-la à Guarda Costeira para tratamento.

Perto da entrada do porto por volta das 08h00, os que estavam no convés ouviram o som de tiros e explosões, enquanto a fumaça começava a ferver nos céus de Pearl Harbor. Logo um avião japonês bombardeando convenceu os céticos de que realmente havia uma guerra.

Naquela manhã de domingo, ala teve a distinção de disparar a primeira arma americana com raiva durante a guerra do Pacífico. Pelo resto do ano, a venerável destruidora continuou suas patrulhas distritais de rotina e & mdashpor um tempo & mdashanything que se movia sob as águas era um jogo justo. Como Outerbridge lembrou anos depois, ala e suas irmãs devem ter matado muitos peixes. Mas, à medida que destróieres mais novos e modernos começaram a se juntar à frota, bem como embarcações de caça submarina construídas para o propósito, algumas das antigas embarcações de quatro gaivotas e decks de luxo começaram a ser designadas para outras funções: cuidar de hidroaviões, colocar ou varrendo minas, ou & mdashpara uma inovação mais recente em guerra moderna & mdash transportando tropas totalmente equipadas para aterrissagens de assalto como transportes rápidos.

De acordo, ala navegou para Bremerton, Wash., para conversão em um transporte de alta velocidade no Puget Sound Navy Yard. Durante os meses seguintes, o velho & ldquofour-piper & rdquo começou a adquirir uma aparência alterada. Seus funis de proa foram removidos, enquanto a caldeira de proa e as salas de incêndio foram convertidas para acomodar as tropas. Canhões antiaéreos & mdash3 polegadas / 50s e 20 milímetros Oerlikons & mdash substituíram os antiquados & ldquo-mistas & rdquo canhões de 4 polegadas e metralhadoras calibre .50, e ela adquiriu quatro conjuntos de turcos e quatro embarcações de pouso de 36 pés para colocá-lo tropas em terra. Assim equipado, ala foi designado APD-16 e partiu para o Pacífico Sul em 6 de fevereiro de 1943.

Com sede em Espiritu Santo, ala executou uma variedade de funções e patrulhas submarinas mdashantis, tarefas de escolta e serviço de transporte & mdash enquanto ela trabalhava como um transporte rápido. Logo depois de completar uma corrida para as Ilhas Russell, ala aproximou-se de Tulagi na tarde de 7 de abril de 1943, quando uma aeronave japonesa sobrevoou o Almirante Isoroku Yamamoto & rsquos, a última operação planejada & ldquoI & rdquo & mdash, o ataque aéreo projetado para paralisar a capacidade militar americana nas Solomons, após a evacuação do Japão e rsquos de Guadalcanal.

Em 1510, ala foi para o quartel general e abriu fogo, atacando para fora do porto, ansioso para entrar em ação. Na confusão confusa de tiros, o navio ajudou a espirrar dois aviões japoneses. Quando a pontuação final foi apurada do lado americano, a Marinha havia perdido Aaron Ward (DD-483) e Kanawha (AO-9), enquanto Adhara (AK-71) e Tappahannock (AO-43) sofreu danos.

O dia seguinte, ala dirigido para Espiritu Santo & mdash como escolta para cinco comerciantes e na companhia de Taylor (DD-468), Farenholt (DD-491), e Sterett (DD-407) & mdashand chegou lá em 10 de abril. O transporte rápido passou então por uma reforma de concurso até o dia 17. Ela então embarcou homens do 4º Batalhão de Fuzileiros Navais, 1º Regimento de Fuzileiros Navais, para um pouso prático em Powell Point, New Hebrides, e para exercícios de pouso noturno. Após a conclusão dessas manobras, ela reembarcou tropas e conduziu uma triagem anti-submarino.

Continuando suas operações de escolta e transporte em junho, ala ajudou a repelir um ataque aéreo japonês na área de Guadalcanal no dia 16, seus artilheiros reclamando quatro aeronaves de ataque. Sete dias depois, em 23 de junho, ala vaporizado na tela de um comboio em serviço de escolta. Naquele dia, o submarino japonês RO-103, comandado pelo tenente Rikinosuke Ichimura, passou pela tela, torpedeou e afundou dois navios de carga & mdashAludra (AK-72) e Deimos (AK-78), que provou ser Ichimura & rsquos apenas & ldquokills & rdquo da guerra.

ala chegou a Milne Bay, Nova Guiné, em 17 de dezembro para o serviço na Força-Tarefa (TF) 76. Ela se envolveu em exercícios práticos ao largo do Cabo Sudest, Nova Guiné Britânica, com as Companhias & ldquoI & rdquo e & ldquoL & rdquo do 3º Batalhão, 7º Regimento de Fuzileiros Navais, de 22 a 23 de dezembro. No dia 24, ela embarcou 140 oficiais e homens das Companhias & ldquoI & rdquo e & ldquoM & rdquo do 3º Batalhão, 7º Regimento, e partiu para o Cabo Gloucester, Nova Grã-Bretanha, como parte do TU 76.1.21 com a formação de oito navios em ordem de coluna dupla .

O grupo se aproximou da área de pouso no dia 26, em coluna única e com velocidade de cinco nós. Às 06:00, um bombardeio de cruzador anunciou a aproximação dos americanos e ala desembarcaram suas tropas em 0653, lançando seus barcos Higgins da praia & ldquoYellow One & rdquo e, em seguida, retirando-se para esperar o retorno de sua ninhada. Bombardeiros pesados ​​do Exército zumbiam sobre as posições inimigas em 0705, e os bombardeiros médios do Exército então começaram a bombardear e metralhar as defesas inimigas cerca de 19 minutos depois. alaOs barcos rsquos voltaram por volta das 08h45 e, uma hora depois, o navio partiu para Buna, na Nova Guiné Britânica. Depois do que seu diário de guerra chamou de uma & ldquouneventful retorno de viagem & rdquo ala ancorou em Buna em 2259 em 26 de dezembro.

Dois dias depois, às 1140, ala embarcou 200 oficiais e homens da Companhia & ldquoB, & rdquo 1o Batalhão, 5o Fuzileiros Navais, com destino ao Cabo Gloucester como parte da TU 76.1.21. Em andamento em 1427, o navio foi para o quartel-general em 1933, quando vários aviões foram relatados nas proximidades. No entanto, nenhum se aproximou e o navio retirou-se do quartel em 2018 naquela noite.

No dia seguinte, 29 de dezembro, ala e os transportes rápidos de sua irmã se aproximaram da área de desembarque a 15 nós e desembarcaram fuzileiros navais em 0655, aguardando o retorno de seus barcos. Durante os pousos, bombardeiros médios do Exército atacaram o campo de aviação e outros alvos de oportunidade, enquanto os transportes de destróieres se destacaram para o mar para recuperar as embarcações de desembarque mais tarde. Tudo alaOs barcos rsquos haviam retornado por volta das 08h15, e todos os outros transportes, exceto Noa (APD-24) havia recuperado o deles por volta das 09:00. Logo depois disso, os navios de guerra voltaram para Buna.

Operando como parte da Divisão de Transporte 22, ala começou em 0601 em 1 de janeiro de 1944 para o Cabo Sudest. Naquela tarde, ela se juntou ao Grupo de Assalto Ocidental com destino a Saidor, Nova Guiné, e partiu para a Nova Guiné Britânica. Às 06h15 do dia seguinte, ala aproximou-se da área de transporte, enquanto os contratorpedeiros de escolta abriram fogo contra alvos de praia e defesas inimigas 30 minutos depois. Companhia de Desembarque & ldquoL, & rdquo 126º Regimento de Infantaria do Exército, 32d Divisão, ala ficou perto da costa. O bombardeio de contratorpedeiro cessou às 07h17 e, um minuto depois, a embarcação de desembarque que se aproximava da praia metralhou a selva à beira-mar com metralhadoras e tiros de armas automáticas. Aqueles na costa em ala não pudemos ver o pouso real devido à pesada nuvem de fumaça e poeira causada pelo bombardeio.

Depois de retornar do desembarque do Cabo Sudest para Buna, ala conduziu operações locais fora do Espírito Santo em fevereiro de 1944. Em seguida, ela realizou exercícios de aterrissagem prática com fuzileiros navais embarcados e tropas da Nova Zelândia ao largo do rio Juno, Vella Lavella, Ilhas Salomão, antes de iniciar no final de 14 de fevereiro para participar dos desembarques na Ilha Nissan .

Selecionado por Fullam (DD-474), Halford (DD-480), em que o Comandante, Unidade de Tarefa (CTU) 31.1.4 montou, Hóspede (DD-472), Hudson (DD-475), e Bennett (DD-473), ala chegou nas proximidades da Ilha Nissan quando vários aviões inimigos foram relatados voando nas proximidades. Aproximando-se da área de transporte em 0512, ela desembarcou na praia & ldquoBlue One & rdquo e logo notou aeronaves japonesas atacando as formações LCI e LST. Durante o corpo a corpo, ala contou seis aeronaves japonesas, mas caças aliados cuidaram das formações inimigas & mdashdowning dois, enquanto tiros & ldquoheavy e moderadamente precisos & rdquo dos navios de superfície abaixo ajudaram a afastar os outros. Em terra, as tropas não encontraram oposição e logo tomaram seu objetivo. ala, seu trabalho concluído, dirigiu-se às Ilhas Russell para embarcar homens do 33º Batalhão de Construção da Marinha no dia 20 para passagem para a Ilha Nissan.

Após o desembarque, as abelhas embarcadas em & ldquoBeach Red, & rdquo ala patrulhou offshore, rastreando uma dúzia de LST e rsquos enquanto eles se dirigiam para Guadalcanal, antes de ela se dirigir a Espiritu Santo para atracar em ARD-5 para reparar o equipamento de som danificado durante a segunda fase das operações do navio e da Ilha Nissan.

No mês seguinte, o durável transporte rápido participou dos desembarques na Ilha Emirau, com o embarque da Companhia & ldquoB & rdquo, 1º Batalhão, 4º Fuzileiros Navais. Ela desembarcou 208 soldados e 22 toneladas de suprimentos em quatro horas e, posteriormente, se juntou à tela anti-submarino protegendo os transportes que ainda estavam descarregando e os navios de desembarque nas docas. Reabastecimento logo em seguida a caminho da Baía de Purvis, ala ancorou em seu destino em 23 de fevereiro para passar por um período de manutenção necessário para o restante do mês.

Realizando desembarques de prática no Cabo Cretín, com oficiais e homens da 163ª Equipe de Combate Regimental do Exército no início de abril, ala embarcou essas tropas para transporte para Aitape, Nova Guiné, e começou em 1617 em 18 de abril com o TG 77.1. Indo para os quartéis gerais às 04h30 do dia 22 de abril, o transporte parou às 0537h da área de desembarque e, após o desembarque de suas tropas, seguiu para uma estação de apoio de fogo na Ilha de Tumleo. Por meia hora, ala conduziu um bombardeio costeiro com sua bateria principal de 3 polegadas antes de mudar o tiroteio para o que inicialmente parecia ser uma embarcação de desembarque japonesa encalhada, mas que a investigação posterior provou ser um pequeno recife.

Posteriormente, a triagem da área de transporte, ala transferiu um homem ferido de uma embarcação de desembarque para Kilty (APD-15) para evacuação e tratamento médico. Depois de pegar seus barcos de desembarque, ala mais tarde, escoltou reforços para Aitape no dia 22d. No dia seguinte, viu uma continuação de seus deveres de transporte de tropas e suporte de fogo, como seus barcos embarcaram tropas de Ormsby (APA-49) para transportá-los até a praia, enquanto alaOs tiros de 3 polegadas ajudaram novamente as tropas em terra.

Mudança para o Cabo Cretino no dia 25 e para Buna no dia 26, ala conduziu tarefas de triagem anti-submarino com transportes com destino a Saidor, Nova Guiné, antes de retornar a Aitape. Ela rastreou e patrulhou perto dos transportes de descarga e, após o reabastecimento, escoltou Henry T. Allen (AP-30) e o australiano transporta Kanimbla, Manoora e Westralia para a baía de Humboldt, onde descarregaram suas tropas embarcadas. Voltando ao Cabo Sudest e ao Cabo Cretin, ala navio provisionado em 10 de maio e passou por uma revisão de licitação ao lado Dobbin (AD-3) em Port Harvey, Nova Guiné Britânica, no dia 14. Posteriormente, retornando para Humboldt Bay na companhia de Herbert (APD-22), ala ancorou na baía de Humboldt em 24 de maio e embarcou tropas do 186º Regimento de Infantaria do Exército para transporte para Bosnik, na Ilha de Biak, em Schoetens. A operação, que teve início no dia 27, ocorreu sem contratempos e todas as tropas desembarcaram nas praias sem oposição. Formando em ordem de coluna aberta, ala e os transportes rápidos de sua irmã navegaram para Hollandia e a baía de Humboldt.

ala conduziu operações de patrulha anti-submarino de rotina na baía de Humboldt e na área da Nova Guiné até o final de junho. Ela passou por uma revisão de concurso com Dobbin em Manus, nos Almirantados, de 24 de junho a 4 de julho, antes de seguir para o Cabo Cretín, onde trocou seus barcos de desembarque com os do navio irmão Schley (APD-14). Navegando mais tarde para Milne Bay, o navio realizou tarefas de transporte local na área da Nova Guiné até julho. ala posteriormente serviu como piquete e guia de navegação para um comboio de Humboldt Bay-to-Maffin Bay, nas águas locais da Nova Guiné, antes de realizar um desembarque prático a leste de Toem, Nova Guiné.

Embarque em tropas das Companhias & ldquoE & rdquo e & ldquoF & rdquo do 1º Regimento de Infantaria do Exército, 6ª Divisão, bem como uma unidade fotográfica de combate e três correspondentes de guerra australianos, ala teve início em 27 de julho para o Cabo Sansapor. Ela chegou à área de transporte de Warsai às 0626 do dia 30 e imediatamente começou o desembarque. A primeira leva de tropas a desembarcar não encontrou oposição e os navios voltaram para a baía de Humboldt.

Durante agosto, ala conduziu operações de transporte local e, em seguida, navegou para a Austrália para uma revisão. No caminho, na manhã de 9 de agosto, o mar forte arrancou um armário de três polegadas pronto para uso do convés para a frente e abriu um pequeno buraco no convés principal. Depois de concluir os reparos temporários mais tarde naquele dia, ala chegou a Port Jackson, em Sydney, no dia 12 e lá permaneceu por 10 dias. Enquanto navegava para Milne Bay, o navio e seus companheiros & mdashHerbert, Schley, Crosby, e Kilty& mdash reduziu a velocidade para cinco nós devido a uma apendicectomia de emergência sendo realizada em Schley, mas finalmente retomou sua velocidade normal e chegou a Milne Bay às 0800 em 27 de agosto.

ala conduziu exercícios de transporte e aterrissagem prática no início de setembro antes de iniciar em 10 de setembro para Morotai, como parte da TU 77.3.2. Ela desembarcou seis oficiais e 151 homens alistados da Companhia & ldquoA, & rdquo 124º Regimento de Infantaria, 31ª Divisão, 6º Exército, Exército dos Estados Unidos, e então recuperou todas as suas embarcações de desembarque e examinou uma flotilha de LCI antes de iniciar a patrulha anti-submarino.

O transporte de alta velocidade ancorou ao largo do Cabo Sansapor no dia 16 e, três dias depois, partiu para Humboldt Bay como parte da tela para LCI Flotilla 8. Às 1143 daquele dia, ela observou um acidente do Lockheed P-38 Lightning da Força Aérea do Exército e enviou um barco de desembarque para resgatar o piloto, 1º Tenente Edgar B. Scott. ala chegou a Humboldt Bay às 0512 no dia 22 e imediatamente iniciou os reparos ao lado Dobbin para corrigir uma engrenagem de redução com defeito.

Com esse trabalho concluído em 1º de outubro, ala mudou para o Cabo Cretín, onde carregou suprimentos, munições, sete oficiais e 140 homens alistados das Companhias & ldquoE & rdquo e & ldquoF & rdquo do 6º Batalhão de Rangers do Exército para transporte para as Filipinas. Ela começou no dia 12 com o HMS de transporte de camada de minério britânico Ariadne enquanto o guia da frota seguia pela Baía de Humboldt e, ao se aproximarem da Ilha Dinagat no dia 17, foram para os quartéis gerais em 0558, quando um avião japonês lançou um sinalizador branco & mdash que delineou vividamente todos os navios na formação no brilho branco fantasmagórico. Iniciando uma ação evasiva, o transporte rápido dirigiu-se aos pontos de desembarque de tropas enquanto Lang (DD-399) e Bisbee (PF-46) começou o bombardeio costeiro.

Depois de lançados, os barcos encontraram dificuldades. Ventos fortes, mares e recifes de coral perigosos, todos representavam obstáculos para suas tripulações, já que não havia sotavento atrás do qual se deitar e os ventos sopravam diretamente em direção à praia. Após o desembarque, todos os barcos de ala voltou para Ariadne para embarcar tropas, enquanto Schley& rsquos barcos chegaram ao lado para serem preenchidos com Ranger Company & ldquoF & rdquo de ala. Enquanto isso, ala estava tendo dificuldade em permanecer no canal varrido, pois fortes correntes de maré, com ventos e mares fortes, quase sempre faziam com que o navio ancorasse.

Todos menos um de alaOs barcos ficaram encalhados na praia. Um desses três foi puxado por barcos de Schley mas os outros permaneceram lá durante a noite. O quarto de ala& rsquos barco grupo, incapaz de voltar para seu próprio navio, foi içado a bordo Schley antes da aposentadoria noturna e Schley& rsquos boat & mdashwhich ajudou a refluir um dos alae barcos rsquos, foi levado a bordo ala. Retornando à área de transporte de tropas na manhã seguinte, ala continuou descarregando suprimentos para os rangers do Exército. Enquanto estava empenhado nesta tarefa, o navio avistou dois & ldquoVals & rdquo japoneses vindo das colinas da Ilha Dinagat. O navio foi rapidamente para os quartéis gerais e começou a atirar. Um avião disparou contra os transportes, mas foi expulso, enquanto o segundo avião permaneceu a 3.000 pés e, ao ver seu camarada fracassar, logo se retirou sem fazer um ataque.

Enquanto prosseguia para Kossol Roads, no Palaus, ocorreu uma tragédia ala quando uma corda de salvamento cedeu e dois homens caíram ao mar. Virando para estibordo, ala inclinou-se para fazer o resgate, enquanto os homens no convés atiravam coletes salva-vidas aos homens na água. Herbert, fumegando em companhia, aproximou-se e um de seus homens saltou para o lado e resgatou um dos ala marinheiros. O outro ala o casaco azul desapareceu. Como ala& rsquos war diary anotado ameaçadoramente: & ldquosharks foram vistos nas proximidades. & rdquo Desistindo da busca em 1645, ala navegou, listando o homem como & ldquopresumed perdido. & rdquo

Ao reabastecer em Kossol Roads, ala foi designado para se juntar a Kilty na escolta de três LST & rsquos para as Filipinas. Procedendo via Morotai, ala, seu navio irmão e suas cargas chegaram ao Golfo de Leyte às 00h45 em 12 de novembro. O navio foi para o quartel-general em 0454, destacou o LST & rsquos que prosseguiu para o ancoradouro da Baía Dulag e observou fogo antiaéreo sobre a Baía de San Pedro, quando um ataque aéreo japonês atingiu a frota invasora americana.
Ainda não engajado, ala assisti quando um avião japonês foi atingido por fogo antiaéreo de um LST e, deixando uma coluna de fumaça, mergulhou no mar, quase no caminho do recém-destacado e agora ligado à praia LST & rsquos. Os ataques retaliatórios diminuíram por um tempo, mas ala& mdashin em resposta a um relatório de que 50 a 60 aeronaves japonesas estavam voando em direção à área de transporte & mdash retornou aos alojamentos gerais de 0708 a 0750. Depois de soar um & ldquoall claro & rdquo, ala abandonou os quartéis gerais, mas voltou a essa condição em 1335, quando várias aeronaves japonesas voltaram para atacar a navegação americana.

Fogo antiaéreo intenso abateu dois aviões inimigos quase instantaneamente, mais dois colidiram com navios de reparo & mdashEgeria (ARL-8) e Aquiles (ARL-41). Aquela noite, ala recebeu ordens de escoltar um comboio para a Holanda e ela deixou a área.

Retornando à Baía de San Pedro em um comboio de cinco colunas e 15 navios em 28 de novembro, ala permaneceu fundeado nos dias 29 e 30 do mês no Golfo de Leyte, preparando-se para participar nos desembarques programados em Mindoro. Embora houvesse vários alertas de ataque aéreo sinalizados, ala& rsquos log registra que ela não viu nenhum avião inimigo.

Os alertas contínuos de ataques aéreos durante esse período dificultaram a vida dos homens da Frota envolvidos nas operações de pouso, com relógios quase ininterruptos. ala Embarcou quatro oficiais e 104 homens alistados da 77ª Divisão do Exército em 6 de dezembro e sorteada para Ormoc Bay, Ilha de Leyte, em 1237 com TG 78.3. Uma vez que aeronaves inimigas foram relatadas na área, ala foi para o quartel-general durante a rota para a baía de Ormoc.

Às 0153, o navio observou um grande grupo de sinalizadores a oeste da Ilha de Himuquitan, na costa oeste de Leyte. Às 04h45, avistaram outro sinalizador, à frente do comboio. O fogo antiaéreo cruzou o céu quando o que parecia ser um hidroavião japonês passou pelo lado estibordo do grupo e saiu ileso, apesar do fogo pesado. Mais sinalizadores lançados ao redor do comboio pouco antes do nascer do sol apontaram para a possibilidade de um ataque, mas nenhum avião japonês apareceu. Às 6h30, os contratorpedeiros que escoltavam deixaram a tela para iniciar o bombardeio da costa e, 12 minutos depois, ala começou a desembarcar suas tropas para a praia em seus LCP (R) s.
Na patrulha de triagem entre a Ilha Pomson e Leyte a partir de 08h25, ala avistou uma formação de nove & ldquoBetties & rdquo bimotores vindo do norte sobre Leyte a uma altitude entre 4.000 e 5.000 pés. Iniciando manobras evasivas de alta velocidade, a nave entrou em ação com armas em punho, mas não deu nenhum golpe observável. Pouco antes de 1000, Mahan (DD-364) foi atacado por outro grupo de aviões e alaOs vigias de & rsquos notaram que o infeliz destruidor estava emitindo grandes quantidades de fumaça cinza e preta.

ala now came under a concentrated attack by &ldquoBetties&rdquo and &ldquoOscars,&rdquo and both Mohan and the fast transport fought for their lives against the onslaught. Army P-38&rsquos and Curtiss P-40&rsquos streaked over to intercept the attackers and engaged the Japanese over the unfortunate Mahan. The formation of nine &ldquoBetties,&rdquo again flying over the destroyer, soon broke, as three headed for ala in a loose vee formation. ala&rsquos gunners opened fire with 3-inch and 20-millimeter batteries, sprinkling the sky with puffs of flak. The center plane was hit by the barrage, wavered, and crashed the ship at the waterline at 0956, entering the forward part of the boiler room and the after part of the lower troop space. One of the plane&rsquos two engines continued on through the ship, exiting at the waterline on the starboard side. An instant later, a &ldquoBetty&rdquo passed low over ala&rsquos forecastle, strafing the ship en route, and crashed into the water 200 yards off the starboard bow, slapped into the sea by ala&rsquos gunfire.
The third attacker which had singled the transport out also joined her partners, splashing 600 yards off the starboard quarter. In the meantime, the bomber which had crashed the ship had blown up, starting uncontrollable fires in the troop spaces&mdashfortunately unoccupied at the time&mdashand in the fireroom. Boiler fires flared back and the forced draft blower, dislodged from its mounting, fell into the fireroom.

Ceasing fire at 0957, all hands started to fight the fires as the air attack abruptly ended. In the distance, Mahan, too, burned fiercely&mdashthe victim of a heavy and devastating attack. Men in the forward part of ala could not contact those in the aft, since the fires amidships had severed all communications. Thick smoke boiled out of the mortal wound in the fast transport amidships.

Several minutes after the explosion, water pressure dropped to below 100 pounds, making it nearly impossible to train water on the fires to attempt to put them out. The ship soon lost way as the fire amidships burned fiercely. The thick smoke boiling from the damaged troop space and fireroom area made the suction hoses for the gasoline-driven handy billies as well as asbestos suit stowage&mdashlocated amidships&mdashinaccessible. In an effort to dissipate the smoke, the awning over the well-deck was cut away. This reduced the density of the smoke but did not make the area amidships any more accessible. Two boats were lowered in an attempt to fight the fires through the holes in the hull made by the entrance and exit of the &ldquoBetty&rdquo on its death run. The handy billies carried in the LCP(R)&rsquos unfortunately proved inadequate to deal with the raging gasoline-fed fires.
At 1015, O&rsquoBrien (DD-725), Saunter (AM-295), Batedor (AM-296), and Crosby stood towards ala. Batedor e Crosby lowered boats to pick up survivors. In the meantime, with main communications systems out of commission, a report was made via battery-powered radio to the other ships. ala&rsquos commanding officer, Lt. R. E. Parwell, USNR, announced the intention of abandoning if the fires could not be brought under control. O&rsquoBrien&mdashcommanded by Lt. Comdr. Outerbridge, the same man who had commanded ala during her historic encounter with the Japanese midget submarine three years to the day before&mdashmoved close aboard to port and commenced fire fighting operations 1018.

By this time, however, fires raged in the troop spaces&mdashigniting both fuel tanks and the diesel oil storage the fireroom filled with black smoke, and it proved impossible to regain steam pressure to get underway. Flames rose and extended along the main deck in the vicinity of the 20-millimeter ready use ammunition lockers. The danger posed by the explosion of fuel tanks, ready-use ammunition and magazines, at 1024 caused Farwell to order &ldquoabandon ship&rdquo&mdashless than one-half hour after the Japanese plane had crashed into the ship. Almost miraculously, only one man had been injured, and all hands left the ship to board other vessels.

Saunders joined O&rsquoBrien in trying to put out the blaze, but the fire defied all attempts to extinguish it. Commander, TG 78.3, ordered O&rsquoBrien to sink the blazing fast transport with gunfire. Accordingly, the ships stood away, and O&rsquoBrien commenced firing. From the bridge of O&rsquoBrien, Lt. Comdr. Outerbridge watched as that destroyer&rsquos guns sank ala, his first sea command. Years later, he recalled that there was little emotion involved in the task: &ldquoit just was something that had to be done.&rdquo ala sank at 1130 on 7 December 1944, in Ormoc Bay between Poro Island and Apali Point. Her name was struck from the Navy list on 20 January 1945.
ala earned one battle star for World War II services as a destroyer and eight as a fast transport.


Galeria de fotos

– Courtesy Fred Wildon Fickett Papers, Archives and Special Collections, Consortium Library, University of Alaska Anchorage –

– From Lt. Henry Allen’s report “The Copper, Tanana, and Koyukuk Rivers in the Territory of Alaska –

Postagens Relacionadas

Tombstone’s Allen Street is one of the most notorious in the Old West. On the&hellip

From the Atlantic to the Pacific oceans, in peacetime and on bloody fields of war,&hellip

This issue’s Ulysses S. Grant cover was illustrated by Allen Polt, a portrait artist who&hellip


Conteúdo

After completion of outfitting, Henry T. Allen made one troop carrying voyage to Honolulu and return. Arriving San Diego 18 June 1942, she took part in amphibious landing exercises until August, helping to mold the potent American assault forces which would be a decisive factor in the Pacific war. The ship sailed 22 August via the Canal Zone for Norfolk, Virginia, where she arrived 11 September for more landing training on the Maryland coast.

Invasion of North Africa

Henry T. Allen was to take part in cross-ocean invasion, Operation Torch. The ship departed 23 October for North Africa as part of the Northern Attack Force, serving as flagship for transports in that phase of the operation. The force arrived off Mehedia, near strategic Port Lyautey, 7 November and Henry T. Allen began that morning to unload her Army troops from the transport area. She remained off the beaches occasionally subjected to fire from shore batteries until 15 November. She then helped consolidate the successful landing by mooring at Casablanca to unload cargo. The transport sailed 17 November and arrived Norfolk the 30th.

Pacific Theatre

Following the important North Africa landings, during which much was learned about amphibious operations, Henry T. Allen was assigned to the Pacific, a theater in which amphibious assaults were to play a central role. Carrying Marines, she sailed 17 December and arrived Tutuila, Samoa group, via the Canal Zone, 13 January 1943. The ship also transported troops to Noumea and Espiritu Santo and while at the latter port 1 February 1943 was redesignated an attack transport, APA-15.

Until March 1944 Henry T. Allen operated between New Guinea and Australian ports, carrying both American and Australian troops in support of the Allied offensive in New Guinea and the Solomons. She made many passages through the dangerous waters of the Coral Sea, and on one occasion, 13 July 1943 detected a torpedo track approaching her port bow. Alert action brought the transport around and out of danger, the torpedo passing a scant 50 yards ahead.

Invasion of New Guinea

Henry T. Allen sailed from Buna 26 March for training exercises on Goodenough Island with the U.S. 24th Infantry Division, completing 16 April. The ship then got underway 17 April for the important Hollandia operation, the joint attack on Central New Guinea. Henry T. Allen joined Admiral Barbey's group for the landings at Tanahmerah Bay 22 April and after their success was assured steamed to Cape Sudest, New Guinea, 24 April.

The ship spent the next few weeks transporting troops into Hollandia to consolidate gains and prepare for the next step in the westward advance toward the Philippines. Henry T. Allen anchored at Aitape 15 May to load troops for the Wakde-Sarmi landings, and got underway the next day for a run of 120 miles undetected by the Japanese. Under a brisk naval bombardment the transport unloaded on the 17th and returned to Hollandia.

Made a flagship

The veteran transport spent the rest of her career as a flagship for various amphibious commands. Until September 1944 she performed training exercises on Bougainville and New Guinea, and after a voyage to Queensland, Australia, arrived Hollandia 3 October 1944. There she received additional equipment and supplies to allow her to better perform her headquarters function. Henry T. Allen remained at Hollandia until January 1945 as the administrative base of the famous 7th Amphibious Force. She shifted her base to Leyte Gulf as American forces swept north and west, arriving 28 January 1945. She was reclassified AG-90 in February 1945.

Decommission

After the final surrender of Japan Henry T. Allen steamed to Manila 3 September and departed for the United States 15 November. She arrived 10 December 1945, decommissioned 5 February 1946, and was redelivered to the War Department. After a period in the National Defense Reserve Fleet at Suisun Bay, Benecia, California, she was sold to Boston Metals of Baltimore, Maryland, and scrapped in March 1948.


After completion of outfitting, Henry T. Allen made one troop carrying voyage to Honolulu and return. Arriving San Diego 18 June 1942, she took part in amphibious landing exercises until August, helping to mold the potent American assault forces which would be a decisive factor in the Pacific war. The ship sailed 22 August via the Canal Zone for Norfolk, Virginia, where she arrived 11 September for more landing training on the Maryland coast. & # 911 e # 93

Invasion of North Africa [ edit | editar fonte]

Henry T. Allen departed 23 October for North Africa and Operation Torch as part of the Northern Attack Force under Brig. Gen. Lucian K. Truscott, Jr. and serving as flagship in that phase of the operation with headquarters remaining aboard during the landing of troops until it could be set up ashore. Γ] The force arrived off Mehedia, near strategic Port Lyautey, 7 November and Henry T. Allen began that morning to unload her Army troops from the transport area. She remained off the beaches occasionally subjected to fire from shore batteries until 15 November. She then helped consolidate the successful landing by mooring at Casablanca to unload cargo. The transport sailed 17 November and arrived Norfolk the 30th. & # 911 e # 93

Pacific Theatre [editar | editar fonte]

Following the important North Africa landings, during which much was learned about amphibious operations, Henry T. Allen was assigned to the Pacific, a theater in which amphibious assaults were to play a central role. Carrying Marines, she sailed 17 December and arrived Tutuila, Samoa group, via the Canal Zone, 13 January 1943. The ship also transported troops to Noumea and Espiritu Santo and while at the latter port 1 February 1943 was redesignated an attack transport, APA-15. & # 911 e # 93

On 17 March 1943 Allen was assigned as flagship, Commander Amphibious Force, Seventh Fleet, but was in poor condition and urgently needed for training and transport. Δ] She was assigned to critical amphibious training for troops of Amphibious Force, Southwest Pacific reporting at Sydney. Ε] The ships condition was such that on 10 April 1943 she had to be withdrawn from training for five weeks overhaul availability at Sydney. & # 918 e # 93

Until March 1944 Henry T. Allen operated between New Guinea and Australian ports, carrying both American and Australian troops in support of the Allied offensive in New Guinea and the Solomons. She made many passages through the dangerous waters of the Coral Sea, and on one occasion, 13 July 1943 detected a torpedo track approaching her port bow. Alert action brought the transport around and out of danger, the torpedo passing a scant 50 yards ahead. & # 911 e # 93

Invasion of New Guinea [ edit | editar fonte]

Henry T. Allen sailed from Buna 26 March for training exercises on Goodenough Island with the U.S. 24th Infantry Division, completing 16 April. The ship then got underway 17 April for the important Hollandia operation, the joint attack on Central New Guinea. Henry T. Allen joined Admiral Barbey's group for the landings at Tanahmerah Bay 22 April and after their success was assured steamed to Cape Sudest, New Guinea, 24 April. & # 911 e # 93

The ship spent the next few weeks transporting troops into Hollandia to consolidate gains and prepare for the next step in the westward advance toward the Philippines. Henry T. Allen anchored at Aitape 15 May to load troops for the Wakde-Sarmi landings, and got underway the next day for a run of 120 miles undetected by the Japanese. Under a brisk naval bombardment the transport unloaded on the 17th and returned to Hollandia. & # 911 e # 93

Made a flagship [ edit | editar fonte]

The veteran transport spent the rest of her career as a flagship for various amphibious commands. Until September 1944 she performed training exercises on Bougainville and New Guinea, and after a voyage to Queensland, Australia, arrived Hollandia 3 October 1944. There she received additional equipment and supplies to allow her to better perform her headquarters function. With Leyte approaching and USS Cume azul destined to be the flagship for that operation on 7 October 1944 Captain H. J. Nelson, USN, Commander Administrative Command, Seventh Amphibious Force, established the Administrative Group of the Staff of Commander Seventh Amphibious Force aboard Allen. Η] Henry T. Allen remained at Hollandia until January 1945 as the administrative base of the famous 7th Amphibious Force. She shifted her base to Leyte Gulf as American forces swept north and west, arriving 28 January 1945. Ώ] She was reclassified AG-90 in January 1945. Α]

Decommission [ edit | editar fonte]

After the final surrender of Japan Henry T. Allen steamed to Manila 3 September and departed for the United States 15 November. She arrived 10 December 1945, decommissioned 5 February 1946 and was redelivered to the War Department. After a period in the National Defense Reserve Fleet at Suisun Bay, Benecia, California, she was sold to Boston Metals of Baltimore, Maryland, and scrapped in March 1948. Ώ]


Nas coleções

Henry T. Allen to John J. Raskob, 1928-11-14

Letter to John J. Raskob regarding his service in the 1928 Presidential campaign and concerning the state of the Democratic party.

Raskob, John J. (John Jakob), 1879-1950
Allen, Henry T. (Henry Tureman), 1859-1930

Find all items with name(s)

Manuscripts and Archives Department, Hagley Museum and Library

[Description and dates], Hagley ID, Box/folder number, John J. Raskob papers (Accession 0473), Manuscripts and Archives Department, Hagley Museum and Library, Wilmington, DE 19807


James Franklin Bell was born near Shelbyville, Kentucky, on 9 January 1856. He graduated from the United States Military Academy in 1878. He was commissioned a second lieutenant in the 9th Cavalry upon graduation and soon was transferred to the 7th Cavalry. He married Sarah Buford in 1881. The next year, he served with the military escorts for the &hellip

Hugh Lenox Scott was born in Danville, Kentucky, on 22 September 1853. He graduated from the United States Military Academy in 1876 and was commissioned a second lieutenant with the 9th Cavalry. Soon he joined the 7th Cavalry in a position which opened as a result of the rout of the 7th Cavalry at Little Big Horn. He fought &hellip


Individual Details

1. , William Hemingway Montjoy, Nat # 75050 State Miss # 251 SAE, Lt Colonel Valentine Allen National Society Sons of the American Revolution, Ancestry.com, .

2. John Bennett Boddie, Historical Southern Families, Volume III (Redwood City, CA: Clearfield Company, Orig 1959, Reprinted Baltimore, 1967), 16-21.

3. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

4. Melba Goff Allen [email protected], Melba's Southern Families (http://mallen4896.tripod.com/Index.html : accessed 3 January 2013), Valentine Allen.

5. Michael West Berry, "The Hunt Family of Charles City County, Virginia," The Virginia Genealogist, Volume 37 ( : printed 2 January 2013), Starts page 117.

6. "Family Trees," database, ancestry.com (: accessed 10 January 2002–13), William Allen. mailen4896.tripod.com/Allen/Allen-WmYork.html.

7. Albermarle County, Virginia, Will Book A: 33 William Allen Descendants of John & Charity (west) Parker, ancestry.com.

8. Rockingham, North Carolina, : Wills, 1804-1829, Vol A, image 112 Valentine Allen Familysearch.org, .

9. , William Hemingway Montjoy, Nat # 75050 State Miss # 251 SAR, Lt Colonel Valentine Allen National Society Sons of the American Revolution, Ancestry.com, .

10. "Family Data Collection - Individual Records," database, ancestry.com ( : accessed 13 December 1915), Nancy Anne Arnold.

11. John Bennett Boddie, Historical Southern Families, Volume III (Redwood City, CA: Clearfield Company, Orig 1959, Reprinted Baltimore, 1967), 16-21.

12. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

13. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

14. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

15. DAR Packet on Valentine Allen with Application of M769857" National Society Daughters of the American Revolution, Genealogical Research System, digital image (http://services.dar.org/Public/DAR_Research/ : 8 Jul 2017), document 4392081 Access only available at DAR Library, Washington, DC..

16. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

17. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

18. , William Hemingway Montjoy, Nat # 75050 State Miss # 251 SAE, Lt Colonel Valentine Allen National Society Sons of the American Revolution, Ancestry.com, .

19. DAR Packet on Valentine Allen with Application of M769857" National Society Daughters of the American Revolution, Genealogical Research System, digital image (http://services.dar.org/Public/DAR_Research/ : 8 Jul 2017), document 4392081 Access only available at DAR Library, Washington, DC..

20. "Guilford, NC, Deeds, V.1 (A) 1771-1779," digital images, FamilySearch (https://www.familysearch.org/: accessed 9 April 2021), im 523, Valentine Allen, abt 1778 citing FHL microfilm 19045.

21. "Guilford, NC, Deeds, V.2 (B) 1779-1783," digital images, FamilySearch (https://www.familysearch.org/: accessed 10 April 2021), im 31, Valentine Allen, 13 Nov 1779 citing FHL microfilm 19046.

22. "Guilford, NC, Deeds, V.2 (B) 1779-1783," digital images, FamilySearch (https://www.familysearch.org/: accessed 10 April 2021), im 81, Valentine Allen, 10 May 1780 citing FHL microfilm 19046.

23. 1790 U.S. census, Rockingham Co., NC, population schedule, , p. 534, col. 3, line from half page 6, Valentine Allen digital images, Ancestry (www.ancestry.com : accessed 7/1/17) citing NARA microfilm publication M637, roll 7.

24. Rockingham, North Carolina, : Wills, 1804-1829, Vol A, image 112 Valentine Allen Familysearch.org, .

25. John Bennett Boddie, Historical Southern Families, Volume III (Redwood City, CA: Clearfield Company, Orig 1959, Reprinted Baltimore, 1967), 16-21.

26. "Forumotion.com", database, Allen Family - A forum for discussion of Allen Family History (http://allen.forumotion.com/t6-william-a-allen-s-allen-line : accessed 7 January 2013), "William A Allen's Allen line," William Allen submitted 20 August 2009 by William A Allen Sources Henry T. Allen in 1930 in the Kentucky Historical Society Journal and the book "The Allen family of England, Virginia, North Carolina, Tennessee, Mississippi, Texas and Illinois, 1600-1995: the descendants of Captain William Allen. " by Richard Fenton Wicker, Jr, 1995.

27. , William Hemingway Montjoy, Nat # 75050 State Miss # 251 SAR, Lt Colonel Valentine Allen National Society Sons of the American Revolution, Ancestry.com, .

28. John Bennett Boddie, Historical Southern Families, Volume III (Redwood City, CA: Clearfield Company, Orig 1959, Reprinted Baltimore, 1967), 16-21.

29. Melba Goff Allen [email protected], Melba's Southern Families (http://mallen4896.tripod.com/Index.html : accessed 3 January 2013), Valentine Allen.

30. Michael West Berry, "The Hunt Family of Charles City County, Virginia," The Virginia Genealogist, Volume 37 ( : printed 2 January 2013), Starts page 117.


Site of Henry T. Scott School

Early African American citizens of Woodville educated their children in local churches and Masonic halls well into the twentieth century. Efforts to develop a better public school system for the students began with the dynamic leadership of educator Henry T. Scott. A native of Tyler County, Scott trained at Prairie View State Normal and Industrial College and taught in Beaumont before moving to Woodville as a teacher in 1910. Here, he worked to raise funds for a new school. Thanks to his vision and perseverance, a six-room school named for him opened on Elm Street (now Martin Luther King Drive) in 1934, only two years before his death.

Scott School experienced its greatest early growth under John K. Canada, who became Principal in 1947. He set high standards for the students and the development of school curriculum, and under his leadership the student body increased from fewer than 100 students to more than 500. As a result of the growth and the introduction of new programs, Canada worked with Superintendent B.H. McGuire and district officials to plan for a larger campus at this site, purchased in 1959. The new Scott School opened with the beginning of the academic year in 1961.

Henry T. Scott School developed as an important institution in Woodville, and its graduates included many accomplished in their chosen

professions and prominent in community activities. The school closed in the late 1960s as a result of integration, and the main building burned in 1980. Today, an active alumni association helps preserve the memories of Scott School and its namesake, Henry T. Scott, both revered in the history of Tyler County.

Erected 2006 by Texas Historical Commission. (Marker Number 13734.)

Tópicos This historical marker is listed in these topic lists: African Americans &bull Education. A significant historical year for this entry is 1910.

Localização. 30° 46.336′ N, 94° 25.359′ W. Marker is in Woodville, Texas, in Tyler County. Marker is at the intersection of West Live Oak Street and South Pecan Street, on the right when traveling east on West Live Oak Street. Toque para ver o mapa. Marker is in this post office area: Woodville TX 75979, United States of America. Toque para obter instruções.

Outros marcadores próximos. Pelo menos 8 outros marcadores estão a uma curta distância deste marcador. Home of James Edward Wheat (approx. 0.4 miles away) The Rev. Acton Young (approx. half a mile away) Woodville Academy and Woodville College (approx. half a mile away) Lt. Col. Phillip A. Work (approx. half a mile away) Tyler County Courthouse (approx. half a mile away) Tyler County (approx. half a mile away) Texas Statesman Allan Shivers (approx. half a mile away) Woodville Magnolia Cemetery (approx. 0.6 miles away). Touch for a list and map of all markers in Woodville.


Foto, impressão, desenho Maj. Gen. Henry T. Allen who commanded Amer. Army in Germany

A Biblioteca do Congresso não possui direitos sobre o material de suas coleções. Portanto, não licencia ou cobra taxas de permissão para o uso de tal material e não pode conceder ou negar permissão para publicar ou distribuir o material.

Em última análise, é obrigação do pesquisador avaliar os direitos autorais ou outras restrições de uso e obter permissão de terceiros quando necessário antes de publicar ou distribuir materiais encontrados nas coleções da Biblioteca.

For information about reproducing, publishing, and citing material from this collection, as well as access to the original items, see: Harris & Ewing Photographs - Rights and Restrictions Information

  • Consultoria de direitos: Sem limitações conhecidas na publicação. For more information, see Harris & Ewing Photographs - Rights and Restrictions Information https://www.loc.gov/rr/print/res/140_harr.html
  • Número da Reprodução: LC-DIG-hec-42991 (digital file from original negative)
  • Numero de telefone: LC-H234- A-5684 [P&P]
  • Aviso de acesso: ---

Obtenção de cópias

Se uma imagem estiver sendo exibida, você mesmo pode fazer o download. (Algumas imagens são exibidas apenas como miniaturas fora da Biblioteca do Congresso devido a considerações de direitos, mas você tem acesso a imagens de tamanho maior no local.)

Como alternativa, você pode comprar cópias de vários tipos por meio dos Serviços de duplicação da Biblioteca do Congresso.

  1. Se uma imagem digital estiver sendo exibida: As qualidades da imagem digital dependem parcialmente se ela foi feita a partir do original ou de um intermediário, como um negativo de cópia ou transparência. Se o campo Número de reprodução acima incluir um número de reprodução que comece com LC-DIG. então, há uma imagem digital que foi feita diretamente do original e é de resolução suficiente para a maioria dos fins de publicação.
  2. Se houver informações listadas no campo Número da reprodução acima: Você pode usar o número de reprodução para comprar uma cópia dos Serviços de Duplicação. Será feito a partir da fonte listada entre parênteses após o número.

Se apenas fontes em preto e branco (& quotb & w & quot) estiverem listadas e você deseja uma cópia mostrando cores ou matizes (assumindo que o original tenha), você geralmente pode comprar uma cópia de qualidade do original em cores citando o número de telefone listado acima e incluindo o registro do catálogo (& quotSobre este item & quot) com sua solicitação.

Listas de preços, informações de contato e formulários de pedidos estão disponíveis no site dos Serviços de Duplicação.

Acesso aos Originais

Use as etapas a seguir para determinar se você precisa preencher um recibo de chamada na Sala de Leitura de Impressos e Fotografias para ver o (s) item (ns) original (is). Em alguns casos, um substituto (imagem substituta) está disponível, geralmente na forma de uma imagem digital, cópia impressa ou microfilme.

O item está digitalizado? (Uma imagem em miniatura (pequena) ficará visível à esquerda.)

  • Sim, o item está digitalizado. Por favor, use a imagem digital em vez de solicitar o original. Todas as imagens podem ser visualizadas em tamanho grande quando você estiver em qualquer sala de leitura da Biblioteca do Congresso. Em alguns casos, apenas imagens em miniatura (pequenas) estão disponíveis quando você está fora da Biblioteca do Congresso porque o item tem direitos restritos ou não foi avaliado quanto a restrições de direitos.
    Como medida de preservação, geralmente não servimos um item original quando uma imagem digital está disponível. Se você tiver um motivo convincente para ver o original, consulte um bibliotecário de referência. (Às vezes, o original é simplesmente muito frágil para servir. Por exemplo, negativos fotográficos de vidro e filme estão particularmente sujeitos a danos. Eles também são mais fáceis de ver online quando são apresentados como imagens positivas.)
  • Não, o item não está digitalizado. Vá para # 2.

Os campos Aviso de acesso ou Número de telefone acima indicam que existe um substituto não digital, como microfilme ou cópias impressas?

  • Sim, existe outro substituto. A equipe de referência pode encaminhá-lo para este substituto.
  • Não, outro substituto não existe. Vá para # 3.

Para entrar em contato com a equipe de referência na Sala de Leitura de Impressos e Fotografias, use nosso serviço Ask A Librarian ou ligue para a sala de leitura entre 8h30 e 5h00 em 202-707-6394 e pressione 3.


Assista o vídeo: Henry Impromptu Speech (Agosto 2022).